Pular para o conteúdo principal

UN FLIC (1972), de Jean Pierre Melville

Do Melville só havia assistido LE SAMOURAI e resolvi dar uma explorada no restante da filmografia começando pelo ultimo filme que realizou. Confesso que vindo de um diretor tão consagrado no gênero policial francês e, sendo este seu derradeiro trabalho, eu esperava mais, mesmo assim é um bom filme estranho. A trama de UM FLIC envolve uma quadrilha de assaltantes, liderado pelo ator americano Richard Crenna (que mais tarde faria o Coronel Trautman em RAMBO) e um inspetor, vivido por Alain Delon, que trabalha para capturá-la. Tem alguns momentos ótimos, como a cena de roubo ao banco na chuva do início; Delon em cena é sempre marcante, principalmente por fazer o tipo policial de métodos heterodoxos; e vários personagens interessantes, lapidados com uma bressoniana falta de emoções, algo que já parece ser particular do diretor. Outras sequências não me atraíram em nada – o assalto ao trem, com aquela maquete totalmente deselegante... Por que filmar desse jeito? Num filme de baixo orçamento italiano eu entenderia. O filme ainda aproveita muito mal a Catherine Deneuve. De qualquer forma, está bom como está, não é exatamente uma despedida como a de Sergio Leone, mas também Melville não está a altura do italiano, isso é fato. Essa semana eu vejo como ele se saiu em LE CERCLE ROUGE.

Comentários

  1. Esse eu não vi, mas em Cercle Rouge ele se saiu muito bem!

    ResponderExcluir
  2. que bom ler uma opinião sensata sobre esse filme, que realmente é fraco e só deixa na memória a sequencia inicial mesmo

    ResponderExcluir
  3. Quando eu aluguei pra ver tava esperando algo foda por causa do que eu havia lido sobre ele e claro, pela deneuve.É isso ae que vc disse mesmo Ronald, filme fraco e a Deneuve mal utilizada.

    ps: ainda me falaram da tal sequencia da perseguição do helicoptero, que embora seja bem intencionada, é tosca.

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito do blog, excelente pedida para baixar e conhecer filmes!

    Tá linkado lá no

    http://porradobol.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Ainda não assisti a esse, mas gosto muito do trabalho de Melville. Le Samurai é um filme estrondoso.
    Cumprimentos cinéfilos. :)

    ResponderExcluir
  6. Leandro Caraça07/05/2009 15:12

    E daí que o Melville saiu de cena com um trabalho menor ? Hitchcock, Siegel e Peckinpah também, entre tantos outros. "Un Flic" é um 'polar' correto e básico, como se o diretor quisesse mostrar o mínimo do mínimo. O engraçado é ue nunca fui grande entusiasta do Bresson, mas adoro os filmes do Melville. Assim como a turma da Nouvelle Vogue gostava e Kitano, Mann e To parecem apreciar muito.

    ResponderExcluir
  7. Eu queria mais, Caraça!!! Queria uma opbra prima! Mas tudo bem... não achei o filme ruim não. E o Melville tem tudo pra ser um diretor que vou apreciar bastane ainda... =)

    ResponderExcluir
  8. Leandro Caraça07/05/2009 17:01

    Não tenho conhecimento de como foram as filmagens, mas como o Melville morreu de um ataque cardíaco menos de um ano depois, a saúde dele pode ser que não estava muito boa. Para ver e ser feliz : "Bob, o Jogador", "Os profissionais do Crime" (Le Deuxième Souffle), "O Exército das Sombras" e "Técnica de um Delator" (Les Doulos).

    ResponderExcluir
  9. Quase todos os grandes mestres tem seu fiasco na carreira. Isso é inevitável. Mann teve com Miami Vice, De Palma com Fogueira das Vaidades e Cain, Allen com Scoop, Cronenberg com M. Butterfly, Kurosawa com Rapsódio em Agosto, Scorsese com Kundun, Godard com praticamente tudo depois de 1968 e assim por diante só para citar alguns exemplos. É normal.

    Raros diretores que fizeram coisas sempre acima da média. Kubrick e Leone entrariam nessa lista de raridade, apesar de ainda faltar ver algumas comêdias do italiano.

    ResponderExcluir
  10. O primeiro do kubrick é ruim.

    Miami Vice e Sindrome de Caim são fodas.

    ResponderExcluir
  11. Pra mim tá quase no mesmo nível O Samurai, além de ser peça fundamental dentro do tratado sobre o film noir escrito através da filmografia do Melville.

    ResponderExcluir
  12. Vou conhecer melhor a filmografia do Melville este mês, embora a relação com o filme noir seja clara mesmo, mas isso não quer dizer muita coisa para o filme em si em relação ao meu gosto pela obra...

    ResponderExcluir
  13. Claro, mas os filmes do Melville tornam-se especialmente mais saborosos quando vistos nesse contexto macro. Ele compôs uma espécie de painel do noir filtrado através dos seus olhos, com identidade, estética e ritmo próprios. Não que um filme vá necessariamente melhorar quando visto depois de outros filmes e etc, mas algumas coisas como aquele característico anti-ritmo das cenas de ação e aquela fotografia azul aparentemente 'ishperta' acabam fazendo um pouco mais de sentido. Isso pra quem não foi com a cara desses elementos, eu os adoro.

    ResponderExcluir
  14. Pois é, mas esses elementos eu adorei também, acho esse tratamento estético e toda a relação com o noir uma coisa genial. Não foram eles o motivo de não ter "assistido de joelhos", sabe? Porque eu gostei do filme, deixando bem claro... só não considero no mesmo nível de Le Samourai.

    ResponderExcluir
  15. Hehe, entendo. Até por que, pra chegar ao nível de O Samurai (meu top 3 ever), tem que amar muito desesperadamente o filme.

    ResponderExcluir
  16. muito ruim, quase morri pra ver isso até o final. fico com o samurai e já é.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …