14.1.09

últimos filmes...

O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON (2008), de David Fincher: Era o meu favorito daquela premiaçãozinha cretina que ocorreu no último domingo, tendo em vista que GRAN TORINO e THE WRESTLER não concorreram ao prêmio principal. Mas este aqui também é muito bom, do mesmo nível que estes dois. Lógico que é infinitamente melhor que SLUMDOG (acho que já virei o maior detrator do filme do Danny Boyle). É uma espécie de conto de fadas para adultos, brilhantemente conduzido pelo David Fincher e com roteiro de Eric Roth (o mesmo de FORREST GUMP, e já até começaram as comparações entre os dois filmes...) adaptado de um conto escrito em 1922 por F. Scott Fitzgerald sobre um sujeito que nasce velho e vai rejuvenescendo na medida em que cresce. A partir dessa premissa bizarra, Fincher constrói uma trama riquíssima em detalhes que além de manter a atenção do público integralmente, consegue induzir a reflexão sobre o tempo e a morte (ou a vida). Me peguei pensando nessas questões ainda horas depois que filme havia acabado. A maquiagem e o visual são muito interessantes, um belo exemplar de como recriar mundos e corpos artificiais de maneira funcional. Haja photoshop!

MILK (2008), de Gus Van Sant: Este aqui também é outro que poderia estar entre as categorias principais, mas foi ignorado. Porque não é só de Sean Penn que o filme sobrevive. Claro que o sujeito está excelente interpretando Harvey Milk, o primeiro político assumidamente gay eleito nos Estados Unidos, mas a direção de Gus Van Sant também é ótima! É a mistura, que uma hora aconteceria, entre aquela linguagem experimental iniciada em GERRY com a convencional da época de GÊNIO INDOMÁVEL. Uma coisa de alto nível para o “padrão Hollywood”. Principalmente com a fotografia maravilhosa do Harris Savides. O elenco é de primeira e conta com James Franco, Emile Hirsch, Josh Brolin, Diego Luna e outros que também merecem destaque. A trama acompanha o protagonista desde a época em que decide mudar de vida com seu bofe, aluga um canto na Rua Castro (bem sugestiva), em San Francisco, e inicia modestas campanhas políticas, manifestações em favor dos direitos homossexuais até se tornar um político de verdade. É um bom panorama sobre o tema nos anos setenta nos Estados Unidos e Sean Penn está sensacional, mas ainda assim, prefiro o personagem mais humano de Mickey Rourke em THE WRESTLER.

A TROCA (2008), de Clint Eastwood: Como prometido, levei a minha pequena ao cinema. Só Não entendi qual foi a dos críticos em meter o pau neste filme. Na verdade, entendi sim, mas não concordo. O problema seria a falta de equilíbrio e o foco, já que no meio de uma trama nasce outra, talvez com maior peso que a primeira. Ok. Isso de fato acontece. Inicialmente, o filme trata de uma mãe (Angelina Jolie, demonstrando que pode ser ótima atriz quando trabalha com o diretor certo) cujo filho foi seqüestrado, acaba desconfiando que o garoto que a policia encontrou e “devolveu” não se trata da mesma criança que deveria ser seu filho. Aí surge uma história paralela, uma investigação policial sobre um serial killer de crianças, que obviamente faz ligação com a outra história. Bom, é certo que nas mãos de outro diretor, o filme seria uma bagunça cheia de excessos, mas estamos falando do velho Clint. O sujeito conduz da mesma forma segura, clássica, com força narrativa como em qualquer outro filme seu e tudo flui muito bem. As suas mais de duas horas de duração passam tranquilas e o resultado é um filme belíssimo. A diferença é que, se não me engano, é o primeiro filme com ponto de vista feminino na filmografia do Clint. Mas isso também não é problema algum...

22 comentários:

  1. Nessa semana verei o Benjamin Button. Estou louco para ver essa porra. Mas estou torcendo para que não seja muito parecido com Forrest Gump hehe.

    ResponderExcluir
  2. Mas pode ficar tranquilo que a unica coisa que os dois filmes têm em comum é o roteirista. Tirando isso, não tem nada a ver.

    ResponderExcluir
  3. Desses aí eu vi o Changeling só, gostei do filme. Jolie estava surpreendetemente bem, principalmente em cenas como a do hospital. Verei o do Fincher essa sexta. Estou louco para ver essa porra. [2]

    ResponderExcluir
  4. E Vlademir, já li por aí que as únicas semelhanças que esse filme tem com Forrest Gump é que ele vê um clip dos Beatles na TV e participa da segunda guerra. Só.

    ResponderExcluir
  5. ???
    Mas esses momentos só servem pra situar a trama num contexto histórico... nem nessas situações há semelhanças com o Forrest Gump...

    ResponderExcluir
  6. Bom, foi o que eu li por aí. Se você tá dizendo, beleza, hehe.

    ResponderExcluir
  7. Hehe, assista na sexta e veja se não tenho razão.

    ResponderExcluir
  8. Estou curioso pra ver "O Curioso..." rss.
    Ainda não tive tempo de ver "A Tfoca", que m...
    E o Penn está bem gay mesmo nessa foto hehehe!

    ResponderExcluir
  9. Leandro Caraça14/01/09 18:42

    Puxa vida, sabem que no final das contas eu gostei pra caramba do Globo de Ouro ? Tudo bem que teve o showzinho particular do Rubinho (e da Kate Winslet, diga-se de passagem). Também não vou negar que SLUMDOG vencer o prêmio principal foi uma ducha de água fria. No fundo, eu tenho a sensação de que ele será um filme divertido, a la POR UMA VIDA MENOS ORDINÁRIA e a trilha sonora deve ser supimpa. E sei lá, algo me diz que no Oscar as coisas serão diferentes. Pode dar Clint, Mendes ou qualquer outro menos Boyle por lá. De resto, como não gostar de uma premiação que escolhe Mickey, Rourke, Bruce Springsteen, Gabriel Byrne, Tom Wilkinson, Paul Giamatti, Alec Baldwin, Tina Fey, Laura Dern e Laura Linney ? Também achei bacana os prêmios para Colin Farrel e Heath Ledger. E ainda tivemos Sasha Baron Coen e Seth Rogen mandando o comportamento politicamente correto às favas. Deveria ter dois desses por ano, mas som o Rubinho, é claro !

    ResponderExcluir
  10. Grande amigo ... não é só você que é um detrator de Danny, eu também detesto ele, mas Slumdog não é tão ruim quanto imagina, mas fica óbvio que Benjamin Button é anos luz melhor do que se imagina e o Oscar vai ser justo com o homem ...

    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Meu maior problema com esse ultimo Globo de Ouro foi mesmo com o SLUMDOG... fora isso, nada que reclamar.

    JP: Eu não sou detrator do Danny Boyle (até gosto de vários filmes do cara). Sou detrator do SLUMDOG, que não gostei.

    ResponderExcluir
  12. Estou muito ansioso para ver A TROCA. Acho que tem 99% de chances de eu gostar muito. Também quero conferir esse do Fincher, a idéia principal me agradou bastante.

    ResponderExcluir
  13. Eu vi o filme do Fincher. Acehi legal, um Fincher diferente, bastante póetico. O filme vai decaindo um pouco do meio pro fim, mas nada que atrapalhe. Realmente, as comparações com Gump são inexplicáveis e, como o próprio Ronald disse, as poucas situações que ambos possuem em comum só servem para colocar a história em um contexto histórico, dar a idéia do tempo. No geral, um bom filme.

    ResponderExcluir
  14. Verei Curioso Caso nesse amanhã, e estou ansioso pela nova obra que Fincher nos entregará. A Troca pude conferir antes de ontem , e confirmo com todas letras que é um ótimo filme. Magnífico, impressionante como Clint ainda tem o poder de fazer filmes com um arco dramatico forte como esse. Angelina Jolie impressionante e soberba.

    Abraços, Ronald!

    ResponderExcluir
  15. Também assisti o Benjamin Button (e escrevi sobre ele). Como disse o Pedro, o filme meio que se perde na segunda metade, mas ainda assim é ótimo.

    ResponderExcluir
  16. Daniel The Walrus19/01/09 03:32

    Tb achei esse Globo de Ouro bem longe do marasmo tedioso de sempre. È por esses momentos q eu gosto de acompanhar essas coisas desde criança.

    E pra mim o fator ator deve ser O prêmio da noite no Oscar, algo q não acontecia desde 2004 com Sean Penn ganhando. Lembro q quando eu tinha um blog, fiz um post escrevendo 10% sobre o Oscar e 80% do Sean Penn ganhando. hehehe. Era um acontecimento histórico! Murray era o favoritíssimo e o Penn era considerado persona non Grata na Academia. Ninguém esperava. E apesar de ser humilhante a obra-prima do Eastwood perder pro showzinho pré-pago de mídia e marketing de bonecos do Peter Jackson, é algo que já nos acostumamos de ver pela história do Oscar. Se bem q, apesar de tanta coisa q eu poderia reclamar do Oscar, ironicamente, na maioria das vezes, gostei dos premiados. Mesmo quando outros merecessem mais q eles.

    Esse ano sinto o mesmo como aconteceu em 2004, só q dessa vez eu torço tanto pro Penn quanto pro Rourke. Posso até dizer q ver o Depp ganhando tb seria glorioso até pq seria tão bizarro quanto o Rourke, mas é uma pena q o Pirata do Caribe tenha ficado tão "mainstream" ultimamente. Nada contra, mas para um ícone do indie-cult, isso feriu sentimentos e apesar de gostar muito do personagem do Depp e da série Piratas no geral, não era um trabalho melhor q do Penn. Aliás os últimos 6 filmes do Depp desde 2004 tem estado longe de serem os melhores trabalhos do Depp.

    E por isso q esse ano fico feliz tanto se o Rourke ou Penn ganharem, apesar de q Academia gostar tanto de ferrar as coisas q é capaz q nenhum dos dois ganhem. Mas ainda acharia mais legal se o Rourke ganhasse, apesar de preferir infinitamente mais o Penn como ator.

    ResponderExcluir
  17. Daniel The Walrus19/01/09 03:38

    E falando em Rourke, olha esse podcast quando vc tiver tempo, Ronald: http://www.soundonsight.org/?p=1149

    Os caras falando da carreira do ROurke, é bem legal, apesar q eles falaram mal do Pope of Greenwich Village dizendo q o Eric Roberts tava histérico. huahuahua. Pô, eu ouço tanto falar anos à fio q o Eric Roberts é irritante mas eu poderia nomear uma entidade inteira de atores mais irritantes. Aliás, eu vi esses dias o Roberts em um episódio da ótima série OZ (Q eu já acabei inclusive) e ele tá incrível como sempre. Show de interpretação fazendo um detendo no corredor da morte. Taí um ator q precisa de mais atenção igual ao Rourke, Eric Roberts. Enquanto isso a medíocre da irmãzinha dele nada em milhões. O q vai se fazer né? Quem sabe ano q vem o Roberts não ganha um "Wrestler" dele tb? hehehe.

    ResponderExcluir
  18. Daniel The Walrus19/01/09 03:52

    Ah, e os caras odiaram o Coração Satânico tb, supreendentemente.

    E malharam o De Niro no filme dizendo q ele tá ridículo, dizendo "q tipo de ator se baseia o visual no Scorsese quando vc tá interpretando o Diabo?"

    Hahahaha. Acho q é a primeira vez q eu vejo gente criticando o De Niro nesse filme.

    ResponderExcluir
  19. em relação a essas premiações, Daniel, eu falo assim meio esnobando, mas também não consigo deixar de ver. Nunca perdi um há mais de 10 anos.
    Eu também adoro o Sean Penn e seria bom ver ele recebendo um premio como esse de novo. Mas a atuação do Rourke entre esses dois filmes é a que eu prefiro, então minha torcida vai toda pra ele...
    Lembro que a gente já conversava sobre o Rourke bem antes de saber que o cara estaria no topo novamente... isso é bem legal.
    Depois eu vou ouvir com calma esses podcast.

    ResponderExcluir
  20. apesar de algumas discrepâncias do texto original, o irmão em película é belíssimo e nos faz mesmo pensar. me atrevo a dizer que fitzgerald (que também foi roteirista em holywood) aprovaria a adaptação e o tom que roth deu ao seu conto. outra coisa: eu nunca havia notado a beleza da cate blanchet, embora alguns possam dizer que tudo aquilo não passa de um belo trabalho da direção de arte. de fato, um belo trabalho...

    ResponderExcluir
  21. Gostei muito do novo longa do David Fincher. Na minha opinião trata-se de um diretor completo. O problema é que, assim como Kubrick, Fincher tem um pé mais calcado na racionalidade do que na emotividade, o que afasta boa parte do público.

    Sobre as comparações com Forrest Gump, acredito que o que diferencia os personagens é a atitude em relação ao mundo. Forrest é pró-ativo, agindo de forma inocente, instintiva, sem considerar-se deslocado. Benjamin, por sua vez, passa a adotar uma postura mais observadora com o passar dos anos, esperando os moentos certos, pois se dá conta de que o mundo é governado pelos dogmas da aparência. Ambos acabam tornando-se, sem querer, ótimos analistas do comportamento humano.

    ResponderExcluir