Pular para o conteúdo principal

HUNGER (2008), de Steve McQueen

Primeiramente, será que não havia ninguém para avisar ao diretor que o nome que ele utiliza já pertenceu à outra pessoa ligada ao cinema? Aliás, um dos maiores atores americanos de sua geração, pra ser ainda mais puxa-saco do ator! Enfim, isso não importa. O que vale é o resultado bem interessante deste trabalho aqui.

HUNGER descreve as penosas condições carcerárias e as brutais repressões que sofriam os ativistas do IRA, no início dos anos 80, em uma luta para serem reconhecidos como presos políticos. Nisso tudo, o filme basicamente se estrutura em duas partes. A primeira, até um tanto didática, mas sem cair na mesmice de outros filmes do gênero, mostra o dia a dia na prisão. A segunda ganha uma força maior quando a narrativa se concentra em Bobby Sands (Michael Fassbender), um dos líderes ativistas, que resolve fazer greve de fome. Também não deixa de ser didático, mas acompanhar o processo do cara definhando é algo muito tenebroso...

É legal observar a relação entre o olhar do diretor sobre o seu material com a estética carregada impregnada na construção narrativa. Principalmente porque o número de diálogos no roteiro é mínimo. Mas em certos momentos, McQueen até exagera e acaba se perdendo numa espécie de busca por uma edificação visual sem muita força de significado, mas quando acerta, acaba rendendo belas seqüências, como o longo plano estático e esfumaçado com duas personagens dialogando. O sujeito tem um talento e tanto pra amadurecer. Este é seu primeiro filme e aponta como forte revelação do atual cinema britânico.

Obs: Hoje é sexta feira, dia de atualização do Dia da Fúria. Tem texto meu sobre REVOLVER, ainda do Sergio Sollima e um textinho do único giallo que o Sollima fez, O CÉREBRO DO MAL, escrito pelo Rogério Ferraz. Não percam!

Comentários

  1. Nos cinemas possíveis da minha cidade passam 4 filmes. Na semana de estréia desse filme eu tentei baixá-lo umas quatro vezes e minha internet caiu nas quatro. Eu desisti, mas acho que no mínimo vale a pena.

    ResponderExcluir
  2. Um dos melhores filmes que vi nesse ano. Artista plástico quando resolver virar cineasta geralmente dá merda. (Esse) McQueen é exceção.

    ResponderExcluir
  3. Tá aí... nem sabia que o cara era artista plástico.

    Mas existem outros ótimos diretores que se deram bem com as artes plásticas... Cronenberg, Lynch, Mario Bava, Takeshi Kitano e até o Peter Greenaway, que muita gente não gosta, mas eu adoro.

    Agora não sei se eram artistas que viraram diretores ou ao contrário...

    ResponderExcluir
  4. O Kitano sempre foi um artista polivalente (comediante, dançarino, cantor, pintor) e o Lynch um cara 'multimídia'. Mas o Peter Greenaway primeiro foi pintor e depois diretor. Já o Bava era filho do cinema, praticamente viveu dentro de um set de filmagem. Manjava tudo de fotografia, figurino, cenário e efeitos, sem falar de como dirigir e contar uma história.

    ResponderExcluir
  5. Ah, agora entendi seu comentário no Twitter. rsrs.

    Além do nome bizarro do cara, o título tb é de outro famoso filme, o primeiro do Tony Scott.

    E quanto aos artistas plásticos transformados em cineastas, só vi bons (ótimos) exemplos citados aqui, fora os do q eu já conhecia.

    Talvez se me disserem que Bay, Boll, Emmerich foram artistas plásticos tb...

    ResponderExcluir
  6. Filme forte e um surpreendente debut esse Hunger. O diretor promete...
    Kitano é mestre.
    Outro que, além de escritor, roteirista e diretor de filme, também virou pintor foi Clive Barker.

    ResponderExcluir
  7. A questão não é o cara ser polivalente, mas de ter uma outra formação anterior. Um pintor ou escultor sempre terá uma visão diferente em seus filmes do que um cineasta convencional.

    ResponderExcluir
  8. "Um pintor ou escultor sempre terá uma visão diferente em seus filmes do que um cineasta convencional.
    "

    Mas que deixa um, por exemplo, Greenaway um diretor de qualidade diferencial é justamente isso. Até pq se ele tiver talento para conduzir uma história, o contraste entre sua experiência artística anterior com a audiovisual pode ser bem interessante. Arte tb é abrir a mente para experimentações. No cinema, incluso.

    Tem cara que adora criticar publicitário e jornalista que vira cineasta, mas eu conto tantos publicitários e jornalistas bons cineastas, quanto os ruins.

    ResponderExcluir
  9. "Arte tb é abrir a mente para experimentações. No cinema, incluso."

    Principalmente o cinema, acho, porque o cinema é uma arte que se beneficia de todas as outras formas de expressões artísticas.

    ResponderExcluir
  10. Vamos a lista: O Dreyer era jornalista, o Eisenstein era cartunista, Lynch publicitário, Greenaway pintor, Abbas Kiarostami publicitário, Godard & Truffaut jornalistas, Fincher videoclipeiro, ou sei lá como chamar isso, Meirelles publiça,Jan Svankmajer cartunista e Alejandro Jodorowsky era palhaço e "marioneteiro" (!!!). E assim por diante.

    ResponderExcluir
  11. Bom pra kct o blog parabens, favoritado no central de horror =]

    ResponderExcluir
  12. Eu dou um desconto pro Fincher, já que ele começou como técnico da ILM. Talvez o maior problema seja com aqueles que não tem um aprofundamente, ou apenas um "leve jeito" em algum tipo de arte e que resolvam se aventurar no cinema. É como dar a Casa Brabca para alguém como Bush. Só pode resultar em merda.

    Há 10 anos eu tinha medo de publicitários que iam tentar a sorte no cinema. Hoje tenho pavor de diretores de TV que se acham capazes de fazer cinema.

    ResponderExcluir
  13. O problema dos publicitários é que eles adoram seguir tendências modernosas, então quando se vêem atrás de uma câmera, pensam que são os próprios Danny Boyle's. Eu sou publicitário, eu sei como é.

    ResponderExcluir
  14. Mais uma vez, é como eu quero dizer, vc tem um Michael Bay, Emmerich, Fincher e Ritchie que não eram publiciotários, e no entando filmam mais do que alguns que nem cineastas são. E alguns publicitários que filmam da maneira extremamente convencional, ou os que usam que aprenderam a favor do cinema como Irmãos Scott e Lynch. E as vezes até aqueles que não eram propriamente publicitários, como Oliver Stone e Spike Lee!

    Ou seja, é mais uma discussão que pra mim cai no fundo do poço chamado relativo.

    ResponderExcluir
  15. Um cara que filma um filme como um estilo videoclipe, não quer dizer que ele precise ter um background publicitário ou referente a isso. As vezes o sujeito faz isso tendo uma formação de cinema absolutamente clássica.

    ResponderExcluir
  16. Com certeza, tudo é relativo, pô, mas é muito mais fácil de acontecer se o cara tiver formação publicitária.

    Claro que se formos citar só os grandes dificilmente vamos encontrar. O negócio é a generalização dos "pequenos".

    ResponderExcluir
  17. "mas é muito mais fácil de acontecer se o cara tiver formação publicitária."

    Não necessariamente, pô. É disso que eu to falando só. Já entendi o que querem dizer, mas meu ponto de vista é outro.

    ResponderExcluir
  18. Vou ter que endossar o Daniel (e sei que um dia me arrependerei) nessa discussão e dizer que é tudo horrivelmente relativo. Da forma mais descontrolada e despropositada possível, mesmo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …