Pular para o conteúdo principal

COMMAND PERFORMANCE (2009), de Dolph Lundgren

Juro pra vocês que estava doido para postar uma “rasgação” de elogios para este novo trabalho escrito (em parceria com Steve Latshaw), dirigido e estrelado pelo Dolph Lundgren, mas o sujeito me desperdiça uma PUTA oportunidade de realizar um autêntico filme de ação casca grossa à moda antiga como o trailer sugeria. COMMAND PERFORMANCE é uma tentativa fracassada de ser a azeitona da empada dos filmes de ação.

A trama vem sendo definida como uma espécie de DURO DE MATAR num show de rock. Lundgren interpreta o baterista de uma banda russa e durante uma apresentação se vê obrigado a agir quando um grupo de terroristas invade o local e mantém o presidente da Rússia e suas filhas como reféns. Ou seja, temos aqui a premissa perfeita para um ótimo filme, sem grandes pretensões, mas com bastante ação e diversão pra moçada! E até certo ponto ocorre tudo bem, os terroristas são bem sádicos, matam inocentes civis a sangue frio, há uma boa dose de violência, muito sangue (algum feito em CGI, mas releve...), etc.
É Dolph, tem que comer muito arroz e feijão ainda pra chegar ao nível de seu amigo Stallone...

O problema é quando começa a parte burocrática da coisa, um excesso de conversa fiada das autoridades que querem resolver a situação, muita ladainha por parte dos terroristas, o roteiro começa a apresentar furos e a se preocupar demais com personagens que não tem interesse algum e Dolph Lundgren destruindo tudo e matando a vontade que é bom, nada! A maior parte do tempo, assistimos ao sujeito se esgueirando e não fazendo porra nenhuma.

Tá certo que eu não esperava um novo COMANDO PARA MATAR, mas pelo amor de Deus, Lundgren tinha tudo pra fazer algo bem acima da média. As poucas cenas que o sujeito entra em ação não duram mais que 10 segundos, são esporádicas e mesmo os lampejos de criatividade – como enfiar a baqueta na cabeça de um terrorista, que é algo bem legal – não conseguem salvar o resultado final. Ao invés do filme ser bom pelo que é, acabo tendo que ser tolerante pra não perder viagem, e fico caçando detalhes que me agradam. Até acho algumas coisas, como por exemplo, a direção do Lundgren, que tem melhorado bastante. Ele precisa agora aprender a não ficar inventado moda e colocando frescuradas na estória.

Comentários

  1. Porra, que merda, o que esse Lundgren tem na cabeça???

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo, o filho pródigo voltou: zagarino.blogspot.com. Cito esta postagem em meu retorno. Desde já o luto pela nossa expectativa com relação a esse filme.

    ResponderExcluir
  3. Quando vi O MISSIONÁRIO, fiquei com receio que ele também ia errar a mão no próximo filme.

    Mas vou ver de qualquer jeito, eu me conheço.

    ResponderExcluir
  4. Pô, mas o Lundgren não se compara nem como action hero com Sly, quanto mais como cineasta.

    Mas na real, dou a maior força pro sueco voltar a toda. Bring it, Happy Feet!

    ResponderExcluir
  5. É, realmente você tem razão...

    ResponderExcluir
  6. Hhummm... este gajo devia ter hibernado no final dos anos 90. Gosto muito das coisas que fez nessa época, mas agora parece-me flop seguido de flop.

    ResponderExcluir
  7. Ok. já vi!
    Adorei as cenas da baqueta na cabeça e da guitarra no bucho. O que não gostei mesmo foi de ver o tipo a tocar bateria de óculos de sol, nem o Lars Ulrich tem tanta mania!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …