Pular para o conteúdo principal

GIALLO (2009), de Dario Argento


Se fosse realizado nos anos 70, GIALLO não teria nada de especial, seria apenas um bom suspense policial em meio às tantas obras primas que o cinema italiano apresentou no período. Mas no contexto atual, o novo filme de Dario Argento é tudo aquilo que se espera da discreta proposta de retornar às origens de um gênero estuprado por jovens cineastas – americanos, na grande maioria – e que atualmente vem tentando se revitalizar com alguns bons exemplos aqui e ali. O filme continua não tendo muito de original, mas Argento consegue provar que é possível fazer um excelente trabalho, à moda antiga, sem a frescurada de montagens espertinhas ou efeitos especiais em CGI (como o próprio Argento havia errado a mão em A MÃE DAS LÁGRIMAS).

Apesar do nome, GIALLO não possui os elementos necessários para fazer parte do subgênero que o diretor ajudou a consolidar na Itália nos anos 70 e 80, e qualquer um com o mínimo de desconfiança sabe que é praticamente impossível fazer um legítimo giallo nos dias de hoje. Mas nem era essa a pretensão de Argento. Ele simplesmente dirige uma trama policial onde temos Adrien Brody encarnando um detetive à procura de um serial killer que seqüestra belas mulheres para desforrar seus traumas em cima delas. O "amarelo" do título (que em italiano é giallo) , se deve a uma peculiaridade do bandido. No elenco, ainda temos Emmanuelle Seigner vivendo a irmã de uma vítima do assassino e que resolve se meter no caso...

O filme serve também para provar que Argento permanece como um dos grandes nomes do horror e um artista único na condução e no controle de todos os elementos que tem em mãos, como a estética das cores, a movimentação da câmera desvencilhada, a mise en scène, a violência gráfica com direito à baldes de sangue, como nos velhos tempos de TENEBRE e PROFONDO ROSSO. O conteúdo pode ser simples (embora tenha boas sacadas com o passado do personagem de Brody), mas na forma Argento continua genial. Cada detalhe de cena, planos memoráveis (como a do final quando Brody se afasta do local do crime), a fotografia, tudo é valorizado ao máximo para trazer um novo frescor ao gênero e colocar o nome de Dario Argento de volta ao panteão, de onde nunca deveria ter saído. Uma pena que a distribuidora daqui fez o favor de nos poupar de ir ao cinema assistir a esta belíssima obra na tela grande.

Comentários

  1. Estou doido para assistir.
    Só esperando chegar na locadora.

    ResponderExcluir
  2. Que cópia voce assistiu Ronald? Pelo que eu entendi foi o DVD nacional, é isso?

    ResponderExcluir
  3. Eu baixei um dvd rip, Herax... não sei se por aqui o filme já chegou.

    ResponderExcluir
  4. Estava no aguardo de um dvd-rip aparecer na net, inclusive já achei por aqui. Hoje a noite eu baixo. Pela sua descrição acho que vou curtir bastante!!

    ResponderExcluir
  5. O filme chega às locadoras essa semana. É mesmo excelente.

    ResponderExcluir
  6. Opa, valeu pela informação, Marcelo.

    ResponderExcluir
  7. tenho que ver isso urgentemente!!!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Leandro Caraça24/09/2009 17:30

    E olha que o Argento disse que detestou o resultado final. Que a montagem final ficou nas mãos dos produtores. A mesma conversinha que ele fala sobre O GAO DE NOVE CAUDAS, um dos meus favoritos.

    ResponderExcluir
  9. Vi ontem.
    É um bom filme, divertido.
    Mas uma pena, pois que acho que o filme poderia ter sido muito mais, vejo pouco a mão do Argento ali.

    Os flashbacks no filme são sensacionais, pricipalmente o que se remete a Adrien Brody. Argento bailando camera de um lado para o outro, com poucos cortes. Lembra a perseguiça dentro do apartamento em Opera, só que em vez de azul, temos o amarelo.

    Eu peguei no surreal Moviez, tem 86 min de filme, 88 com os creditos. Eu quero ver a versão completa, com 92 min. Espero que a california tenha a descencia de lançar o filme completo.

    Não é o melhor trabalho do Argento nessa década, esse posto cabe a Non Ho Sonno, mas ele serve pra mostrar que mesmo hoje em dia com seus 69 anos, o cara ainda consegue fazer algo bom recheado com umas cenas fodidas, enquanto os produtores modificam roteiro, controlam sua direção, escolhem outra pessoa para fazer uma trilha sonora hollywoodiana e reeditam o filme 3 vezes.


    Uma coisa é essencial para se assistir esse filme e todos os outros recentes, jamais querer exigir que Argento volte ao passado, pois ele sempre acompanhou as modificações que o mundo sofreu desde que entrou pro cinema.

    ResponderExcluir
  10. Ainda preciso ver o Non Ho Sonno, mas por enquanto achei Giallo o melhor trabalho do Argento dessa década. Não é uma obra prima, mas tem seus bons momentos e não deixa de ser um grande filme.

    ResponderExcluir
  11. Esperançoso, agora.

    ResponderExcluir
  12. A pergunta é uma só: onde acho rsrsrs ?

    ResponderExcluir
  13. Surreal moviez, torrentleech, emule, sharethefiles... tá moleza de encontrar.

    ResponderExcluir
  14. Vou precisar rever o filme, ele ta martelando na minha cabeça. Ainda mais quando eu dei umas olhadas em uns screens shots.

    ResponderExcluir
  15. Pocha eu baxei uma versão dvd rip do filme onde os personagens falam e um mané dubla em italiano por cima huahuahauhauhau!

    ResponderExcluir
  16. Polones, haha. E esse release dublado parecia o unico disponivel ate pelo menos un 3 dias atras. Eu peguei ele umas 5 vezes com nomes diferentes.

    ResponderExcluir
  17. http://rapidshare.com/files/283537087/Giallo.2009.DVDRiP.XviD-DvF.part1.rar
    http://rapidshare.com/files/283537053/Giallo.2009.DVDRiP.XviD-DvF.part2.rar
    http://rapidshare.com/files/283536958/Giallo.2009.DVDRiP.XviD-DvF.part3.rar
    http://rapidshare.com/files/283536886/Giallo.2009.DVDRiP.XviD-DvF.part4.rar

    ResponderExcluir
  18. eu baixei esses ae.
    ta perfeito.

    ResponderExcluir
  19. valeu ae kevin pelo link em poucas partes!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …