Pular para o conteúdo principal

THE MACHINE GIRL (Kataude Mashin Gâru, 2008), de Noboru Iguchi

Aquele típico filme que aparece de tempo em tempo pra reafirmar o grau de insanidade dos japoneses. Completamente vazio e sem sentido, THE MACHINE GIRL é uma parábola oca sobre vingança que resulta não mais que um simples espetáculo visual de violência explícita, gráfica até o talo, com direito a litros de sangue, membros decepados e cenas de luta e ação exageradas que lembram uma mistura de anime com uma versão gore dos Changemans, ou algo assim.

A trama é sobre uma garota que vive sozinha com seu irmão. Seus pais cometeram suicídio, mas ela possui uma vidinha pacata, vai a escola, pratica esporte, etc. O problema é que seu irmão se envolve com o filho de um Yakuza e acaba assassinado. A garota então parte pra vingança e nem mesmo depois de perder um braço, desiste de vingar a morte de seu irmão. A solução é colocar uma metralhadora no lugar do braço, só para vocês terem uma noção do negócio...

Referencias à outros filmes e diretores é que não falta em THE MACHINE GIRL. A já citada metralhadora no braço é bem ao estilo de PLANETA TERROR, e ainda há uma cena com uma serra elétrica na perna, algo como UMA NOITE ALUCINANTE III (só trocam os membros em ambos os casos, mas é mais uma viagem minha mesmo, foram filmes que me lembrei na hora). Há uma cena onde a mocinha enfia uma faca em cima da cabeça de uma vítima e vara na boca da mesmíssima maneira que Lucio Fulci fez em A CASA DO CEMITÉRIO e outra onde vários pregos são enfiados no rosto de um sujeito, assim como em ICHI - THE KILLER, do Takashi Miike.

Achei a direção meio porca, digamos assim, e a edição de algumas seqüências de ação não contribui em nada para o ritmo. O que ganha o espectador são os exageros e a criatividade, a vontade de fazer um filme diferente no geral, nem que tenha de chupar outros filmes aqui e ali, além de colocar toneladas de gore gratuito para que os fãs deste tipo de material saiam satisfeitos. Outro detalhe interessante e original é a versão infantilizada de situações de máfia em alguns momentos. Enfim, apesar dos pezares, THE MACHINE GIRL garante a diversão de quem se propõe a encarar o filme da forma correta, sem levar muito a sério a brincadeira.

Comentários

  1. The Machine Girl em nenhum momento assume seriedade,não. Ele quer ser um filme doente e insano e isso é ótimo. Divertido pra caramba ... e tem altas cenas que morri de rir como a da metralhadora desfarelando a cabeça do cara ... niceeeeeeeeeee eheheheh ...

    Xureau!
    hahaha
    abraços!

    ResponderExcluir
  2. Caramba, nunca tinha ouvido falar desse filme...

    ResponderExcluir
  3. "Completamente vazio e sem sentido, THE MACHINE GIRL é uma parábola oca sobre vingança que resulta não mais que um simples espetáculo visual de violência explícita, gráfica até o talo, com direito a litros de sangue, membros decepados e cenas de luta e ação exageradas que lembram uma mistura de anime com uma versão gore dos Changemans, ou algo assim."

    Perfeito!! E foi por tudo isso mesmo que o achei divertidíssimo hehe. Vai atrás de VERSUS agora. ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …