Pular para o conteúdo principal

TWO LOVERS (2008), de James Gray

Espero que ninguém esteja com medinho em relação a este novo trabalho do James Gray por não ter ligação ao universo do crime, ao gênero policial dos filmes anteriores. TWO LOVERS, além de ser tão poderoso quanto seus outros trabalho, serve pra confirmar várias coisas, entre elas o talento do diretor, que hoje é na minha opinião um dos cinco grandes cineastas americanos surgidos nos anos 90. Serve também pra definir os seus temas prediletos já abordados anteriormente.

Ele não perde a oportunidade de discutir questões como a família, fidelidade e o peso da herança cultural. E assim como antes, há um tom melancólico impresso em cada sequência de uma forma rara no cinema estadunidense. Não é a toa que ele é considerado o diretor mais francês entre os americanos, principalmente na forma de compor, montar, pontuar, movimentar a câmera, trabalhar com os atores, etc.

E muito em TWO LOVERS se deve ao excelente trabalho de todos seus atores. Joaquin Phoenix está ótimo encarnando Leonard, um rapaz que mora com os pais, depressivo e desequilibrado por uma desilusão amorosa do passado. Gwyneth Paltrow, que está belíssima, e Vinessa Shaw, completam o triangulo amoroso da trama. Ainda temos Isabella Rossellini sublime como a mãe do rapaz.

Em suma, a partir de um simples fato, que soa até mesmo clichê (homem se relaciona com duas mulheres ao mesmo tempo), Gray desenvolve um belo filme dilacerante, um verdadeiro estudo do romantismo exacerbado e de sentimentos puros em situações da vida cotidiana, observado com uma intensidade dramática surpreendente.


OBS: Nada a ver com o post, segue uma dica preciosa d'um blog de alto nível e novinho em folha: Cine Demência, editado pelo Leopoldo Tauffenbach. Prestigiem.

Comentários

  1. Baixou aonde? Torrent ou emule?

    ResponderExcluir
  2. Ah, sim. Vou esperar ainda que sem muitas esperanças que lancem comercialmente.

    ResponderExcluir
  3. Confirmou minhas expectativas, um dos grandes filmes da década.

    Nada melhor que uma obra-prima atrás da outra...

    ResponderExcluir
  4. Já vi muitos comentários muito positivos sobre esse filme. E você também participou disso.
    Tenho que assistir.
    Espero que Joaquin Phoenix não abandone o cinema.

    ResponderExcluir
  5. Eu vejo "Amantes" em breve. Eu sempre tive curiosidade em assistir ao menos um filme do James Gray, mas sempre me desanimo. Tenho "Fuga Para Odessa" no acervo e "Caminho sem Volta" e "Os Donos da Noite" são fáceis de serem encontrados por aqui. Dá para notar que, de fato, é um filme bem melancólico e é uma pena que Joaquin Phoenix tenha mesmo desistido da carreira de intérprete.

    ResponderExcluir
  6. Medo desses filmes do James Gray, nunca vida nada, mas sei lá, tenho medo.

    ResponderExcluir
  7. Vou já procurar esse filme...
    dizem que é o último do Joaquin...
    E eu nao sabia que a Gwyneth estava nele...
    Deve ser bem interessante.

    ResponderExcluir
  8. Kevin, assista todos os outros antes sem medo. Não comece por este aqui... um conselho que te dou.

    E Alex e Gustavo, vocês acreditam mesmo que ele abandonou a carreira de ator?

    ResponderExcluir
  9. Johnny Ratazana20/03/2009 14:06

    Sei não esse aí, parece ser meio bunda mole.

    ResponderExcluir
  10. O filme é genial. Acabei de postar sobre ele tb. Acho muito Cassavetes.

    ResponderExcluir
  11. Leandro Caraça20/03/2009 19:27

    Cada um, cada um. Eu tenho medo do Robert Rodriguez.

    ResponderExcluir
  12. Daniel The Walrus21/03/2009 00:41

    Kevin, eu tenho medo de vc e sua fixação pro bobagens como Sindrome de Cain e Dália Negra enquanto ignora filmaços de mestres como Jim Jarmusch e Gray!

    Já estou ansioso por esse.

    ResponderExcluir
  13. Daniel chato maior, pqp. Tinha até esquecido disso já.

    Jarmusch é bunda mole, os ultimos dele são um pé no saco, otimos pra dormir.

    Dei uma olhada no trailer do ultimo q ele fez agora, que vai estreia esse ano.Parece ser bom.

    Qlq dia desses vejo Dead Man.

    ResponderExcluir
  14. Daniel The Walrus21/03/2009 14:49

    Eu até entendo que os filmes dele possam parecer chato para alguns, mas pra mim foram todos filmes com os ritmos certos. Que leva o tom da filmografia dele com perfeição.

    Não adianta, é um diretor que vc precisa entrar no clima dele, se não, não dá certo mesmo. Pra mim, tudo que eu vi dele desde Night on Earth é excelente.

    Agora o Gray não tem mistério. É um ritmo calmo, mas não considero lento. Acho bem dinâmico em sua proposta até, ele é apenas reflexivo tb e sempre com personagens intensos e benignos, e com atmosferas de suspense que se pouco vê no cinema hoje em dia. Fora um clima de filmes dos anos 70 saboroso. Não sei o q vc e o Rafael estão esperando.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …