Pular para o conteúdo principal

FUGA ALUCINADA (Dirty Mary, Crazy Larry, EUA, 1974), de John Hough


Cinco anos após se consagrar como um dos ícones dos anos 60, com o filme SEM DESTINO, Peter Fonda retorna às estradas em FUGA ALUCINADA na pele de Larry, um piloto de corrida que sonha disputar as provas da Nascar, mas não tem dinheiro necessário para isso. Contando com a ajuda de seu mecânico, Deke (Adam Roarke), Larry furta o cofre de um supermercado de uma pequena cidade e parte em retirada com um Chevy Caprice, pensando que acabou de realizar o roubo perfeito, mas os planos da dupla começam a escorregar quando Mary, uma garota que Larry deu uma bimbada na noite anterior ao assalto, insiste em ir com eles.

O que se segue a partir daí é uma jornada em alta velocidade pelas longas rodovias americanas em perseguições de carro contra a polícia da região. Mas mesmo quando não estão em fuga iminente, crazy Larry faz jus ao seu nome do título original, realizando manobras desnecessariamente perigosas, como passar entre dois caminhões num espaço apertado ou saltar entra o vão de uma ponte elevadiça. Durante o trajeto, Mary e Larry discutem como se fossem um velho casal, enquanto o pobre Deke tem de ouvir tudo no banco de trás.

Depois de trocar o Chevy por um Dodge Charger, a coisa esquenta ainda mais. Larry sempre afunda o pé no acelerador, seja com vários carros de polícia na sua cola ou apenas um policial, que turbinou seu carro para ir atrás do trio, e até mesmo ao se livrar de um helicóptero Larry comprova ser um grande piloto. Claro que o final niilista típico dos anos 70 os espera num belíssimo desfecho.

Peter Fonda e Susan George têm bastante química em cena, enquanto Roarke trabalha muito bem seu papel. Mas meu destaque vai para o grande Vic Morrow que interpreta o policial que comanda a captura dos três fugitivos. Morrow está excelente como sempre encarnando seu típico personagem durão disposto a fazer de tudo para realizar seu trabalho.

As sequências de perseguições em alta velocidade são rápidas e bem realistas e a direção de John Hough é muito boa nesse sentido, escolhendo com cautela onde colocar sua câmera. Quentin Tarantino é um dos apreciadores do filme e não esqueceu de homenagear FUGA ALUCINADA em seu DEATH PROOF, trabalho que reverencia este tipo de produção, como por exemplo VANISHING POINT e GONE IN 60 SECONDS... FUGA ALUCINADA não fica abaixo de nenhum desses.

Comentários

  1. Mais um pra assistir. Tenho baixado há muito tempo mas não vi ainda. Assim como o Vanishing Point.

    ResponderExcluir
  2. Um clássico da Sessão de Gala! Quero muito rever. Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. O GONE IN 60 SECONDS original eu vi o começo e me bateu o sono, será que é bom mesmo? Já o FUGA ALUCINADA é memorável.

    ResponderExcluir
  4. Eu adoro, mas preciso rever... tô querendo escrever sobre ele também.

    ResponderExcluir
  5. Pô, deve ser du.caralho! Peter Fonda moleque,na era Easy Rider.

    Ando descobrindo várias joías raras q nem eu conhecia antes por aqui!

    ResponderExcluir
  6. O interessante é que esse é um filme de carros estrelado por dois ícones dos filmes de motoqueiros...

    ResponderExcluir
  7. Esse eu não conhecia, mas pelo review, parece ser legal... vou conferir

    ResponderExcluir
  8. Nunca consegui uma cópia decente desse filme para assistir. Até hoje está na lista de espera... junto com Zabriskie point, que sai em DVD no mês que vem! Hooray!

    ResponderExcluir
  9. Zé Madalena BH/MG30/07/2012 17:43

    Chevy Caprice???Não é um IMPALA????

    ResponderExcluir
  10. Não entendo nada de carros e provavelmente procurei saber essa informação na época que escrevi e devo ter encontrado isso... se tiver errado, se for impala, não tenho como saber... nem me lembro como era o carro, escrevi esse texto em 2009! hehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …