Pular para o conteúdo principal

BLACK DYNAMITE (2009), de Scott Sanders / BLOOD AND BONE (2009), de Ben Ramsey

Dois filmes que me agradaram bastante este ano foram essas produções estreladas pelo Michael Jai White, ator que desde o início da década de 1990 busca seu espaço no mercado de filmes de ação, artes marciais e até adaptações de quadrinhos, mas sem grandes resultados. Foi ele quem encarnou Al Simmons, aka Spawn, criação do Todd McFarlane, o qual eu admiro bastante mais como desenhista, na adaptação para o cinema. Pena que o filme é ruim de doer. Dava pra render algo bem interessante com o personagem, embora não faça muito o meu gênero... Ainda nas adaptações, White teve uma pequena participação no último filme do Batman.

Enfim, White finalmente vem acertando em suas escolhas nos últimos anos. BLACK DYNAMITE é um achado que merece ao menos um comentariozinho aqui no blog. Assisti em janeiro deste ano e acabei deixando passar, mas como nesta semana me deparei com o BLOOD AND BONE, lançado logo depois de BD, resolvi consertar. O filme é uma brilhante homenagem/paródia dos blaxploitations setentistas. Fotografia, edição, direção, trilha sonora, personagens, tudo funciona nesta brincadeira que consiste em dar ao filme uma roupagem de outra época, mesmo que para isso seja necessário exagerar na maquinação dos elementos, forjar de maneira escrachada este universo tão pertencente a um estilo enraizado nos anos setenta.

Aparentemente, o resultado pode parecer mais uma zoação do que homenagem, aliás, é algo bem mais fácil de fazer e que já existem aos montes por aí. Mas, olhando mais de perto, percebe-se claramente que os realizadores de BLACK DYNAMITE sabem exatamente onde estão se metendo. Nas mãos de algum sujeitinho que pensa que é diretor, financiado por um grande estúdio, sem dúvida alguma teríamos mais uma comédia explorando futilidades superficiais, roupas e penteados da época, como se fossem muito engraçados. Já o trio de roteiristas, Byron Minns, Scott Sanders (que é o diretor) e o próprio Jai White, demonstram uma paixão fetichista pelo tema e um conhecimento notável pelo cinema blaxploitation.

Tarantino e Rodriguez bem que tentaram algo parecido no projeto Grindhouse, mas não chegam nem perto do resultado de BLACK DYNAMITE. Vejam bem que não estou discutindo a qualidade das obras. Adoro tanto PLANETA TERROR quanto DEATH PROOF, mas no quesito “resgate histórico” não passam de tentativas falhas. PLANETA TERROR é uma delícia, o problema é que se perde no meio de tantos efeitos especiais em CGI e resgata mais os filmes anos 80 do que a década anterior. Já DEATH PROOF é um típico filme de Tarantino, com aquele estilo bem anos 90 que ele ajudou a desenvolver no cinema americano, com bastante diálogos e diálogos e diálogos, por favor, que exploitation tem uma linguagem como esta? O único lampejo setentista são os últimos 30 segundos até surgir o THE END. Mas é bom pra cacete, adoro o personagem do Kurt Russel no filme!

No entanto, se querem assistir a um belo exemplar o qual realmente captou a essência de um subgênero exploitation dos anos 70, assistam BLACK DYNAMITE! Os realizadores pegaram o espírito da coisa com tudo no seu devido lugar. Se você for fã de blaxploitation então, este aqui é obrigatório. Michael Jai White está absolutamente perfeito no papel do policial casca grossa que faria Shaft tremer na base. O sujeito não tem expressão alguma no rosto e carrega o filme nas costas mesmo assim, fora que tem uma puta presença em cenas de ação, especialmente nas seqüências de luta! Fortemente recomendado.

E luta é o que não falta em BLOOD AND BONE, que assisti recentemente. Foi lançado direto em DVD, inclusive no Brasil, com o título LUTADOR DE RUA. Não possui a mesma qualidade criativa de BD, mas cumpre perfeitamente a promessa de ser um ótimo passatempo, além de colocar o White oficialmente como uma das mais promissoras figuras do cinema de ação de baixo orçamento, o que não é pouco para um sujeito que possui esse gosto duvidoso como eu.

BLOOD AND BONE é um filme de luta por excelência, à moda antiga e sem frescuras (estou cansando de usar essa expressão, ela aparece em 90% dos meus textos). Parece ter saído do início dos anos 90. Me lembrou o LEÃO BRANCO, com o Van Damme, a febre dos kickboxer movies e vários outros sobre lutas clandestinas. E que se dane se o roteiro elabora uma trama besta que serve apenas como desculpa para que Jai White caia na porrada com um bando de brutamontes, ou que as atuações são ruins pacas e as cenas de lutas exageradas.

Um bom sinal de que esse filme é capaz de proporcionar 90 minutos do mais puro cinema badass acontece logo na abertura. Bone (Michael Jay White) é apresentado no banheiro de uma prisão fazendo suas necessidades tranquilamente, mesmo sabendo que uma gangue de estupradores vem em sua direção com intenções que eu, particularmente, daria tudo para não estar na pele do infeliz. O líder da gangue é ninguém menos que Kimbo, um lutador profissional na vida real que dá medo só de olhar. Mas como não sou eu quem está lá para ser arrombado, Bone consegue se safar simplesmente nocauteando a gangue inteira com socos, voadoras e tchan, surge o título do filme explodindo na tela. Isso é bom pra cacete!

O resto da estória se passa fora da prisão, quando Bone volta à liberdade e tenta se restabelecer perante a sociedade, certo? Errado! Na primeira noite já procura uma luta clandestina para socar alguns sujeitos e ganhar uma boa grana. Aos poucos vamos descobrindo que tudo não passa de um plano de vingança bem elaborado, mas até que suas atitudes fiquem bem esclarecidas, teremos visto Jai White desferindo golpes em muito vagabundo.

Eamonn Walker é um ator do qual eu nunca tinha ouvido falar, mas seu personagem é inesquecível para quem curte um bom vilão. Ele vive uma espécie de cafetão para lutadores de brigas de ruas. Sádico até o talo, mata a sangue frio, solta pitbulls em velhos bisbilhoteiros, mantém sua mulher sob drogas para controlá-la e possui uma coleção interessante de espadas. Anda com ternos caros e um acessório muito cool, uma bengala falsa que esconde uma espada bem afiada. Pena que no confronto físico com Bone ele sairia em pedacinhos. Outro personagem interessante é o do esquecido Julian Sands, mas ele aparece bem pouco, o suficiente pra faturar um cheque e pagar as contas.

Já o herói do filme é um caso estranho. Ele age o filme inteiro de forma ética, praticando o bem (mesmo entrando em lutas clandestinas, já que a finalidade justifica a sua atitude), mas várias perguntas sobre seu passado ficam sem respostas... Apenas sabe-se que ele não era “flor que se cheira”, tanto que inicia o filme como prisioneiro (até o motivo exato da prisão não tomamos conhecimento). Ao final, ficamos sem saber direito quem ele era, apenas que lutou bastante, literalmente, com um objetivo nobre em vista. E logo depois, parte em rumo ao por do sol...

Simples, classudo, brutal e eficiente, recomendo com uma sessão dupla com o BLACK DYNAMITE. Aposto que vão virar fãs de Michael Jai White!

Comentários

  1. Black Dynamite é do caralho! Blood and Bone não vi ainda, mas o seu texto é o segundo que leio que elogia o filme (o primeiro foi o do Luiz Alexandre). Acho que vou gostar! O Kimbo Slice, que participa da primeira cena, é um sujeito que na vida real fazia lutas clandestinas, em fundos de quintal! Muito legal terem colocado ele no filme, se bobear ele foi consultor tambem pois de briga de rua ele entende, hehehe! Agora o título nacional Lutador de Rua foi foda, já é o quarto Lutador de Rua que conheço, os outros são com Charles Bronson, Jackie Chan e Hector Echavarria (conhece esse maluco? faz o Don The Dragon Wilson parecer um ator shakesperiano).

    ResponderExcluir
  2. Eu de novo. Acabei de assistir Blood and Bone e gostei muito, achei excelente!

    ResponderExcluir
  3. Não sabia dessas informações sobre o Kimbo, Herax. Muito legal! E que ótimo saber que você achou o filme excelente!

    ResponderExcluir
  4. Black dynamite é muito foda!Mesmo o filme caindo para a paródia no final.Ronald vc já assistiu comando vermelho com o Dolph?O filme é espécie de duro de matar dos pobres!

    ResponderExcluir
  5. Assisti sim, Vitor (nem sabia que tinha recebido esse nome no Brasil). Achei bom, mas esperava muito mais... escrevi sobre ele aqui: http://demmentia13.blogspot.com/2009/11/command-performance-2009-de-dolph.html

    ResponderExcluir
  6. O Black Dynamite é ótimo! Uma paródia/homenagem que demonstra conhecimento e carinho pelos blaxploitation. Agora o Blood and Bone, eu tenho aqui de bobeira e não vi até agora! Vou corrigir essa falha o quanto antes...

    ResponderExcluir
  7. Também adorei o Black Dynamite. Hilariante. Tudo muito bem feito. Do melhor que vi nos últimos meses.

    ResponderExcluir
  8. Cês são tudo uns coprófagos!

    ResponderExcluir
  9. É, de certa maneira é isso mesmo. Mas o que podemos fazer, não é? Cada um consome o que gosta, mesmo que seja merda...

    Ah, só que da próxima, ao menos crie coragem pra colocar o nome e não se esconder no anonimato. Assim a gente pode discutir também seus gostos, etc....

    Mas valeu pelo comentário e seja sempre bem vindo! ;)

    ResponderExcluir
  10. nesse caso, coprófago com muito orgulho

    ResponderExcluir
  11. hmm... Comentário do Anonymous Gourmet!

    ResponderExcluir
  12. Quanto ao ator Eammom Walker, ele atuou na série OZ como o lider muçulmano e fez tambem parte do elenco de Lágrimas do Sol com Bruce Willys entre outros como protagonista ou não. mas gosto das atuações dele.

    ResponderExcluir
  13. Pois é, não assisti a série Oz e nem este Lágrimas do Sol... mas o cara é bom!

    ResponderExcluir
  14. kra, faz tempo que não dou tantas gargalhadas num filme como black dynamite!
    " silencio, senão vão acordar as outras putas"

    " minha mae disse que meu pai se chama black dynamite!
    existem muito homens com esse nome!"

    hahahahah! sensacional!!!!!

    ResponderExcluir
  15. Ainda não tinha visto Blood an Bone. Muito bom filme de luta. Mas quero falar do "motherfucker superbad" Black Dynamite".
    Para quem gostou deste filme, eu recomendo uma visita ao universo "Blaxploitation". Muitos filmes originais do gênero podem ser encontrados na rede em otimas condições. Só procurar.
    O problema é quanto as legendas, pois quase todos os filmes foram censurados pelo governo militar e sequer foram exibidos no Brasil.
    Ainda assim, vale a pena conferir. Eu que sou fã da cultura da década de 70, já conhecia o "movimento". Achei genial a idéia de fazer um apanhado fiel e divertidíssimo daqueles
    filmes que tinham toda uma abordagem baseada na ótica "black" da situação, tudo ao som do melhor do Soul e funk produzidos na época
    Pra quem gosta... Prato cheio.
    Valeu Perrone.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …