Pular para o conteúdo principal

CONQUISTA SANGRENTA (Flesh+Blood, 1985), de Paul Verhoeven

Último filme do nosso prezado holandês doidão realizado na Europa antes de embarcar para os Estados Unidos, mas já rodado com dinheiro americano e falado em inglês (só depois de duas décadas ele voltaria ao seu país natal e realizaria A ESPIÃ). CONQUISTA SANGRENTA é uma aventura que se passa num ambiente medieval carregado de obsessões do diretor, ou seja, muita violência e sexo! O que é essencial aprender sobre Verhoeven é o seguinte: não importa o material, gênero, país em que trabalhe, tire as crianças da sala na hora de assistir a qualquer filme do sujeito!

A trama gira em torno de um grupo de mercenários rufiões, liderados por Martin (Rutger Hauer). Traído por um nobre, o bando seqüestra a donzela Agnes (Jennifer Jason Leigh), prometida de Steven (Tom Burlinson), filho do tal fidalgo, que tenta fazer de tudo para ter sua amada de volta. Apesar do ambiente medieval, o filme transcorre no ano de 1501, ou seja, num período de transição para a Era Moderna e o filme deixa esse detalhe bem evidente com o personagem de Steven, que é metido a homem da ciência e tenta criar invenções bélicas mirabolantes para recuperar Agnes, que já deixou de ser donzela há muito tempo nas mãos de Martin.

É curioso notar como Verhoeven consegue colocar o grupo de bárbaros mercenários, proxenetas, saqueadores, estupradores, homossexuais e prostitutas como os “bonzinhos” carismáticos da estória, enquanto o pobre moço perdido de amor é retratado como um vilão. No meio disso tudo, Agnes, uma personagem deveras ambígua. Gosta de pegar na espada de Martin, mas alimenta as esperanças de Steven. Aliás, J.J. Leigh está sensacional em seu desempenho e bastante desinibida. A recriação de época também merece destaque com os personagens sujos em ambientações igualmente imundas e insólitas, como na cena em que Agnes se encontra com Steven num cenário perfeito para iniciar um belo romance: debaixo de dois corpos putrefatos pendurados numa árvore...

Comentários

  1. Sigam São Verhoeven! Ele apontou para lá!!!

    ResponderExcluir
  2. Hehe, exatamente. E matei este fim de semana O Quarto Homem também, um dos trabalhos mais impressionantes do homem! Alto nível! Devo falar sobre ele em breve...

    E aí, Davi, como estão as coisas por aí? Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Cara, faz anos q vi essa pérola, tenho q reve-lo. Verhoeven foi dos poucos gringos q foi pra América e não virou bunda-mole. Long live Verhoeven!

    ResponderExcluir
  4. Mazá tchê, de casa nova então! Ficou tri o layout, meu velho. Acho que do Verhoeven vi só o Robocop, mas dá pra ver que o cara é porrada.

    Abrs! E dále Grêmio!

    ResponderExcluir
  5. Grande Marcus, estamos na torcida contra o Cruzeiro!

    Mas você deveria assistir mais Verhoeven! O cara é obrigatório! Nunca viu O Vingador do Futuro?

    Abração!

    ResponderExcluir
  6. Verhoeven é mestre.
    Tenho que parar os downloads e baixar essa pérola logo. Sou doido para assistir. E pensar que já perdi a oportunidade de comprá-lo por 9,90.
    O Quarto Homem é de alto nível mesmo.
    Só falta Soldado de Laranja, dos mais gabaritados, não é?

    ResponderExcluir
  7. Soldado de Laranja e Turks Fruit! Já estou com os dois aqui. Assim que eu assistir, vou fazer um top 10 do sujeito.

    ResponderExcluir
  8. Cara, esse é um dos meus filmes preferidos de todos os tempos, e provavelmente o melhor do Verhoeven. Que timing, eu ia postar uma resenha sobre ele no meu blog essa semana, agora vou deixar para o mês que vem! hehehehe

    ResponderExcluir
  9. A obra-prima máxima do holândes. meu favorito de longe.

    ResponderExcluir
  10. E eu amo a forma como o Hauer pega a Jennifer Jason Leigh nesse filme como se fosse uma boneca inflável!

    E falando nos dois, tb não dá pra entender pq ambos um dia considerados como "melhores atores de suas gerações" andam tão apagados por mais de 10 anos já.

    ResponderExcluir
  11. Parece que o cinema americano não se interessa mais por atores ousados e talentosos como antes...

    ResponderExcluir
  12. A JJL está uma delícia nesse filme. E a violência mostrada é totalmente coerente com o tempo da ação, com todas aquelas batalhas sangrentas e a peste negra. O próximo Verhoeven que devo ver é LOUCA PAIXÃO.

    ResponderExcluir
  13. Louca Paixão é o Turks Fruit? Se for, é o meu próximo também... e a coisa ali parece ser bem barra pesada... O Ultimo Tango em Paris do Verhoeven...

    ResponderExcluir
  14. Allan Verissimo23/06/2009 15:40

    Ronaldo, mudei o nome do meu blog para O ESTRANHO MUNDO DE ALLAN e por isso que não está aparecendo. É só corrigir e pronto.
    Me interessei por esse filme. No futuro, darei uma analisada.

    ResponderExcluir
  15. Esse é o meu favorito, não só pelo filme em si, mas porque vi muito numa época da infância, quando a Bandeirantes vivia reprisando esse filme em horário nobre.

    ResponderExcluir
  16. Que eu me lembre deve ser o melhor filme sobre a Idade Média.

    ResponderExcluir
  17. Quero ver mais textos seus dos filmes do Verhoeven, um dos meus diretores prediletos.
    Ah se existissem diretores assim com mais frequência em Hollywood.

    ResponderExcluir
  18. Tudo indo bem, por aqui, Ronald. Tudo indo bem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …