Pular para o conteúdo principal

A ILHA DOS HOMENS PEIXES (L'isola degli uomini pesce, 1979), de Sergio Martino

Já faz um tempinho que vi este aqui. E embora o italiano Sergio Martino tenha uma reputação reconhecida pelos seus elegantes gialli, até que era um diretor bem diversificado e transitou por quase todos os gêneros do cinema popular italiano. A ILHA DOS HOMENS PEIXES, realizado ao final da década de 70, é um belo exemplar dessa sua diversificação, uma mistura de ficção científica, terror e seriados de aventura dos anos 30, com um tom de Ilha do Dr. Moreau, e para quem é fã deste tipo de material, a diversão é garantida.

O filme transcorre no fim do século XIX, quando, a caminho de uma prisão localizada numa ilha, um navio que transportava os presos acabou afundando, deixando apenas sete sobreviventes, entre os quais seis são prisioneiros e o outro é o médico da embarcação, Claude de Ross, vivido por Claudio Cassinelli. Numa certa noite, depois de algum tempo à deriva, o bote salva-vidas se choca contra umas rochas e os sobreviventes são naturalmente levados a uma ilha que estava no meio do caminho.

A partir daí, um a um, os presos vão sendo abatidos por estranhas criaturas, sobrevivendo apenas o dr. Ross e mais dois prisioneiros, que prosseguem explorando a ilha e descobrindo seus mistérios, o que inclui uma vasta combinação de elementos estranhos num mesmo filme e que torna tudo mais interessante, como um vulcão prestes a entrar em erupção, experiências diabólicas com seres humanos, vodu e até mesmo o tesouro perdido de Atlântida!

O ator britânico Richard Johnson é quem encarna o vilão Rackham, dono de uma mente maquiavélica. É um grande personagem, sádico, sarcástico... não chega a ser tão marcante, mas funciona. Já Cassinelli é o típico herói dos filmes daquele período, agrada vê-lo como homem de ação. Mas o grande frescor para os olhos é a presença de Barbara Bach, com uma boa atuação e uma beleza impecável, embora possa decepcionar o público masculino que espera algo do nível da Ursula Andress em MOUNTAIN OF THE CANNIBAL GOD, também do diretor Sergio Martino, onde exibe seus doces encantos...

A direção de Martino é simplesmente funcional, sem nenhum tipo de experimentação ou frescura, apenas para contribuir para o sucesso do material, embora alguns momentos sejam arrastados, principalmente na primeira metade, dando um contraste com o final que é bem agitado. De qualquer maneira, o resultado é divertido. E o mais legal é o visual das criaturas, os homens peixes do título, e toda a mitologia criada para justificar a sua existência.

Mas ainda assim, para o “público normal”, provavelmente tudo no filme soará um tanto “trash” (seja lá o que isso significa para este público), mas deve ser bem melhor que a continuação que o próprio Sergio Martino filmou em 1995 e que eu ainda não vi. Alguém aí sabe me dizer se LA REGINA DEGLI UOMINI PESCE presta?

Comentários

  1. O original é ótimo, uma daquelas aventuras de ficção científica classe B dignas desse nome. Já a continuação é uma bosta, que o Martino montou a partir de retalhos das cenas do original e de outros filmes seus, como "After the Fall of NY".

    Uma curiosidade é que a versão norte-americana de "A Ilha..." tem cenas a mais filmadas a mando do produtor Roger Corman, envolvendo o ataque dos homens-peixe a um navio de piratas.

    ResponderExcluir
  2. Pelo que descreves, essa sequela mete medo só de pensar. Fico ainda assim com curiosidade em ver o original.

    ResponderExcluir
  3. Bom, saber, Felipe... vou ver se locaizo essa versão em algum lugar.

    ResponderExcluir
  4. Leandro Caraça15/10/2009 20:17

    Agora quero um review do filme do John Frankenheimer.

    ResponderExcluir
  5. hei, por favor!

    pode comentar sobre o filme O Homem Cobra...........passou no SBT faz muito tempo............eu não assistí...

    valeu!!!

    ResponderExcluir
  6. Filme de cabeceira, tenho até o dvd europeu guardado à sete chaves! :P

    ResponderExcluir
  7. Depois de ler este texto fiquei com tanta curiosidade que procurei o filme. Manifesto por isso agora o meu agrado depois de ter acabado de assistir à coisa!
    Acho que agora vou ter que procurar mais filmes do Sergio Martino nesta área do cinema fantástico, uma vez que só-lhe conhecia os trabalhos que fez enquanto argumentista e realizador de western-spaghettis (Mannaja, etc.).

    ResponderExcluir
  8. (...)o italiano Sergio Martino tenha uma reputação reconhecida pelos seus elegantes gialli(...)
    E outra reputação pelas fantásticas merdas que ele também fez, como "Crocodilo, a Fera Assassina" e "After the Fall of New York", entre outras. Quando o cara queria, era o rei da picaretagem!

    ResponderExcluir
  9. Whhooo. Já os risquei da lista!

    ResponderExcluir
  10. O After the Fall of New York eu tenho aqui também... qualquer hora dessas eu falo sobre eles

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …