Pular para o conteúdo principal

Albert Pyun - Site Oficial e algumas palavras

Desabafo do Pyun em um fórum de discussões postado em seu blog há uns dias:

"Here's my answer about being hated by critics and moviegoers in general.

First, I must say that since I was 8 or 9, I always dreamed of making movies. Not be a director, or get paid a lot of money or achieve any level of recognition and fame. I just loved making movies and exploring interesting ideas in those films. In that way, i guess I'm more like a painter or sculpture or even musician. I just do it for the love of it.

Because my Father was in the military, I spent my early years traveling around the world and during that time i saw mostly foreign films without the benefit of sub-titles or dubbing (thank god). so I learned to appreciate movie storytelling from an almost purely visual and sound design way.

I learned that stories could be told via composition, color, textures and light. And I really came to enjoy that form of storytelling. Where plot and character are revealed over time and I especially loved how movies back in the 60's like 2001: A Space Oydssey and the Bergman type films left everything open to a viewers own interpetition of story and character.

I loved how Godard, Belson and others really experimented with form and content. That was an exciting time for me in the cinemas. Every film seem to be so mind blowingly original. The Leone westerns were such a thrilling departure from the westerns coming out of Hollywood. I love that the dialogue was slightly out of sync, that the acting was so stylized.

In the early 70's I loved movies like Zabriske Point, El Topo, The Devils by Ken Russell.

So those films inspired me and shaped my filmmaking point of view."


Pyun nos sets de NEMESIS.

Seu site oficial já está no ar. E em breve, surpresas exclusivas!

Comentários

  1. Ótimas as palavras do Pyun, um diretor que preciso conhecer melhor.
    Gostei principalmente deste trecho:

    "I spent my early years traveling around the world and during that time i saw mostly foreign films without the benefit of sub-titles or dubbing (thank god). so I learned to appreciate movie storytelling from an almost purely visual and sound design way."

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Sergio, na minha opinião o Pyun é um diretor incompreendido. Com certeza possui vários filmes ruins no currículo e nem sempre consegue executar de maneira agradável suas idéias, ele bota a culpa no pouco orçamento que teve ao longo da carreira, algo quem em alguns casos ele dribla muito bem, em outros é incompetencia dele mesmo. Mas a paixão pela qual ele exprime pelo cinema e pelo visual em seus filmes fizeram crescer uma grande admiração da minha parte... principalmente porque ele é um transgressor de idéias, ousado, criativo e experimenta dentro do cinema fantástico e de ação, o que me enfatiza a minha atração. Ele tem uma visão única na forma de fazer cinema que eu nunca vi em outro diretor. Não estou dizendo que seja um gênio ou melhor que alguém. Reconheço que ele possui um talento torto, mas bastante singular. Talvez seus trabalhos não sejam grandes obras de um modo geral, mas com certeza você encontra vários momentos e idéias brilhantes escondido em cada filme.

    Isso sem contar que é um sujeito super atencioso com seus fãs... :)

    ResponderExcluir
  3. Belas palavras, Ronald. Concordo muito, apesar de discordar em partes. O sujeito tem sim filmes indefensáveis, sem nenhum momento brilhante, mas respeito Pyun pelas razões que você mencionou principalmente a paixão pelo cinema e experimentar dentro dos gêneros fantásticos e de ação. Ele poderia ter assinado vários filmes que foram tomados dele na pós-produção com pseudônimo, mas ele deixou o nome dele mesmo assim. Vejo absurdo em compará-lo com Uwe Boll. Verdade seja dita: Pyun é bem mais talentoso.

    ResponderExcluir
  4. Ronnie, o ASIAN FURY voltou das cinzas! Dê uma passadinha lá quando tiver um tempinho sobrando, OK? Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Pyun fez filmes divertidos, sobre isso não restam dúvidas. Mas talvez seja o melhor exemplo de um diretor que não se adaptou bem às novas formas de cinema barato que se faz hoje. Não só ele, como muitos de sua geração. O que antes tinha cara de cinema, hoje mais me parece videos caseiros. E nisso também há uma certa preguiça e acomodação do realizador.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …