Pular para o conteúdo principal

HALLOWEEN II - O PESADELO CONTINUA (Halloween II, 1981), de Rick Rosenthal

Primeiro, uma confissão: da série HALLOWEEN original (e não essa bobagem do Rob Zombie, cujo segundo não me dei nem o trabalho de assistir ainda) os únicos filmes que realmente vi foram os dois primeiros. O do John Carpenter é uma belezura, puta aula de suspense, trabalho atmosférico sensacional, além da utilização magistral de vários elementos que serviram de base para toda uma cadeia de filmes de terror que brotou nos anos 80. Estou sempre revendo. Aliás, toda a obra do velho Carpinteiro deveria ser vista e revista incontáveis vezes...

A continuação de HALLOWEEN, até onde me lembro, foi um dos primeiros filmes de terror que assisti, antes até do que o original. Mas para um pirralho medroso isso não fez diferença alguma, borrei de medo de qualquer forma. Hoje, revendo depois de tanto tempo, continuo achando um bom filme, inferior ao primeiro, mas não deixa de possuir sua força dentro do gênero.

Escrito pelo próprio John Carpenter em parceria com a sua colaboradora, Debra Hill, HALLOWEEN II continua no mesmo ponto onde o primeiro filme termina. Laurie Strode (Jamie Lee Curtis), depois de quase comer capim pela raiz nas mãos do louco varrido Michael Myers, vai parar num hospital praticamente deserto sobre o qual o filme transcorre como seu cenário principal. Enquanto isso, o Dr. Loomis (Donald Pleasence), que descarregou seu 38 em Myers, procura o corpo do sujeito, o qual simplesmente levantou, fugiu e desapareceu. O roteiro ainda aproveita para criar um laço familiar entre Myers e Laurie para botar mais lenha na fogueira.

Logo no início, seguimos os passos de Myers espreitando entre aquelas casinhas americanas sem muros. Essas sequências já apresentam o tom do filme, cheio de câmeras subjetivas e uma lentidão quase poética que faz todo sentido em relação ao seu assassino. Michael Myers é daqueles que nunca correm atrás de suas vítimas, deixando o espectador com os nervos à flor da pele com suas perseguições perturbadoras. Enquanto a criatura desesperada sai quebrando tudo pela frente numa correria desenfreada, Myers segue dando seus passinhos calmamente e, exceto os "mocinhos", sempre alcança o alvo onde menos se espera.

Uma das melhores cenas de HALLOWEEN II se caracteriza justamente pela situação acima (tirando o desfecho, claro), quando Laurie corre freneticamente pra não ter a carcaça perfurada e tem de esperar o elevador abrir a porta enquanto Myers vem tranquilo em sua direção. Se ele tivesse apertado os passos um pouquinho, teria cortado mais uma garganta para a sua coleção, mas não seria também uma cena magnífica de puro suspense que simboliza a essência de um dos grandes elementos do slasher movie.

Acho que elogiar a direção de Rick Rosenthal é um tanto equivocada. Não sou o mais indicado a falar sobre o assunto, mas li em alguns lugares que após várias discussões e muitas diferenças de opiniões, Carpenter meteu um pé na bunda de seu diretor e assumiu o posto. Não seria surpresa se ele tivesse dirigido a cena do elevador, mas realmente HALLOWEEN II tem muito de John Carpenter. Se foi mesmo o Rosenthal que dirigiu a maioria das cenas, meus sinceros elogios a ele. Fez um ótimo trabalho!

Só sei que em 2002, Rosenthal dirigiu HALLOWEEN: RESURRECTION, cuja cara não é nada promissora...

Jamie Lee Curtis retorna ao papel que praticamente a lançou no cinema, mas fica meio apagada, até porque sua personagem é uma moribunda na cama do hospital em grande parte do filme. Quem se destaca mesmo é o sempre genial Donald Pleasence em performance inspirada e muito participativo.

Em tempos de HALLOWEEN’s de Rob Zombie, SEXTA FEIRA 13, de Marcus Nispel, e outras tralhas pretenciosas que aparecem nos cinemas atualmente, fico com qualquer slasher menor dos anos 80. Agora que revi esta segunda parte da série iniciada pelo Carpenter, vou procurar assistir logo as partes seguintes que ainda não tive o prazer (ou desprazer) de conferir.

Comentários

  1. Nem queira ver o tal Ressurection, e tão sem vergonha que dá nojo...Na verdade a Jamie Lee Curtis não passa na cama o filme inteiro...É pior ainda: ela aparece na cama somente no primeiro ato do filme, depois não aparece mais...
    De Haloween sou pouco entendido, só tenho o primeiro na minha coleção. E do restante só vi o Ressurection (que foi podre).

    ResponderExcluir
  2. Quero felicitar o amigo Ronald Perrone pelo excelente blog. Gosto bastante deste tipo de filmes de orçamentos baixos (terror, kung-fu, acção, etc.) e sei que o amigo Perrone segue sempre o blog "por um punhado de euros", do qual faço parte! Parabéns e um abraço!

    ResponderExcluir
  3. JOÃO DO CAMINHÃO: Como suspeitei, esse Resurrection deve ser mesmo uma coisa horrorosa... Mas assista aos antigos, pelo menos o segundo é bem legal. Ah, e dei uma fuçada no blog de vocês, muito bom!

    EMANUEL: Valeu pelas palavras. Estou sempre acompanhando o "por um punhado de euros", meu blog de spaghetti western favorito! :)

    ResponderExcluir
  4. Leandrus Felix29/04/2010 12:16

    Não vi esse Ressurrection, e a exceção do primeiro e da segunda e terceira partes, não vi os demais. Comenta-se que a parte 6, se não me equivoco, é a melhor, depois do primeiro. A terceira parte não tem relação alguma com Michael Myers (fala de druidas e sacrifícios infantis, em comum com Myers somente a máscara, elemento presente no terceiro). Mas é um bom filme, bastante climático e, se voce não relacioná-lo com a mitologia Haloween, terá uma boa diversão.

    ResponderExcluir
  5. Sim, eu estou por dentro que o terceiro é um peixe fora d'água, mas me parece ser bem divertido mesmo, enfim, é próximo da lista... vou tentar assistir o mais breve possível pra comentar aqui. Valeu pelo comentário!

    ResponderExcluir
  6. HALLOWEEN 2 fica ainda melhor quando comparado com essa bobagem medíocre que o Rob Zombie fez sob o mesmo título. É uma verdadeira aula de como fazer um slasher: simples, violento e MUITO climático, sem invencionices e bizarrias.

    Também vi esse filme ainda moleque, antes mesmo de ver o primeiro, e não tenho vergonha de dizer que fiquei completamente apavorado por dias a fio. Me assustava muito (até hoje, na verdade) o fato de Michael Myers ser representado como uma entidade maléfica que não morre e, pior, não pára nunca de perseguir suas vítimas - a cena em que ele atravessa a porta de vidro e persegue Jamie Lee Curtis até o elevador é um clássico da tensão cinematográfica, até hoje me dá arrepios.

    Sempre gostei mais da série Halloween do que de Sexta-feira 13 e A Hora do Pesadelo, e posso recomendar sem medo o Halloween 4, que é a melhor continuação depois do segundo. O resto é tudo mais do mesmo, até o celebrado H20. A parte 6 foi mutilada pelos produtores, mas já se enterrava originalmente por tentar explicar a imortalidade de Michael com uma absurda maldição druida.

    ResponderExcluir
  7. Concordo contigo, Felipe, a série Halloween vem me agradando mais também. Mesmo assim estou com vários filmes Sexta Feira 13 e A Hora do Pesadelo para relembrar...

    ResponderExcluir
  8. É um dos meus desfavoritos da série. Penso em fazer uma revisão de todos os "Halloween" e pular este.

    ResponderExcluir
  9. Sempre adorei esse (igualmente ao terceiro q é ainda melhor).

    A cena do carro atingindo o moleque usando uma máscara parecida com do Michael me deixa chocado até hoje.

    ResponderExcluir
  10. Ironicamente, o moleque atropelado e morto era o Ben Tramer, o garoto com quem a personagem da Jamie Lee Curtis queria sair no primeiro Halloween!!!

    ResponderExcluir
  11. Dificilmente superarão o mestre Carpenter nessa franquia. E quanto às versões novas do Rob Zombie? Um punhado de porcarias mal feitas que nem dá pra chamar de trash.

    Viva o Michael Meyers clássico!

    Cultura? O lugar é aqui:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Uma pergunta bem offtopic, só por curiosidade mesmo. Como é o nome do filme do seu banner com o cowboy com o rosto aberto?

    ResponderExcluir
  13. Aquele ali é o Yul Brynner no poster de WESTWORLD (1973), de Michael Crichton.

    ResponderExcluir
  14. Carpenter criou o Myers baseado no pistoleiro robô do Westworld.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …