Pular para o conteúdo principal

A FÚRIA (The Fury, 1978), de Brian De Palma


O amigo "Demofilo Fidani" massacrou este filme em seu blog, o ótimo Olhar Gratuito, mas como A FÚRIA era um dos únicos De Palma que eu ainda não havia visto, tive que engolir. Pronto! Agora assisti e já posso expor meu julgamento, só que ao contrário do nosso amigo, embora respeite sua opinião, discordo totalmente que seja um filme ruim. Aliás, que belo filme o De Palma faz aqui! Assim como em CARRIE, o diretor recorre novamente ao tema dos fenômenos paranormais. São dois jovens, um rapaz e uma moça, que devido aos seus poderes tornam-se alvos de um sinistro departamento do governo americano chefiado por um mais sinistro ainda John Cassavetes. Existem duas tramas paralelas que se encontram. Uma delas se concentra no esforço de um pai (Kirk Douglas, em brilhante atuação e forma física de dar inveja em plenos 62 anos) em encontrar seu filho paranormal. A outra, é sobre a garota com as mesmas faculdades, descobrindo seus poderes. É daqui que os detratores encontram motivos para não gostar, a parte burocrática da estória. Convenhamos que não é nenhuma obra-prima a altura de BLOW OUT (realmente achei que o filme cai um bocado quando a subtrama de Kirk Douglas é deixada de lado, apesar de estar tudo interligado), mas não perdi o interesse pelo que acontecia em momento algum, sobretudo porque De Palma conduz o material com notável precisão que não me deixava desviar o olhar. Basta uma única sequência – a da fuga da mocinha da clínica ao som da trilha de John Williams, por exemplo – para colocá-lo em um lugar de destaque na filmografia do diretor.

Comentários

  1. Eu gosto bastante desse filme, assim como Sindrome de Caim, outro que costuma ser bastante malhado. E assim como disse no blog do Demofilo, repito aqui que a cena de atropelamento é uma das coisas mais fodas que eu já tive o prazer de ver na vida.

    ResponderExcluir
  2. Fico no meio, acho regular. Não é menos bem dirigido por De Palma que de costume e é tenso por um bom tempo. Mas a história é bem fraquinha, chata até, por ser tão 3x4. A diferença entre esse e os melhores DePalma.

    ResponderExcluir
  3. Um que não vi ainda é o Wise Guys, esse também é bem malhado. Outros como Missão Marte e A Fogueira das Vaidades, que também estão na lista dos mais odiados, eu gosto. Devo ser um fan hardcore. O único que vi que não me agradou muito foi o Fantasma do Paraíso, acho muito cheio de excessos. Mesmo assim tem coisas geniais ali.

    ResponderExcluir
  4. Não vi Fogueiras das Vaidades nem Fantasma do Paraíso. Missão Marte não é ruim, mas é um dos piores dele... Wise Guys eu acho muito bom!

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro esse filme. "Scanners" por DePalma, e vários anos antes.

    ResponderExcluir
  6. Acho um filme apenas bom, com grandes momentos, alguns geniais. Copiando e colando um pedaço de meu comentário no blog do Fidani... ADORO o capanga levando os tirombaços do Kirk Douglas em câmera lenta com a música do John Williams substituindo os efeitos sonoros dos tiros.

    ResponderExcluir
  7. Tou com Osvaldo.

    Não vi tudo do DePalma, falta Missão Marte, Wise Guys e os 4 do inicio da carreira [ Himom, Greetings, The Wedding Party e Murder a la mod. Fora isso, eu gosto de todos os outros filmes dele, nenhum é ruim.

    ResponderExcluir
  8. Na época q De Palma reinava no universo...

    ResponderExcluir
  9. Este é o filme que insufla meus impulsos xiitas: quem não gosta, não entende NADA de CINEMA! :P

    Um dos melhores filmes da História do Universo.

    ResponderExcluir
  10. Davi, voce incluiria na mesma frase o Síndrome de Caim ou esse não chega a tanto na sua opinião?

    ResponderExcluir
  11. Síndrome de Caim é uma obra-prima subestimada. UM DIA TODOS VÃO ENTENDER.


    spoiler
    MARGO REINA NO FINAL A LA TENEBRAE!

    ResponderExcluir
  12. Não incluiria, não, Herax. Adoro "Síndrome de Caim", mas ele é idiossincrático, então entendo o ódio alheio, enquanto "A Fúria" é pop até a mêdula. Não tem desculpa!!!

    ResponderExcluir
  13. Leandro Caraça31/03/2010 17:49

    Quando um filme como "A Fúria" tem um punhado de cenas tão impactantes e fodásticas, ele é MUITO BOM.

    ResponderExcluir
  14. Síndrome de Caim...hahahahaha!

    E só não vou dizer q De Palma deveria fazer mais um filme do tipo Fúria atualmente para fechar a trilogia começada com Carrie, pq provavelmente ele iria cagar no pau de novo.

    ResponderExcluir
  15. "Tem nd demais em ser pop."

    Hã. Hum. Okay.

    ResponderExcluir
  16. Daniel, o terceiro seria "The Demolished Man", adaptação do livro do Alfred Bester (autor do livro que seria o "Era uma vez na América" do cinema de ficção científica "The Stars my Destination"), cujo projeto "A Fúria" era apenas um treino de técnicas para apresentar a telepatia que a adaptação exigia. O De Palma diz que ainda sonha em realizar o projeto, mas é caríssimo e ele não exatamente um diretor reconhecido por seus sucessos financeiros, que são a exceção, não a regra.

    Ah, por curiosidade, "The Stars my Destination" foi o projeto dos sonhos de John Carpenter por muito, muito tempo.

    ResponderExcluir
  17. Hehe, fiquei até com medo de sentarem a lenha em mim aqui. Ainda bem que os colegas pegaram leve. Engraçado é que mesmo não gostando do filme de uma forma geral, muitas cenas até hoje não conseguem sair da minha mente. Coisas do DePalma, né?

    ResponderExcluir
  18. onde eu posso assistir esse filme?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …