Pular para o conteúdo principal

Notas de um carnaval cinematográfico - Parte 3: MANIAC (1980), de William Lustig

Outra belezinha vista no Carnaval foi o clássico oitentista MANIAC, que surpreende ainda hoje com sua grandeza aterradora. Um retrato profundo de um serial killer, interpretado de forma magnífica pelo ator Joe Spinel, que supre suas frustrações sexuais matando e escalpelando mulheres indefesas. A origem desse surto violento aparece com a ausência materna do protagonista, remetendo ao clássico de Alfred Hitchcock, PSICOSE. O "Norman Bates" de Spinel tenta reencontrar a figura da mãe utilizando os escalpos de suas vítimas em manequins que enfeitam seu quarto e carregam uma estética muito perturbadora. A direção de William Lustig é séria e imprime um realismo assustador. Existem vários momentos inspirados que sintetizam o estado mental do serial killer, como no belíssimo plano onde o sangue preenche a tela de vermelho e vemos ao fundo a imagem da insanidade estampada na cara do assassino escalpelando mais uma vítima. MANIAC ainda conta com efeitos especiais de maquiagem do genial Tom Savini, que faz uma ponta numa das cenas mais violentas do filme. Mas a sequência do metrô é a mais notória, uma verdadeira aula de construção atmosférica e suspense sublinhada pela trilha sonora típica dos sintetizadores da época. Um verdadeiro clássico do horror que deve ter influenciado várias obras posteriores, como HENRY - PORTRAIT OF A SERIAL KILLER e SCHRAM, filmes que marcaram por realmente entrar na mente de seus protgonistas, assassinos em série. Banido em diversos países pela violência gráfica e pelo tom misógino que provocou os moralistas de plantão na época, MANIAC merecia agora uma edição caprichada em DVD aqui no Brasil. Uma pérola dessas não pode se perder no tempo…

Comentários

  1. Tenho uma grande vontade de ver este. Pegarei em breve.

    ResponderExcluir
  2. caramba, do caralho, não vi ainda mas fiquei com água na boca!!!

    ResponderExcluir
  3. Grande filme, sem sombra de dúvida!! E a Caroline Munro, para variar, está uma graça aqui...

    ResponderExcluir
  4. Tenho esse em VHS, gosto bastante. A cena do tiro de escopeta na cabeça é ótima. Quem fez a enfermeira foi uma atriz pornô famosa nos anos 70/80, a Sharon Mitchell.

    ResponderExcluir
  5. Toda vez que o CINE SINISTRO da Band repetia, eu assistia outra vez. Um dos melhores do Lustig, vi pouco do sujeito... mas pra mim está ao lado de MANIAC COP, o seu filme mais famoso.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …