23.11.09

BURIAL GROUND (Le Notti del Terrore, 1981), de Andrea Bianchi

Dos filmes do fim de semana, um dos mais legais foi este clássico zombie movie carcamano, BURIAL GROUND, dirigido por Andrea Biachi, considerado um dos piores profissionais em sua área ao lado de Bruno Mattei... Mas não se preocupem com essas classificações, os verdadeiros fãs das bagaceiras à italiana vão adorar este aqui, nem que seja para dar boas risadas das situações que acabam gerando humor involuntário.

BURIAL GROUND é uma coisa linda, já está entre os meus zombie movies favoritos! A estória é bem tola, sobre três casais e um adolescente que visitam um cientista que trabalha em sua propriedade escavando e estudando alguma coisa que, pra falar a verdade, nem me recordo o que era... Só lembro que no início ele diz algo como “Sou o único que conhece o segredo!”. Mas acho que este detalhe não chega a ser muito importante na trama, já que 2 minutos depois, de volta às suas escavações, o cientista é atacado por um bando de zumbis e o tal segredo nunca é revelado no decorrer da estória . Enfim, seus convidados chegam ao local e sem muita enrolação (a não ser pra mostrar algumas cenas de sexo, o que eu chamo de uma boa enrolação) os zumbis põem-se a perseguir os personagens.

Claramente inspirado em ZOMBIE 2 de Lucio Fulci, o filme acabou recebendo o título ZOMBIE 3 em alguns lugares da Europa. Tirando várias cenas que o Bianchi chupou sem vergonha alguma do filme de Fulci, os dois filmes não possuem qualquer ligação. Inclusive, alguns anos mais tarde, o próprio Fulci deu inicio às filmagens do verdadeiro ZOMBIE 3, mas acabou finalizado pelo Bruno Mattei.

Dois detalhes geniais sobre BURIAL GROUND: primeiro, os zumbis, que possuem as maquiagens mais bizarras e mal feitas que eu já vi em algum filme do gênero. Claro que isso concede um charme muito legal ao filme, principalmente porque Bianchi faz questão de filmar com orgulho os seus zumbis em closes de uma maneira de fazer inveja ao Sergio Leone, acentuando todas as falhas das maquiagens. É bem engraçado. Os zumbis de Bianchi seguem a mesma linha de locomoção das criaturas de George Romero e Lucio Fulci, lentos e fáceis de escapar, mas possuem um nível de inteligência um pouco acima. São capazes de usar ferramentas, subir em lugares difíceis para conseguir “alimento” e em certo momento um zumbi utiliza um prego como se fosse uma arma ninja! Coisa de louco...

Apesar de tudo isso, o segundo detalhe é o que mais chama atenção em termos de bizarrice! E não tem nada a ver com os pobres zumbis. Estamos falando do adolescente do filme. Pra começar, o relacionamento no qual mantém com sua mãe é um tanto estranho, já que não é todo dia que vemos alguém com 14 anos querendo tomar leitinho quente direto do peito da mãe. Depois, o ator que interpreta o papel é Pietro Barcella (creditado aqui como Peter Bark), um sujeito muito estranho, meio anão, na época com seus 25 anos, dando a impressão de que alguém colocou a cabeça de um homem no corpo de um adolescente de 14 anos. Somando a isso a coisa do incesto, temos aí algo tão peculiar quanto os próprios zumbis do filme...

E é por essas e outras que fica impossível não adorar o cinema popular italiano!

10 comentários:

  1. Há uns 10 anos atrás, eu e o Otávio ainda não éramos iniciados no cinema picareta e alugamos esse filme na locadora, crentes de que era uma obra fodona, estilo Romero. Ficamos putos ao descobrir que era uma porcaria. Claro que hoje consideramos uma porcaria deliciosa. A cena do moleque bizarro incestuoso mordendo os peitos da mãe é antológica!!! P.S.: Essa imagem do Suspiria aí encima ficou foda demais, deixe ela pra sempre!!!

    ResponderExcluir
  2. Esse filme até que tem um certo clima de suspense e a trilha ajuda a dar um certo tom sombrio ao filme.
    Tudo bem que esta película é bem trash mas vale a pena correr o risco!!!

    ResponderExcluir
  3. Carlos Alberto23/11/09 16:52

    Hehehe... esse filme passou na Virada Cultural Paulista no Cine Dom José (normalmente lá só passa filmes pornô, foi o endereço dos zumbis esse ano). Nunca participei de uma sessão tão barulhenta. Fiquei meio puto, mas esse clima trash caiu bem com o filme. Se não me engano o "moleque" chama-se Michael no filme, ainda gargalho internamente quando lembro os gritos de Michael!Michael!quando ele surgia e a explosão de aplausos da platéia freak na cena da mordida incestuosa sangrenta final... hahahá ...
    Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  4. Essa imagem do Suspiria ficou foda demais, deixe ela sempre (2).

    Falando do tio Argento, acabei de conferir sua versão pra O Gato Preto do Alan Poe, naquele filme que ele divide os créditos com o tio Romero. Alguém viu ? Eu achei lindamente fotografado e o Harvey Keitel perturbadasso, mas ví uns problemas de roteiro.

    Sobre os filmes "podres" itaianos, cara ... só se usa criatividade no terror ficção fantástica (pro bem e pro mal) fora dos limites imbecilizantes dos estúdios americanos.

    ResponderExcluir
  5. Esse filme é muito legal! hahaha, e a profecia da aranha negra? hahaha

    ResponderExcluir
  6. Eu ADORO ESSE FILME!!! É sério! Dos filmes no estilo "quanto mais ruim melhor" dentro do subgênero Zumbi esse é o meu predileto, pau a pau junto com The Hell of the Living Dead do Mattei, qual dos dois é o mais bagaceiro? Duro dizer... mas uma coisa é certa: ambos são diversão garantida!

    ResponderExcluir
  7. Ta foda mesmo Suspiria ali no topo, afinal, é o filme que está no topo cinema.

    Tenho vontade de ver esse Burial Ground, qlq dia faço isso.

    Sobre The Black Cat, acho mto lindão tbm, Argento fazendo visão do gato. Mas nem vejo problemas no roteiro desse filme de média/longa duração, e olha que o velho nunca teve boa fama com seus roteiros, mas desse nem tem q reclamar.

    ResponderExcluir
  8. Eu te falei, esse filme é perfeito.
    A cena do zumbi saindo do canteiro de flores é maravilhosa. São tantas maravilhas nesse filme que é difícil enumerar todas. E viva a profecia da Aranha Negra e os zumbis etruscos.

    ResponderExcluir
  9. Vcs falando em SUSPIRIA deixaram escapar o óbvio. Peter Bark é ou não é a carinha do Argento? hehehe

    ResponderExcluir
  10. Leandro Caraça24/11/09 13:11

    Esse daí e o "Hell of Living Dead" do Mattei são verdadeiros casos de polícia noi que se refere a ruindade e picaretagem. Alguém deveria escrever tese de mestrado sobre as duas obras.

    ResponderExcluir