Pular para o conteúdo principal

Notas de um carnaval cinematográfico - Parte Final: DAYBREAKERS (2009), de Michael Spierig e Peter Spierig

Para finalizar as aventuras cinematográficas do Carnaval (já devem estar enchando o saco), assisti a esta recente produção sobre vampiros, cuja idéia central até que é muito interessante (confesso que fiquei empolgado quando vi o trailer), mas o filme sofre um pouco na execução. Cai em quase todas as armadilhas e clichês que tornam a grande maioria das super produções em filmes medíocres pretensiosos que servem, na verdade, apenas para encher o bolso dos executivos. Está longe de ser uma total decepção, mas poderia ter ido muito além.

No futuro, a raça humana está quase extinta. 90% da população é composta por vampiros que vive normalmente como nós nos dias de hoje, com a peculiaridade de que passam um perrengue e lutam desesperadamente para obter uma nova fonte de alimento, algo que substitua o sangue humano, já que este prato específico encontra-se extremamento escasso no cardápio da população. Para piorar a situação, uma nova raça mutante começa a surgir devido a falta de alimento.

DAYBREAKERS foi escrito e dirigido pelos irmãos Spierig. Não assisti ainda ao filme anterior deles, UNDEAD, mas o trabalho de câmera por aqui é bem típico dos filmes hollywoodianos atuais, sem grande inspiração, filmado no piloto automático. Ao menos há um visual interessante que remete aos filmes noir em determinados momentos; boa dose violência explícita e muito sangue, mas nada que não tenhamos visto antes. A falta de foco é um dos principais problemas. O roteiro não preza pela objetividade e divide sua atenção em tantos pontos que o ritmo sai bastante prejudicado. O pior é que fica claro como tudo poderia ser melhor aproveitado, mas o que eu posso fazer? Ainda existem várias cenas marcadas por situações que subestimam a inteligência do espectador. E o grande público nem liga mais de ser chamado de burro…

O elenco tem uns sujeitos legais. Ethan Hawke está bem como protagonista, mas é lógico que a “cena” é roubada pelo grande Willem Dafoe em mais um personagem cool (e que poderia ter sido bem mais utilizado também). Outro destaque é Sam Neill no papel de vilão, que é onde eu realmente acho que ele se sai melhor. A mitologia dos Vampiros é respeitada e até bem inserida nas cenas de ação, principalmente na sequência da perseguição de carro, com os buracos dos tiros abrindo espaço para os raios de sol, atrapalhando o vampiro de Hawke a dirigir.

No fim das contas, é mais um filme sem sal que ficou só na vontade de ser algo a mais. Talvez seja também só a minha opinião… recomendo pelo menos uma conferida pra tirarem as próprias conclusões.

Comentários

  1. Ontem assisti "Um Drink no Inferno" do Robert Rodriguez e achei o máximo. É claro q Tarantino e Rodriguez brincam com os clichês do gênero. Vou assistir esse q vc mencionou e depois emito minha opinião. Confesso q fiquei instigado depois q li seu texto.
    Abço.

    ResponderExcluir
  2. Mas brincar com os clichês como o Tarantino faz (e muitos outros) é uma coisa, o problema é quando utilizam clichês por falta de criatividade, como é o caso aqui... mas quero ver as opiniões! :)

    ResponderExcluir
  3. O "Undead" que saiu no Brasil como "Canibais", também sofre de falta de objetividade e que acaba cansando depois de certa hora. Os novos diretores do gênero são eternos moleques, com carência de foco e idéias que se sustentem.

    ResponderExcluir
  4. Quando Undead saiu em dvd (faz um tempinho...), eu quase tomei uma surra da minhã irmã por causa dele. Ela dizia: "seu idiota, como você pôde gastar dinheiro alugando uma merda dessas!" Bom, só por isso já valeu a locação! Hehehe! Quanto a esse Daybreakers, que ainda não vi, a trama me parece uma continuação não autorizada do The Last Man on the Earth (digo o livro do matheson, não suas adaptações...). Abraços.

    ResponderExcluir
  5. O Caraça falou tudo. Undead é um filme muito chato e bobo. Recomendo ver em rmvb, pra ocupar pouco espaço, e com bastante tempo livre, pra que logo depois você assista a um filme que seja realmente bom.

    ResponderExcluir
  6. "Undead" é o "Evil Aliens" australiano. Pra mim, dois dos piores representantes do que é possível fazer com gênero e de como se infantilizaram as percepções dos realizadores. Concordo com o Leandro: falta foco e idéias.

    Eu não gosto dessas cores puxadas que vi nos trailers e clipes de "Daybreakers". Apesar de o elenco e o conceito serem geniais, eu tenho que lembrar que é dirigido por um dos filmes mais "inspiradores" (no sentido de que se esse tipo de porcaria é feito...) de todos os tempos.

    Recomendo "O Mistério de Grace" (Grace) que foi lançado em DVD este mês. Se não fosse ter uma resolução fraca, apontaria como um dos grandes filmes de horror da década, com a coragem de ser realmente ousado em muitas das decisões e por tentar suas próprias idéias, mesmo que as vezes caia no tosco.

    ResponderExcluir
  7. "dirigido pelos responsáveis por um dos filmes mais "inspiradores""

    ResponderExcluir
  8. Ronald você conhece um filme chamado The Boodocks Saints, direção Troy Duffy?
    Assisti ontem, achei hilario, recomendo.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Paulo. Lembro de ter ouvido falar desse na época do lançamento, mas acabei esquecendo que ele existe... hehe. Valeu a dica!

    ResponderExcluir
  10. >"Undead" é o "Evil Aliens" australiano.

    Ainda acho "Undead" assistível. "Evil Aliens" é pior. E depois o mesmo diretor conseguiu a façanha de descer a ladeira ainda mais com "Doghouse".

    ResponderExcluir
  11. >Se não fosse ter uma resolução fraca, apontaria como um dos grandes filmes de horror da década,

    Se não é da década, pelo menos foi um dos melhores do último ano.

    http://buchinsky.wordpress.com/2009/12/29/top-ten-horror-movies-of-2009

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …