Pular para o conteúdo principal

TRÊS HOMENS, UMA LEI (Il bianco, il giallo, il nero, 1975), de Sergio Corbucci


Arrumei este aqui em VHS por 0,99 mangos numa locadora cuja promoção dizia o seguinte: “alugue e não devolva nunca mais!”. Então beleza! Acabei descobrindo depois que TRÊS HOMENS, UMA LEI é o mesmo filme lançado em DVD no Brasil pela Ocean Pictures com o título O ÚLTIMO SAMURAI DO OESTE.

Para quem não conhece nada sobre o filme, o básico do enredo trata de três personagens completamente diferentes que se unem em uma aventura em busca de um raro pônei japonês que fora sequestrado por um bando de malfeitores exigindo uma gorda quantia para o resgate.

Temos então o policial Black Jack Gideon, vivido pelo grande Eli Wallach, o eterno Tuco de TRÊS HOMENS EM CONFLITO, o bandido bonzinho na pele do astro do faroeste spaghetti Giuliano Gemma e Sakura, o assistente de um samurai que faz de tudo para honrar o nome de seu mestre tentando recuperar o pônei sequestrado. E quem encarna a figura é ninguém menos que o cubano Tomas Milian, de longe o melhor em cena, engraçadíssimo.

O filme não é dos melhores trabalhos do diretor Sergio Corbucci, autor de alguns spaghetti westerns de primeiríssima qualidade, como O VINGADOR SILÊNCIOSO e DJANGO, mas não deixa de ser uma pequena homenagem ao gênero, já bastante enfraquecido na época, além de ser divertido, com alta dose de humor e ótimas atuações do trio principal, que é, na verdade, o grande destaque de TRÊS HOMENS, UMA LEI.

Comentários

  1. Boa noite! Acabo de descobrir este blogue. Estou a gostar muito, já encontrei alguns posts que me deixaram água na boca. Sobre este particular, devo dizer que concordo com a tua visão. As cenas iniciais do filme enaltecem algumas das mais importantes personagens do género (Django, Ringo, etc.), de uma forma engraçada. No geral não se pode considerar um filme marcante, mas aqueles que apreciam os spaghettis da segunda vaga (comédias...) vão ficar satisfeitos.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo comentário, Pedro. Adicionei o seu blog na "turma boa".

    O Spaghetti Western também me fascina bastante, embora tenha muito o que descobrir no gênero.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Ronald adoro o Corbucci, mais ( e esse eu vi rsrs) esse não é muito bom mesmo.

    A idéia é excelente, quando vi que tinha um samurai na parada achei que ia ver alguma coisa realmente especial.

    Infelizmente não aconteceu, mais vale conferir Eli Wallach, Giuliano Gemma (Mr. Dolar Furado) e Corbucci.

    Abraços !

    ResponderExcluir
  4. O ÚLTIMO SAMURAI DO OESTE também é o nome com que esse filme passava na TV nos anos 80, na sessão BANG BANG À ITALIANA. Como assisti esse filme há uns 25 anos atrás, só me lembro de algumas cenas que me arrancaram gargalhadas na época, como a cena em que resgatam o japonês que estava enterrado na terra até o pescoço puxando-o pelas orelhas, ou o método que esse mesmo japonês utilizava pra identificar o pônei sagrado, que era cheirando o seu peido!!!

    ResponderExcluir
  5. É mesmo um filme menor do Corbucci, mas muito divertido e com o qual simpatizo bastante.

    Ronald, se ainda não viu, procure assistir Gli Specialisti, que é um dos mais fodas do Corbucci, e um dos spaghetti mais subestimados.

    ResponderExcluir
  6. Os melhores do Corbucci para mim continua sendo o Django e Vamos a Matar, Compañeros.

    ResponderExcluir
  7. vou comentar esse um dia desses no meu blog, mas acho que vou assistir de novo

    ResponderExcluir
  8. É mesmo um filme inferior ao que estamos acostumados a ver do Corbucci, mas não deixa de ser muito divertido. Numa arrumação que fiz nos DVD's dia desses, me peguei estorando de rir com uma ceninha pra lá de besta, a cusparada do Wallach que pega no olho do samurai de Milian.

    Gli Specialisti tá na prateleira.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …