Pular para o conteúdo principal

VANISHING POINT (1971)


aka CORRIDA CONTRA O DESTINO
direção: Richard C. Sarafian
roteiro: Guillermo Cabrera Infante

Kowalski (Barry Newman) é um dos personagens mais interessantes e enigmáticos do cinema americano. O sujeito lutou no Vietnã, foi policial e piloto de corrida e agora trabalha como entregador de carros. Seu serviço mais recente é levar um Dodge Challenger branco (o mesmo carro que Tarantino homenageia em Death Proof) de Denver para San Francisco em apenas dois dias. Para botar ainda mais lenha na fogueira, Kowalski aposta com o seu revendedor local que consegue fazer o percurso muito antes do tempo previsto e pisa fundo pelas estradas!

Os primeiros policiais que tentam pará-lo são botados pra fora da estrada. A partir daí, somos levados ao passado do personagem num flashback que mostra o trauma de quando ele ainda era um policial, e provavelmente explica o motivo de tê-los colocado pra fora sem hesitar. Ao longo de todo o filme ocorrem esses flashbacks que evocam diferentes períodos da vida de Kowalski. O trabalho de edição é um dos grandes atrativos e monta um quebra-cabeça perfeito com a vida do personagem.

Quando a informação do rádio da policia sobre a perseguição é captada por um DJ cego chamado Super Soul (Cleavon Little), o protagonista em alta velocidade começa a receber uma ajudinha, além de ter seus 15 minutos de fama. Super Soul “enxerga” a situação como uma metáfora para a liberdade e chama Kowalski de “o último herói americano”. E de certa forma é irônico como o DJ cego torna-se os olhos de Kowalski nas estradas, avisando sobre bloqueios policiais além de inspirá-lo com seu entusiasmo expressivo e com as musicas porretas da época.

Durante o trajeto pelas estradas americanas, Kowalski não poderia deixar de deparar com várias figurinhas bizarras, como o individuo num carrinho estranho que tenta apostar uma corrida e acaba pra fora da estrada, ou o casal gay que pega uma carona e tenta roubar o nosso herói. Ainda há o caçador de serpentes que ajuda Kovalski a se esconder de um helicóptero em pleno deserto e um motoqueiro hippie que além de fornecer um pouco de anfetamina e ter uma mulher que pilota uma moto completamente nua, ajuda-o a passar por um bloqueio policial de forma criativa. É interessante um ultimo e surreal encontro de Kowalski com uma mulher (Charlotte Rampling) que acaba evocando a lembrança da namorada que morreu tragicamente alguns anos antes.


Assim como a incrível direção de Richard C. Sarafian, outro elemento que se destaca bastante é o roteiro de Guillermo Cabrera. É escrito com diálogos simples ao mesmo tempo em que tudo acontece de maneira estranhamente poética com algumas sacadas originais como a brincadeira cronológica do início mostrando o final, deixando bem claro que Vanishing Point não é apenas virtuosas seqüências de ação com carros em alta velocidade, mas realmente existe uma história cativante, uma jornada existencialista, por trás de tudo.

Comentários

  1. Não deu nem tempo de velar o defunto hehehe! E já recomeçou com tudo: Vanishing Point é maravilhoso!!!
    Belo retorno, abraço :)

    ResponderExcluir
  2. Orra, maneiro esse filme.Engraçado que o começo me lembrou de uma bosta gigantesca que está chegando no Brasil: Red Line.

    o filme começa exatamente assim, com um percurso maluco.Soh que fora as carretas insanas, nao tem mais nada de bom no filme.. um lixo total.Bom, mas aí já eh outra história....

    Abs e bom retorno!!

    ResponderExcluir
  3. Luciano Lima09/08/2008 10:06

    Parece ser um filme muito interessante. Gosto dessas produções mais urgentes (a impressão que tive do seu texto) da década de 70, talvez por isso tenha me divertido tanto em Death Proof!
    A mudança te fez muito bem, cara! Parabéns! ^^

    ResponderExcluir
  4. Grande recomeço! Vanishing Point é brilhante! Parabéns pela volta por cima!

    ResponderExcluir
  5. Colocas logo um filme icone ... Preciso ver urgentemente, vi apenas o remake com Viggo Mortensen ... é hora de tomar vergonha ... eeheheh

    ResponderExcluir
  6. O cara com um carrinho estranho? O carro é um jaguar e type fera

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …