Pular para o conteúdo principal

Mais dois Steven Seagal

THE KEEPER (2009), de Keoni Waxman

Eu disse no post de DRIVEN TO KILL que 2009 foi um bom ano para o astro de ação Steven Seagal. THE KEEPER e A DANGEROUS MAN foram seus últimos trabalhos, dirigidos pelo mesmo sujeito, inferiores ao DRIVEN, mas bons o suficiente para agradar aos fãs mais ardorosos do ator, diferente de alguns filmes que ele estrelou na metade da última década e decepcionou bastante. THE KEEPER tem um roteiro mais sério, embora não se possa exigir tanto dos reponsáveis por esta função, trazendo Seagal como um habitual policial ético e de bom coração. O inicio é praticamente um mini filme dentro do enredo. Seagal e seu parceiro fazem uma batida para flagrar uns traficantes de drogas e trocam tiros com os meliantes. Só sobram os dois tiras e muita grana em cima da mesa. Seagal é traído pelo parceiro, leva um tiro e entra em coma. Agora, o parceiro traidor precisa se livrar da estupidez que fez eliminando a vítima que não matou direito, mas não vamos esquecer que Segal é DIFÍCIL DE MATAR! Isso tudo em dez minutos de projeção. O roteiro logo esquece o episódio e o protagonista se muda para uma cidade do Texas para ajudar um amigo ricaço como chefe de segurança de sua mansão e guada-costa pessoal de sua filha. Essa situação acaba gerando alguns momentos interessantes com o desenrolar da relação entre os dois. Seagal entra num personagem que exige, no mínimo, umas três expressões faciais a mais que sua atuação tradicional. Nem sempre consegue, mas é engraçado vê-lo se esforçando. As sequencias de ação são boas, com Seagal fazendo o que sabe de melhor, quebrando alguns braços e aplicando golpes de aikido. A edição e direção é que prejudicam um pouco quando resolvem fazer uma gracinha de vez em quando. Mas de uma forma geral, é um filme que diverte. Mais um acima da média para o padrão do ator.

A DANGEROUS MAN (2009), de Keoni Waxman

Já em A DANGEROUS MAN a ênfase é mais na ação. O roteiro é risível, tão bagunçado que parece rascunhos de outros projetos do ator que acabaram misturados. Na sequencia inicial Seagal salva sua esposa de um assalto quebrando os dentes do bandido, que foge e é assassinado misteriosamente. A culpa sobrecai em cima de Seagal, um ex agente das forças armadas treinado para matar. Acaba preso por seis anos e sua mulher o deixa. Ao sair da prisão, é um sujeito fodido pela vida e por estar no lugar e na hora errada, entra de gaiato numa trama que envolve imigração ilegal, policiais corruptos, máfia russa e chinesa, entre outras coisas. Os créditos iniciais remetem às aberturas dos filmes do Guy Ritchie, querendo dizer algo como “teremos muitos personagens bacanas e uma trama esperta”. Que nada! O roteiro é uma bobagem que precisa ser relevado para apreciar o restante. O legal é que a ação é quase initerrupta, muita porradaria comendo solta, tiroteios à valer e uma violência explícita e sanguinolenta que impressiona qualquer fã de cinema de exploração. Seagal está bem sádico na pele de um homem que ele mesmo define como morto. Não se satisfaz em apenas quebrar o braço dos vagabundos, tem que meter uma faca no pescoço, atira à sangue frio, e mata das maneiras mais inusitadas. O sujeito é um verdadeiro artista da morte! Um dos elementos que ajuda a salvar o filme é essa grande dosagem de uma violência trangressora inserida à ação. A DANGEROUS MAN é um bom filme para relaxar e assistir sem compromisso, apenas como passatempo. Os fãs do homem vão guardar com um carinho a mais… tem muita coisa pior saindo das grandes produtorar, prefiro uma bobagem como esta… a diversão é garantida!

Comentários

  1. Eu li por aí que A DANGEROUS MAN é o filme mais violento do Seagal desde OUT FOR JUSTICE! Pelo visto, é verdade.

    ResponderExcluir
  2. Achei onde eu li... hehe

    http://bmovienews.net/reviews/d/a-dangerous-man/r.html

    "This film is surprisingly violent. Seagal fans haven’t seen anything this graphic since Out for Justice (1991)."

    ResponderExcluir
  3. Pelo sim pelo não vou conferir.

    ResponderExcluir
  4. e isso que o Seagal é budista

    ResponderExcluir
  5. Oi, Perrone. Legal? Acho que da turma clássica de brutamontes-cara-de-plásticos que povoou o cine de ação dos anos 80/90 Steven Seagal é o mais fraquinho, né? Seja como for, marcou história e não se pode negar isso. Mas quando se referem a ele, ou vejo o reclame de algum filme dele a passar na TV, me lembro somente que minha sogra é a maior fã dele que eu conheço, hahaha, imagina só!! Ah, conforme o eternamente prometido, acabo de estrear um blog. Ainda tá meio tosco e engatinhando; mas, com o tempo, ponho ele em ordem e melhoro o texto. Um abraço...

    ResponderExcluir
  6. Ei Demofilo, tudo certo. E contigo? Fico feliz pelo seu blog. Depois vou anunciar aqui.

    Quanto ao Seagal, o sujeito realmente passou por uma fase negra na década passada. Nos anos 90, o nível dos seus filmes caiu bastante também, embora tenham alguns divertidos, mas os primeiros 4 filmes compensam todas as porcarias que ele fez no futuro. São excelentes exemplares do cinema de ação de alta qualidade. Recomendo fortemente, meu caro.

    abraço!

    ResponderExcluir
  7. "e isso que o Seagal é budista"

    Carne e vinho não machucam, quando se tem Buda no coração. ;)

    ResponderExcluir
  8. Cara, sinceramente, vou pesquisar sobre esses tais "4 primeiros filmes" do homem e ver se alugo alguns. Aliás, voce sabe se tem no mercado de DVD e se são fáceis de achar?

    ResponderExcluir
  9. Sim, sim. Todos saíram em DVD por aqui e são bem fáceis de achar. São eles: "Nico - Acima da Lei", "Difícil de Matar", "Marcado para a Morte" e o melhor de todos, "Fúria Mortal".

    Três deles eu já escrevi aqui no blog. Só o "Marcado" que não... mas farei em breve.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …