29.6.09

ATÉ O ÚLTIMO DISPARO (99 and 44/100% Dead, 1974), de John Frankenheimer

Frankenheimer já era um diretor com uma carreira considerável nos Estados Unidos quando realizou ATÉ O ÚLTIMO DISPARO, um filme que rompe totalmente com a construção clássica de vários trabalhos anteriores, mas de uma maneira meio que extravagante demais ou, dependendo do ponto de vista, um filme de vanguarda, muito à frente de seu tempo (e é como eu prefiro enxergá-lo). O problema é que nem a crítica nem o público se interessaram na época e o filme acabou sendo esquecido. Mesmo assim, Frankenheimer prosseguiu em frente com um aspecto mais solto, influenciado pelos jovens diretores que estavam modificando de vez o cinema americano nos anos 60 e 70.

Seu trabalho seguinte, OPERAÇÃO FRANÇA II já demonstra claramente isso, mas nada se compara ao estilo bizarro deste aqui, uma mistura de Roy Liechtenstein com Chuck Jones numa trama de guerra de gangsteres, tiroteios estilizados, um vilão com vários apetrechos no lugar da mão, um cemitério aquático cheio de corpos com os pés presos em blocos de concreto, trilha sonora espertinha e Richard Harris como o protagonista anti-herói que parece ter saído de um quadrinho. Preciosidade que merece uma redescoberta urgentemente.

6 comentários:

  1. O legal do Frankenheimer é que ele não conseguia realizar dois filmes de alto nível seguidamente.

    ResponderExcluir
  2. Discordo categoricamente. Frankenheimer não conseguia dirigir dois filmes ruins em seguida.

    ResponderExcluir
  3. Depende do que o Caraça interpreta por "alto nível". Ruins, é claro que não.

    ResponderExcluir
  4. Leonardo Lopes19/07/09 02:00

    Filme sensacional! Um mix surreal dos elementos cinematográficos mais legais dos anos 70!

    ResponderExcluir
  5. Assiti a este filme na década de 70, goste achei interessante,
    curioso, e consegui baixar recentemente, não consegui a legenda em português, inglês ou espanhol e tradução do sérvio pro português não me convenceu.

    ResponderExcluir