Pular para o conteúdo principal

Filmes recentes...

TETRO (2009), de Francis Ford Coppola

Isso sim eu chamo de um verdadeiro retorno (E não o YOUTH WITHOUT YOUTH, de 2007)! Coppola coloca muito sentimento neste belíssimo trabalho e filma com o coração. Tetro (Vincent Gallo) é um escritor que resolveu cortar ligações com sua família, cujo pai é um grande maestro, e foi viver na Argentina, até que, passado alguns anos, recebe a visita de seu irmão mais novo que possui uma fixação enorme no mais velho. E é claro que isso vai gerar muita reação em torno dos personagens, com todo o passado intocado e misterioso que Tetro procurou esquecer e esconder voltando à tona...

Fotografado num preto e branco lindíssimo, com alguns momentos coloridos e beirando ao surrealismo, o visual, no cenário argentino, acaba sendo um dos grandes destaques do filme, mas desta vez a estória também possui um grande valor, um drama familiar muito bem conduzido por Coppola. É o primeiro roteiro original que o diretor escreve desde A CONVERSAÇÃO, de 1974, e resgata alguns temas auto biográficos. Provavelmente seu projeto mais pessoal. TETRO é tocante, dos melhores que o diretor já fez em muito, muito tempo e um dos meus favoritos de 2009.

MOON (2009), de Duncan Jones

Aquele poster todo retrô não estava para brincadeira. MOON é ficção científica das boas, essencialmente à moda antiga e se inspira na maior sci fi de todos os tempos, 2001 – UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO, de Staley Kubrick, para narrar a estória de um astronauta solitário que trabalha numa estação espacial lunar depois que desenvolveram uma nova fonte de energia extraída do nosso satélite natural.

O filme é surpreendentemente simples e muito bem sustentado por Sam Rockwell interpretando o astronauta visto em praticamente todas as cenas. Mexe com questões atuais, mas os efeitos especiais discretos e o visual minimalista e retrô reforçam ainda mais o tom “kubrickiano” do filme, principalmente com a presença de GERTY, uma espécie de HAL atualizado para os nossos dias e que Kevin Spacey empresta a sua voz.

OS SUBSTITUTOS (Surrogates, 2009), de Jonathan Mostow

Fraquinho como entretenimento, mas não tão ruim quanto eu imaginava, e consegue colocar pra refletir um bocado sobre algumas questões (nem que seja durante o filme, ou uns 5 minutos após, porque depois disso OS SUBSTITUTOS já se torna descartável). No futuro as pessoas não saem mais de casa. Ao invés disso, utilizam andróides que são verdadeiras imagens projetadas da maneira como uma pessoa gostaria de ser vista. Bruce Willis, por exemplo, é um agente da CIA tentando resolver um caso. Ele é velho, barrigudo e feio, mas seu “substituto” – como são chamados – tenta parecer um galã de cinema com um cabelinho ridículo.

Mas não é exatamente isso que acontece hoje com a internet, sites de relacionamentos, Second Life e salas de bate papo virtual? Quem te garante que a pessoa que se descreve como uma morena, linda, olhos cor de mel e se chama Joyce num chat, não é na verdade um sujeito gorducho, careca, querendo sacanear com uns trouxas? É, isso acontece...

O CAÇADOR (The Chaser, 2008), de Na Hong-jin

Meu amigo Herax, sempre antenado, já havia nos alertado sobre esse filme coreano há tempos, mas acabei deixando passar. Agora que começaram a comentar sobre ele é que resolvi conferir. É um filme impressionante sobre um ex-policial que virou cafetão e precisa dar uma detetive quando algumas de suas “empregadas” começam a desaparecer.

A narrativa é bem intensa e frenética, tudo é muito bom, mas é um pouco longo e chega em um determinado ponto que eu precisei dar umas bocejadas. Mas nada que incomode. O ator Kim Yun-seok, que faz o cafetão, é um puta ator e a atmosfera de violência marca bastante. O final é de deixar qualquer espectador indignado (no bom sentido).

THE SNIPER (2009), de Dante Lam

Bem mais ou menos este aqui, um filme policial focado em três atiradores de elite. Um instrutor da polícia, seu aprendiz e o vilão, um ex-policial que agora joga no outro time. As intenções do diretor até que são boas, mas ele parece meio perdido entre quais dos três personagens deve dar mais atenção, acaba tudo muito vazio, por mais que se tente construir detalhes que acrescente algo a eles. Algumas sequências de ação são muito boas e é a única coisa que presta mesmo no resultado final. Não chega a ser ruim, mas poderia ser bem melhor.

Hoje ainda devo assistir ZOMBIELAND. Depois digo o que achei.

Comentários

  1. Leandro Caraça08/11/2009 19:12

    Baixou "Tetro" e "Moon" de onde ?

    "Substitutos" é fraquinho e bem pior do que imaginei. Queria saber de verdade onde surgiu essa coisa de que o Mostow é um grande diretor. Nenhum filme dele dá base para essa sandice.

    ResponderExcluir
  2. Eu também não achei nada especial. A ideia é boa, ao que parece novela gráfica até era de valor, mas o filme descamba para o cinema de acção, em vez de se focar no essencial.
    De resto só vi o "The Sniper", mas também nesse se nota que falta algo. Filme muito cortado, ao que parece devido a um escândalo que envolveu um dos actores.

    ResponderExcluir
  3. Leandro, mandei pro seu email.

    Pedro, é verdade... fiquei sabendo desse escândalo, mas acho que não justifica terem retalhado tanto o filme.

    ResponderExcluir
  4. T3 e Breakdown dão motivo de sobra para elogiarmos Mostow, mas Surrogates eu mesmo fui o primeiro a meter o pau.

    ResponderExcluir
  5. Breakdown é bem legal mesmo... mas mais por causa do Kurt Russel! hehe

    ResponderExcluir
  6. definitivamente não é o Kurt Russell que faz o filme ser um suspense de primeira, é o diretor que sabe conduzir a trama e criar um puta clima

    ResponderExcluir
  7. Eu adoro o filme e realmente o clima de suspense em alguns momentos são muito bons, mas nada que me faça crescer o olho no diretor... Faz muito tempo que eu vi e o que me marcou mesmo foi a atuação do Kurt.

    ResponderExcluir
  8. Leandro Caraça09/11/2009 12:06

    "T3" é sub-Cameron. Merece elogios pelas cenas de ação e por seguir a cartilha do 'rei do mundo' sem fuder geral. O MCG com fritas no pão de gergelim pelo menos foi bem mais audacioso com o "Salvation". Mostow não chega aos pés da Bigelow e muito menos do McTiernam em sua melhor fase, só pra citar dois nomes que um dia foram a salvação do cinema pipoca de ação. PS - A Bigelow ao menos se redimiu com o "The Hurt Locker". Já o McTiernam ...

    ResponderExcluir
  9. Não acho o T4 mais audacioso que o T3. Mas confesso que o McG me surpreendeu. Vou parar de elogiar o Mostow porque o Surrogates queimou o filme do cara. McTiernan tá devendo um filme bom há muitos anos. Mas assim como a Bigelow ressurgiu das cinzas com um filme fodão, acredito que um dia isso também possa acontecer com o McTiernan e com o Mostow.

    ResponderExcluir
  10. Leandro Caraça09/11/2009 13:09

    Eu gosto do T3 e do T4, mesmo sendo inferiores ao do Cameron. E sempre vou esperar algo interessante da Bigelow (ex-esposa do Rei do Mundo) e do Mostow. Do Mcternam, bem, que tem bom senso já desistiu há muito tempo.

    ResponderExcluir
  11. É muito TRISTE ler isso sobre o cara que fez simplesmente um dos maiores filmes ação do todos os tempos: DURO DE MATAR! E pior de tudo é que é verdade...

    ResponderExcluir
  12. Já estou com Moon e Zombieland aqui. Verei em breve.
    Vi que estavam traduzindo a legenda de Tetro, outro que quero conferir.
    Desses só vi The Chaser que é realmente um filmaço! Já vi faz um tempo!

    ResponderExcluir
  13. E vamos lá rsrs.

    Moon me dá muita curiosidade em ver, enquanto o filme do Coppola não me chamou a atenção.

    Sobre Sniper, eu achei que ele se perde por causa da infinidade de cortes devido ao já mencionado escandalo.

    Substitutos eu nem me mexi da cadeira pra ver, me pareceu um arremedo de Eu,Robô ... que já não era grande coisa.

    ResponderExcluir
  14. processors residing bachelors expressing club pivotal rastogirohan directive nations medlineplus conferences
    masimundus semikonecolori

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …