Pular para o conteúdo principal

12 HOMENS E UMA SENTENÇA (12 Angry Men, 1997, TV), de William Friedkin

Ontem à noite assisti, pela primeira vez, a versão do William Friedkin de 12 HOMENS E UMA SENTENÇA. Sempre tive preconceito com essa refilmagem por achar desnecessária, pela consideração que eu tenho pelo original do Lumet, mesmo sendo realizada por um dos meus diretores americanos favoritos. Mas sentei no sofá, liguei a TV apenas para dar uma rápida zapeada e estava começando no TC Action. Simplesmente não consegui levantar do lugar até a subida dos créditos.

É um belíssimo trabalho! A estória permanece exatamente a mesma, mas todos os três elementos fundamentais que funcionaram na primeira versão estão em perfeita harmonia aqui. O puta texto, adaptado por Reginald Rose, que também é o autor do roteiro original de 57, desta vez muito mais ácido, com discursos mais explícitos; o elenco sensacional com Jack Lemmon vivendo o papel que pertencia a Henry Fonda, e um excepcional George C. Scott encarnando o mesmo personagem de Lee J. Cobb do original. Fora o restante da trupe, Armin Mueller-Stahl, James Gandolfini, Edward James Olmos, William Petersen, Tony Danza, e outros, todos excelentes; e, por último, a mise en scène de Friedkin, que se não é melhor que a de Sidney Lumet, pelo menos fica pau a pau.

Até as modificações sugeridas por Friedkin (bem sutis, na verdade, apenas alguns detalhes) possuem grande força dramática, como a "converção" de Scott no final, consegue ser mais emocionante que a de Cobb.

Mesmo careca de saber tudo o que acontece, é sempre um prazer rever 12 HOMENS E UMA SENTENÇA, seja no original ou agora nesta versão produzida para a TV.

Comentários

  1. Eu vi primeiro essa versão pra depois "descobrir" a versão original.

    Gostei de ambas.

    ResponderExcluir
  2. Ó George C. Scott é foda demais, nesse e em muitos outros filmes.

    ResponderExcluir
  3. Bah, discordando de novo aqui, hehe. Acho muito ruim o 12 Homens do Friedkin. Nem perde pela comparaçao, mas como filme isolado mesmo.

    De todo modo se for pra comparar, putz, o do Lumet tem tantos momentos geniais... Como quando o J. Cobb mostra a foto e fala do filho, pela primeira vez, pro Fonda. Ele termina de falar e a camera, que ate aquele momento so havia circulado livre pelo ambiente, deixa os outros 11 homens de lado e acompanha de perto o Cobb que vem pra um canto da sala, em silencio e olhando pra foto. E o final do Cobb, putz, aquilo é devastador. "rotten kid you work your life out!", primeiro rasgando a foto, depois abraçando a si mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Eu também vi primeiro o remake para poder ver o original.
    Muito bom mesmo, mas faz muito tempo que assisti. Gostaria de rever. Eu vi na faculdade.

    ResponderExcluir
  5. Sem contar que tem uma versão russa do filme, que foi indicada ao oscar de melhor filme estrangeiro. 12, o nome do filme hehe

    ResponderExcluir
  6. Uma das belezuras que me sacudiram quando moleque e dizer a mim mesmo "Meu Deus, cinema pode ser isso."

    Pouco antes, aconteceu a mesmíssima coisa com TRÊS HOMENS EM CONFLITO e DRÁCULA - O PRÍNCIPE DAS TREVAS. Eu tava entre 10 e 11 anos quando vi esses filmes.

    Só fui ver o original ano passado!

    ResponderExcluir
  7. (sobre os tops de década)
    Porque voces 3 não fazem logo um top 100?
    E essa década tá acabando,não vai ter top pra ela não?

    Abs

    ResponderExcluir
  8. Eu acho mais difícil fazer um top 100 do que fazer por década... mas talvez eu faça.

    Sobre esta década, no final do ano eu farei a minha lista, com certeza.

    ResponderExcluir
  9. Pois eu faço um top 100 POR décadas, tranqüilo.

    E ainda fica sobrando!

    ResponderExcluir
  10. O engraçado desse remake é q ele tem um elenco impressionante, até melhor que o original (Em termos de quantidade, pelo o menos. O original "só" tinha Henry Fonda, Cobb e Warden))

    ResponderExcluir
  11. concordo, mas o original tinha mais que esses três de famoso: E.G. Marshall, Martin Balsam e Ed Begley... =)

    ResponderExcluir
  12. Caraca, nem sabia da existência desse daí... Agora fiquei curioso...

    ResponderExcluir
  13. Eu assisti recentemente o 12 homens e uma sentença original e eu achei o filme Fantástico. Fiquei também curioso com essa versão que parece ser, no mínimo, interessante.

    ResponderExcluir
  14. O E.G. Marshal! É memso, eu tinha esquecido.

    Ronald, curiosamente depois del er aqui, acabei pegando o filme no meio, tb pelo Telecine. não é q vc tem toda razão? Eu não consegui parar mais de ver! Não sei se é pq eu sou fissurado pelo original, pelo texto incrível que o filme tem, ou se foi tb pela constelação de grandes estrelas refazendo essa obra-prima, mas fiquei até o fim e o trabalho do Friedkin é sim, no mínimo primoroso por manter a qualidade da obra-prima máxima original e ainda dar um update. E bem acertado a decisão dele de não repetir a fotografia em PeB soberba do original. Pq aí sim, ficaria a impressão de uma imitação sem sentido.

    Uma pena q não tive a sorte de pegar desde o ocmeço que nem vc.

    ResponderExcluir
  15. Pois é, cara, esse filme tem uma atração poderosa! Acho que é o conjunto de tudo isso aí, os atores fodas, o puta texto, a direção do Friedkin/Lumet... não importa qual versão.

    ResponderExcluir
  16. Galera, quero muito encontrar esse filme dublado, vc´s tem algum link ou o arquivo do filme? agradeço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …