Pular para o conteúdo principal

TRANSFORMERS - A VINGANÇA DOS DERROTADOS (Transformers: Revenge of the Fallen, 2009), de Michael Bay


TRANSFORMERS 2 é um caso meio estranho. Até agora eu não consegui definir realmente se é um bom filme ou se é tão ruim quanto a maioria anda dizendo. O filme tem tantas falhas, 2h30m de excessos e situações ridículas, é claramente inferior e já não possui o impacto do primeiro. Mas eu me diverti tanto com a bagunça que aqueles robôs fazem destruindo tudo pela frente que acabei deixando de notar os vários problemas o filme.  Não sei se eu estou ficando tolerante demais para este tipo de produção, mas o fato é que o conjunto dos dados visuais/auditivos/sensoriais  teve um efeito positivo sobre minha percepção, independente da estupidez que é o filme.

Enfim, TRANSFORMERS 2 é o típico filme de verão (americano) dos últimos anos, com a característica habitual de ser consumível instantaneamente e logo depois descartado. Se for parar para pensar no que está vendo, é preferível assistir a um filme do Carpenter, Argento, Verhoeven, Ferrara, De Palma e não Michael Bay, pelo amor de Deus! Então desligue o cérebro e relaxe um pouco com esta masturbação visual sem sentido e tremendamente divertida, cuja única pretensão é fazer coisas explodirem freneticamente e robôs caindo na porrada!

Comentários

  1. Também concordo que é divertido assistir a destruição causada pelos robôs, principalmente a luta do Optimus Prime contra uns 4 robôs no meio do filme. Mas assistindo esse filme não pude deixar de lembrar de Bad Boys 2. Os dois filmes são idênticos, muita explosão, humor bem rasteiro e roteiro ridídulo. Diverte na primeira vez que se assiste, mas na segunda deve ser longo demais

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda acho a luta em Xangai um dos grandes momentos do cinema recente. O robô atravessando a ponte faz concordar com o próprio Bay que diz querer criar "grandes imagens". E concordo com o que ele fiz que é muito mais difícil criar um filme de 200 milhões deste estilo que um de 1 milhão experimental, mas isso não faz o filme ser mais que um ** de **** pra mim. Filme de robô gigante devia ser no mínimo ***!!!

    ResponderExcluir
  3. "Ele fiz" era "ele diz". Não, não tenho síndrome de Bay.

    ResponderExcluir
  4. A cena inicial é muito boa mesmo. Mas mesmo não tendo mais aquela curiosidade e o impacto de ver os robôs em ação como no primeiro filme, achei as cenas de luta entre robôs muito legais e melhor visualizadas. A cena que o Zidane comentou ali em cima é bem boa e todo aquele final me deixou hipnotizado...

    ResponderExcluir
  5. Eu já achei os efeitos em sua maioria não tão bons quanto os do primeiro. Acho que é aí que entra a câmera epiléptica do Bay. E a minha maior bronca foi de não terem dado espaço e atenção aos robôs. Pelo menos o John Turturro está suportável agora. De resto é o desenho Transformers na ótica sexista, xenófoba, militarista e barulhenta do Michael Bay. Tem coisas piores na vida.

    ResponderExcluir
  6. Tirando as cenas de ação e a Megan Fox, o filme é uma merda. Vai ver esse ódio todo que tive com o filme foi porque vi ele dublado e com um mala do meu lado "narrando" o filme inteiro. Aquelas piadas são totalmente sem graça e previsíveis, além daqueles robôs gêmeos totalmente descartáveis.
    A cena da luta na floresta, o início em Xangai e a porrada final no Egito são ótimas, mas daria uma nota 4 para o filme.

    ResponderExcluir
  7. Já o primeiro filme é bem mais legal, na minha opinião.

    ResponderExcluir
  8. Ei, mudando de assunto. Sabe o que é importa? É provável que o filme com fotografia em HD mais ousada do ano chegue na sexta-feira! Yeah! "Public Enemies".

    ResponderExcluir
  9. Nossa! Nem me lembre... é o filme que eu estou mais aguardando este ano.

    ResponderExcluir
  10. Adiaram a estreia de Public Enemies.
    acho q só dia 24 de julho agora.

    ResponderExcluir
  11. Filhos de uma boa senhora! Agora não tenho nada pra fazer no fim de semana.

    ResponderExcluir
  12. Verei pela Megan Fox, que é uma verdadeira nave.

    ResponderExcluir
  13. Vejam "Inimigo Público N°: 1" do Jean-François Richet (Mesmo do remake Assalto à 13° DP) nesse fim de semana. Vai entrar em cartaz, com Vincent Cassel no elenco.
    Resenhei ele no meu blog. Muito bom!
    Já que Inimigos Públicos não vai entrar em cartaz agora, fiquem com o filme francês.

    ResponderExcluir
  14. Opa! Sigam o conselho do Ibertson! O filme é do cacete!

    ResponderExcluir
  15. Puta merda! Adiaram INIMIGOS PÚBLICOS? Isso tudo é por causa do sucesso de TRANSFORMERS 2? :/

    By the way, escrevi sobre LOUCA PAIXÃO do Verhoeven lá no Diário de um Cinéfilo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …