26.5.10

A MARCA DA PANTERA (Cat People, 1982), de Paul Schrader

Como o papo sobre o Schrader está bom (ver os comentários do último post), vamos prosseguir com mais um filme do homem. Este eu vi já faz algum tempinho (aliás, é o único do Schrader que eu tinha visto até começar essa peregrinação) e acabei não revendo pra escrever esse pequeno comentário, então não sejam exigentes, por favor.

Mas é um filme muito bom, refilmagem do clássico de Jacques Tourneur e Schrader já totalmente a vontade na direção, imprimindo para o público de sua época esta estória fascinante com tons de delírios visuais e erotismo. É difícil esquecer suas imagens. CAT PEOPLE possui extrema beleza cinematográfica, atmosfera carregada de elementos de terror (até um pouco de gore) e um ar onírico que separa os níveis de fantasia e realidade da trama. Mas a essência de tudo é a belíssima Nastassja Kinski como protagonista. Incrível como ela se encaixou ao papel de forma tão instintiva. E ainda há a marcante presença de Malcom McDowell. Obrigatório!

16 comentários:

  1. Cristian Verardi26/05/10 18:09

    Sem esquecer a bela trilha composta pro Giorgio Moroder e a fantástica "Cat People" de David Bowie, recentemente resgatada pro Tarantino em "Bastardos Inglórios".

    ResponderExcluir
  2. Com certeza, Verardi, acabei esquecendo desse detalhe essêncial. O que a falta de uma revisão não faz...

    ResponderExcluir
  3. "Marca da Pantera" é muito bom mesmo, mas não o melhor dele.

    Como parece que você está falando dos filmes na ordem cronológica, espere até o oitavo para o impacto máximo.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Isso mesmo, Sérgio, ordem cronológica. E esse oitavo dele é um dos que estou mais ansioso, principalmente pela presença do Christopher Walken.

    ResponderExcluir
  5. Eis aí um filme que quero rever faz tempo, até porque só vi quando era criança, então não conta muito. Mais um para minha lista de downloads futuros.

    ResponderExcluir
  6. Não dá para ser mais off topic que isso:

    http://www.youtube.com/watch?v=s-LNDU1Aqu0&feature=related

    Tá, ele fez o Remake de "Nosfetaru" e o reboot de "Vicio Frenético", para ter um link mínimo.

    ResponderExcluir
  7. Ronald outro filme que merece uma resenha dentre os melhores filmes do Paul é o Witch Hunt (Ilusões Satânicas).
    Ótimo filme com uma trilha fodástica e com um puta roteiro!!
    Recomendado!!

    ResponderExcluir
  8. Estranha Passagem em Veneza é dos melhores, e é pouco falado.

    ResponderExcluir
  9. ah, agora que me toquei que o oitavo em questão é Estranha Passagem em Veneza, que por sinal é The Confort of Strangers. Mas a consulta ao imdb me fez lembrar do sétimo, Patty Hearst, que é bem legal, e de Mishima, que vi há muito tempo, mas que me impressionou muito (vi em VHS).

    ResponderExcluir
  10. Mishima é o próximo. Ainda não vi, mas parece, no mínimo, interessante.

    ResponderExcluir
  11. Tony, chegaremos em Witch Hunt em breve!

    ResponderExcluir
  12. Bem melhor q o original, na boa.

    ResponderExcluir
  13. Discordo que seja melhor que o original. Os dois para mim são filmes superestimados, porém bons, entre a filmografia de seus respectivos autores. Os dois diretores fizeram coisas infinitamente melhores.

    ResponderExcluir
  14. Eu vi o original do Tourneur (essa refilmagem ainda não conferi). Eu tenho uma certa resistência ao cinema do Schrader. Você postou até anteriormente sobre o Gigolô Americano. Eu nunca entendi direito todo esse frisson de alguns críticos por esse filme! O que eu curti foi o design do personagem do Richard Gere (principalmente o figurino, feito pelo Armani). Já a história em si...

    Cultura? O lugar é aqui:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Mishima é um belo filme, o mais elaborado visualmente (tive a felicidade de ver no cinema) e com uma trilha inesquecível de Philip Glass. Engraçado como depois seus filmes sumiram de nossos cinemas. Nem mesmo Affliction, que deu um Oscar para James Coburn, teve melhor sorte.

    ResponderExcluir
  16. po, Just, não é nem "melhor" que o original, quanto mais "bem melhor". É bem pior, isso sim.

    ResponderExcluir