2.3.09

MACHINE GUN KELLY (1958), de Roger Corman


Já devo ter comentado sobre o Roger Corman num dos primeiros posts do blog, mas vale a pena relembrar. Corman foi um dos grandes mestres do cinema B americano, prolífico produtor e diretor de cinema fantástico, western, policial e exploitation de todas as espécies, além de ter revelado vários cineasta como Scorsese, Coppola, Monte Hellman, Joe Dante, e uma lista infindável. Uma de suas principais características é a velocidade na qual realiza suas produções. MACHINE GUN KELLY, por exemplo, teve apenas oito dias de filmagens e faz parte de uma série de gangster movies que realizou na época.

O filme é livremente inspirado na vida de George Kelly - conhecido como Machine Gun Kelly pelo fetiche que tem por sua metralhadora - um perigoso bandido da década de 30, que foi impulsionado pela mulher ambiciosa a trilhar o caminho do crime. Quem encarna o sujeito é ninguém menos que Charles Bronson; e quem pensa que ele era um iniciante naquela época está enganado. MACHINE GUN KELLY era seu vigésimo segundo filme (embora tenha sido seu primeiro com maior importância) e sua interpretação está entre as melhores que o ator já compôs, principalmente no que se refere aos detalhes da construção de personagem, como a fobia pela morte, por exemplo.

A direção de Corman é bem inspirada. Com uma simples cena ele resume toda a essência do personagem de Bronson (aquela em que o ator brinca de bater palma com a criança sequestrada). Além disso, a criatividade do diretor para driblar o baixo orçamento é absurda, como no primeiro assalto logo no início, onde mostra apenas a sombra do policial que é baleado pela metralhadora de Kelly numa solução bem simples e muito funcional; isso sem contar os diálogos muito bem colocados no roteiro de R. Wright Campbell (roteirista de várias produções do Corman e de HELLS ANGELS ON WHEELS, de Richard Rush).

Mas MACHINE GUN KELLY possui algumas irregularidades narrativas que decorrem por causa da pressa da produção, do baixo orçamento. O filme começa muito bem, mas tem suas decaídas, não preza muito por cenas de ação e tudo isso não permite que o filme saia do limbo preconceituoso que a crítica “séria” tem com os filmes B, pois na verdade nenhum destes detalhes atrapalha a diversão. O fato é que é um ótimo filme e a forma como Corman trata psicologicamente seu personagem é digna de um cinema inventivo muito além de seu tempo.

6 comentários:

  1. Já baixei esse filme há um bom tempo atrás, mas não vi ainda. Mas a combinação Corman + Bronson não tem como ser ruím!

    ResponderExcluir
  2. Ronald, já viu "Red Sun" com Charles Bronson, Alain Delon e Toshirô Mifune [e Ursula Andress]? Todos esses mitos reunidos num western/samurai que é uma das poesias mais lindas do cinema. Só não virou clássico porque a direção é de Terrence Young, mas ainda assim é um espetáculo!

    Esse do Corma eu nunca vi, e nem conheço nada dele. Só aumentou meu interesse.

    ResponderExcluir
  3. Herax, assista logo que a coisa é boa.

    Caio, já assisti Red Sun há uns 4 anos atrás. Filmaço mesmo, ainda mais com esse elenco sensacional.

    ResponderExcluir
  4. Red Sun tem alguns lances divertidos e o elenco fabuloso, mas num todo eu acho que deixa bastante a desejar.

    ResponderExcluir
  5. Daniel The Walrus04/03/09 06:47

    Pegou uma semana para ver bons filmes, hein? Esse eu não vejo há 8000 anos. Tem q sair em dvd. Bronson é meu "action hero" favorito depois do Stallone. E assim como o Garanhão Italiano, tb sabia atuar em filmes sérios.

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso. O cara vai de matar um cara com um puma a apanhar da mulher de joelhos. O Tarantino homenageou em "Pulp Fiction".

    ResponderExcluir