3.1.09

Dupla sessão: John Woo

Uma das promessas em 2009 é tentar assistir mais John Woo. Não só ele, na verdade, mas também o Clint Eastwood, Budd Boetticher, Jacques Tourneur, Castellari, Aldrich, ih! A lista vai longe...

HARD BOILED (92) já faz um tempinho que eu vi, então me dêem um desconto, ok? Vou apenas passar o que eu me lembro. Primeiro, a observação óbvia de que este é o ultimo filme que Woo dirigiu em Hong Kong antes de ir pra Hollywood. Minha opinião: não sou muito fã dos filmes americanos dele. O ALVO é regular (Van Damme de mullets!), A ULTIMA AMEAÇA é bonzinho, o único que eu gosto realmente é A OUTRA FACE, daí pra frente ou é porcaria ou não vi. Já os filmes de Hong Kong, vi pouquíssimos. Mas voltando ao HARD BOILED, que maneira de se despedir de sua terra natal! Puxa vida! É uma verdadeira obra prima do cinema de ação. O filme inteiro é frenético e Woo demonstra total maestria na composição de cada cena, enquadramentos, movimentação de câmera, slow motion, inclusive os fogos de artifício, a pirotecnia, parece tudo sobre controle. O final é uma doas coisas mais lindas do cinema de ação. Filmado dentro de um hospital em apenas 35 dias, sem story boards ou planejamentos burocrático, é uma verdadeira aula de arquitetura de imagem em movimento.

O outro que eu queria falar é o THE KILLER (89), que assisti recentemente. E também é uma belezura! Eu achei inferior a HARD BOILED, mas acho que só de dizer que é “inferior” a alguma coisa, eu já merecia uma paulada na cabeça. Digamos então que é menos maravilhoso que o outro. É um filme que faz questão de se concentrar nos conflitos psicológicos de seus protagonistas, um assassino sentimental e um policial com fortes laços de amizade com seu parceiro, ambos se confrontam e depois unem forças contra a Tríade. Alguns momentos o filme deságua num belo melodrama, mas ainda assim é tão frenético quanto o outro em termos de ação. O tiroteio final na igreja é espetacular, o ambiente lânguido, cheio de velas e pombos brancos sobrevoando o balé de corpos em tiroteios sangrentos em slow motion. Igreja, pombos, sim, ele repetiu essa mesma ambientação em A OUTRA FACE, mas aqui a coisa pega fogo com muito mais intensidade.

Os dois filmes têm em comum o lance dos personagens de lados opostos que se unem em cumplicidade para combater o mal. No primeiro, dois policiais (um deles infiltrado sem que o outro saiba); no segundo, assassino e policial depois de trocarem balas acabam se unindo como forma de compartilhar os sofrimentos do outro e lutar contra os bandidos. Duas formas interessantes e totalmente diferentes de contar a mesma história, tratar dos mesmos temas, com personagens similares... John woo poderia ter feito mais uns quatro, cinco filmes com essa mesma variação de argumento, provavelmente todos seriam geniais.

6 comentários:

  1. baixei uns 3 do woo, até hoje não vi, sendo que dois deles são esses do top, agora ate bateu uma vontade de ver. hehehehe

    ps: porra ronald seu puto, ve se entra no msn ou responde os emaisl caraii
    !

    ResponderExcluir
  2. do top, daonde eu tirei isso, heuahueh, dos comentários, digo.

    ResponderExcluir
  3. Gosto bem mais do The Killer do que do HARD BOILED, mas talvez o meu preferido seja o Bala na Cabeça. Dos americanos, concordo que O Alvo é razoável, mas curto muito A Ultima Ameaça.

    ResponderExcluir
  4. É bem provável que FERVURA MÁXIMA seja um dos filmes com maior contagem de cadáveres da história do cinema, mas eu não sou louco de ficar contando.

    ResponderExcluir
  5. Dois de meus filmes prediletos. BALA NA CABEÇA eu considero tão bom quanto FERVURA MÁXIMA.

    ResponderExcluir
  6. Daniel The Walrus11/01/09 01:45

    John Woo pode passar o resto da carreira dele fazendo comerciais de são em pó q mesmo assim eu sempre vou admirá-lo. Um pioneiro.

    Soube anos atrás q o Tarantino já não é mais "tão fã dele". Isso é fã modinha, pô! Queria ver se alguém falasse o mesmo pra ele, no mínimo sairia cuspindo na cara.

    ResponderExcluir