Pular para o conteúdo principal

JOGO BRUTO (Raw Deal, 1986), de John Irvin

Dos filmes do Arnold Schwarzenegger que sempre estiveram presentes, me acompanhando durante a pré-adolescência, o único que eu ainda não havia revisto era JOGO BRUTO, um filme considerado menor na carreira do Arnoldão, mas ainda muito bom como veículo de ação para o ator. E somente este ano fui rever esta pequena pérola dos anos 80, que foi realizada entre dois filmes que obtiveram um sucesso bem maior que este aqui, COMANDO PARA MATAR e PREDADOR.

O personagem de Arnoldão é apresentado de uma forma bizarra, mas muito criativa e bem agitada, numa perseguição em alta velocidade onde dirige um jipe atrás de um policial de motocicleta! Quantas vezes você já viu um protagonista sendo introduzido ao filme perseguindo um policial? Pois então, é uma coisa linda de se ver. Mas logo depois, tudo acaba sendo bem explicado. Arnoldo interpreta um xerife de uma pequena cidade e o tal policial é apenas um sujeito que se passa por oficial para subornar os cidadãos indefesos. Uma excelente maneira de começar um filme...

Aos poucos vamos conhecendo mais a fundo a história do personagem de Arnoldão, que se chama Mark Kaminsky. Os roteiristas do filme devem ter suado um bocado para construir um personagem tão complexo: Kaminsky é um ex-policial de Nova York que quase acabou expulso da corporação por certos atos que julgou ser ético de sua parte, mas seus superiores classificaram como acima da lei. Graças a um amigo, conseguiu esse trabalho de xerife nessa cidadezinha do interior que sua mulher odeia e passa o dia inteiro bebendo e resmungando. Pobre Arnold...

Enfim, esse mesmo amigo que o ajudou num momento difícil, agora volta a entrar em contato com Kaminsky para que lhe retribua o favor. O filho desse velho amigo, que também era policial, foi morto enquanto protegia uma testemunha de um processo judicial na qual prejudicaria uma organização mafiosa, então ele oferece ao personagem de Arnoldo uma chance de ter seu velho emprego na cidade grande de volta. Basta que ele se disfarce de bandido, se infiltre entre os mafiosos e descubra os responsáveis pela morte do filho do amigão. Claro que isso é mais uma missão de vingança do velho do que qualquer outra coisa, mas também é uma oportunidade para que o protagonista dê um novo rumo à sua vida.

Kamisnky aceita, claro, mas antes ajeita alguns pequenos detalhes: finge sua morte, pinta o cabelo e muda o penteado, cria uma nova identidade, etc, essas coisas todas que sempre vemos nos filmes. Adota o nome falso de Joseph P. Brenner e voilà, temos aí um infiltrado na máfia pra nenhum defensor de CONFLITOS INTERNOS botar defeito! E o sujeito vira um casca grossa, chama a atenção ao brigar no cassino da gangue rival, é contratado e logo passa a conquistar a confiança de seus chefes. Só pra ter uma noção de como o sujeito é graúdo, em uma cena um sujeito desconfiado lhe pergunta “Josheph P. Brenner... What’s the “P” stand for?” e eis a resposta: “Pussy”.

Er… é um diálogo realmente muito bem bolado!

Um dos roteiristas de JOGO BRUTO se chama Norman Wexler. É interessante conhecer um pouco sobre esses caras pra tentar entender o gênio que existe na cabeça deles. Wexler, por exemplo, foi considerado promissor entre os roteiristas americanos no inicio da década de 70. Em 1972 foi preso por ameaçar matar Richard Nixon (!!!) e em 1974 quase recebeu um Oscar pelo roteiro de SERPICO. Enfim, são curiosidades fúteis, mas ajudam a conhecer os responsáveis por um diálogo como aquele ali em cima.

O diretor John Irvin, hoje praticamente esquecido (e com razão, já que não faz nada muito interessante há um bom tempo) deu sua contribuição para o cinema de ação dos anos oitenta em filmes como DOGS OF WAR, com o Christopher Walken. Faz um bom trabalho por aqui também, sem dúvida, mas convenhamos, o grande destaque é o Arnoldão (outra grande figura que aparece em cena é o Robert Davi, como o mafioso desconfiado, sempre tentando atrapalhar o disfarce de Kaminsky).

O Arnoldo foi um sujeito que conseguiu fazer umas boas escolhas durante a carreira (tirando algumas comédias chatas dos anos 90 e alguns dos últimos filmes que fez) e um sujeito que tem no currículo CONAN – O BÁRBARO, os dois EXTERMINADORES, O VINGADOR DO FUTURO, COMANDO PARA MATAR, O SOBREVIVENTE e PREDADOR, merece mais respeito daqueles que dizem que ele é apenas uma montanha de músculo que não sabe atuar (ok, ele não sabe, mas pelo menos é um gênio na escolha de seus personagens). JOGO BRUTO também merece mais destaque. Não é tão consistente quanto seus outros filmes do mesmo período, mas a diversão é garantida.

Comentários

  1. Concordo no essencial. Este filme merecia mais visibilidade!
    A minha cena preferida é a em que ele entra no covil dos vilões com carro descapotável ao som dos Rolling Stones!

    ResponderExcluir
  2. Deu até vontade de rever a bagaça!

    ResponderExcluir
  3. Rapaz, esse é um dos meus favoritos, do Schwarza e um dos melhores dos anos 80! Esse diálogo com o policial e a cena dele botando pra tocar "Satisfaction" antes de partir pro tiro com a máfia são sensacionais! Detalher que num projeto anterior de blog coletivo, o Men on a Mission, meu nick era justamente Joseph P. Brenner, heheh.

    ResponderExcluir
  4. Perrone, faltou citar o filme mais inteligente (por isso um dos melhores) protagonizados pelo nosso amigo Schwarzie: O ULTIMO GRANDE HERÓI! Eta pérola esquecida!!!

    ResponderExcluir
  5. Putz, é verdade, Demofilo, é tão esquecida que eu acabei esquecendo.

    Mas não esqueci que vc já havia me pedido pra escrever sobre ele. Acalme-se que uma hora dessas eu escreveo!!!

    Principalmente que eu estou numa fase tão "ação dos anos 80 e 90".

    ResponderExcluir
  6. Esse eu tenho em casa rsrs. Passou hoje no canal TCM.

    ResponderExcluir
  7. Leandro Caraça08/11/2009 14:30

    Também exibido pelo Homem do Baú como SEU NOME É KAMINSKY. ^_^

    E o John Irvin fez também HISTÓRIA DE FANTASMAS, HAMBURGER HILL, CITY OF INDUSTRY e THINNER (de 2000) com o Michael Caine em grande atuação, pra variar. Não vi nada dele depois desse último.

    ResponderExcluir
  8. Leandro Caraça08/11/2009 14:31

    Correção, o filme com o Michael Caine é SHINER.

    ResponderExcluir
  9. "E o John Irvin fez também HISTÓRIA DE FANTASMAS, HAMBURGER HILL, CITY OF INDUSTRY "

    Ia falar exatamente a mesma coisa. Os dois últimos, filmaços. Hamburguer um dos filmes mais cruéis da guerra do Vietnã e Cidade do Ódio um dos melhores Neo-Noirs dos anos 90 com Harvey Keitel e Stephen Dorff no melhor de suas formas.

    ResponderExcluir
  10. Como faço pra baixar jogo bruto dublagem clássica.....?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …