Pular para o conteúdo principal

OPERATION COBRA, aka INFERNO (1997), Fred Olen Ray

Não sou expecialista no cinema de Don “The Dragon” Wilson, mas um dos meus filmes preferidos do homem certamente é este OPERATION COBRA, de Fred Olen Ray. O filme coloca o ator como um agente especial da polícia e logo no início, numa operação arriscada dentro de um museu, seu parceiro é morto numa explosão causada por um vilão brutamontes, de rabo de cavalo. A trama, a partir daqui, remete a um filme que eu postei outro dia, HAMMERHEAD, do Castellari. Donnie tira umas férias a pedido do seu chefe, mas acaba indo justamente ao lugar onde o bandido se encontra, na Índia, para dar início às investigações e tentar vingar a morte de seu parceiro. Wilson não é daqueles atores que consegue sustentar um personagem à base de interpretação. Ele é melhor quando deixa seus conhecimentos de artes marciais falarem por ele. Em OPERATION COBRA, esses conhecimentos chegam a fazer discursos! Basicamente, a trama se resume numa sucessão de cenas de luta, com "The Dragon" desferindo golpes em tempo integral em cima de uma espécie de ninjas indianos e ainda há duas boas sequências de luta contra o brutamontes de rabo de cavalo. Nesse sentido, é um grande filme de Wilson! É óbvio que em comparação aos clássicos do Kung Fu, OPERATION COBRA não fica nem para o cheiro, mas nunca é a pretensão de Fred ser algo além de uma boa diversão que não se leva a sério em momento algum. Existe uma cena hilária digna de antologia, quando uma serpente tenta surpreender Wilson enquanto ele estava dormindo na cama! É o tipo de cena que já faz o filme valer a pena. Sem contar a participação da robusta Tane McClure, outra diva do Cine Privé, mostrando seus exuberantes dotes gratuitamente em duas ótimas cenas. Também é outra boa desculpa para não deixar OPERATION COBRA passar despercebido.

Comentários

  1. Don Wilson é um ator que cresceu no meu conceito com o passar dos anos, assim como seus filmes se deterioraram a medida que meu olhar evoluiu. Mas é um dos meus favoritos dos filmes B. Insisto: A Asylum deveria chamar o Wilson, o Olivier Gruner, o Michael Paré e mais uma porção de outros "astros" em uma "homenagem" aos "Expendables" do Stallone. Se quiserem, basta me dar o dinheiro e o elenco que dirijo eu mesmo!

    ResponderExcluir
  2. É engraçado como o Wilson se sente desconfortável em todas as cenas de sexo nos seus filmes hauhauaha

    O negócio do cara não é amor, é distribuir sopapos mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Seria um filmaço, Luiz, tenho certeza!

    ResponderExcluir
  4. Preciso vivenciar este filme e já!

    ResponderExcluir
  5. Pô, Ronald. Relendo aqui o texto, você não conhece o Evan Lurie? Ele é o vilão brutamontes de rabo de cavelo. O cara tinha carteirinha profissional de bad guy nesses 'clássicos' de porradaria americanos.

    ResponderExcluir
  6. Pois é, meu caro... não conhecia. Estou anos-luz atrás de vocês!!!

    ResponderExcluir
  7. Tá nada... só fui ver um filme do Manoel de Oliveira sábado passado hehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …