Pular para o conteúdo principal

A MARCA DA PANTERA (Cat People, 1982), de Paul Schrader

Como o papo sobre o Schrader está bom (ver os comentários do último post), vamos prosseguir com mais um filme do homem. Este eu vi já faz algum tempinho (aliás, é o único do Schrader que eu tinha visto até começar essa peregrinação) e acabei não revendo pra escrever esse pequeno comentário, então não sejam exigentes, por favor.

Mas é um filme muito bom, refilmagem do clássico de Jacques Tourneur e Schrader já totalmente a vontade na direção, imprimindo para o público de sua época esta estória fascinante com tons de delírios visuais e erotismo. É difícil esquecer suas imagens. CAT PEOPLE possui extrema beleza cinematográfica, atmosfera carregada de elementos de terror (até um pouco de gore) e um ar onírico que separa os níveis de fantasia e realidade da trama. Mas a essência de tudo é a belíssima Nastassja Kinski como protagonista. Incrível como ela se encaixou ao papel de forma tão instintiva. E ainda há a marcante presença de Malcom McDowell. Obrigatório!

Comentários

  1. Cristian Verardi26/05/2010 18:09

    Sem esquecer a bela trilha composta pro Giorgio Moroder e a fantástica "Cat People" de David Bowie, recentemente resgatada pro Tarantino em "Bastardos Inglórios".

    ResponderExcluir
  2. Com certeza, Verardi, acabei esquecendo desse detalhe essêncial. O que a falta de uma revisão não faz...

    ResponderExcluir
  3. "Marca da Pantera" é muito bom mesmo, mas não o melhor dele.

    Como parece que você está falando dos filmes na ordem cronológica, espere até o oitavo para o impacto máximo.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Isso mesmo, Sérgio, ordem cronológica. E esse oitavo dele é um dos que estou mais ansioso, principalmente pela presença do Christopher Walken.

    ResponderExcluir
  5. Eis aí um filme que quero rever faz tempo, até porque só vi quando era criança, então não conta muito. Mais um para minha lista de downloads futuros.

    ResponderExcluir
  6. Não dá para ser mais off topic que isso:

    http://www.youtube.com/watch?v=s-LNDU1Aqu0&feature=related

    Tá, ele fez o Remake de "Nosfetaru" e o reboot de "Vicio Frenético", para ter um link mínimo.

    ResponderExcluir
  7. Ronald outro filme que merece uma resenha dentre os melhores filmes do Paul é o Witch Hunt (Ilusões Satânicas).
    Ótimo filme com uma trilha fodástica e com um puta roteiro!!
    Recomendado!!

    ResponderExcluir
  8. Estranha Passagem em Veneza é dos melhores, e é pouco falado.

    ResponderExcluir
  9. ah, agora que me toquei que o oitavo em questão é Estranha Passagem em Veneza, que por sinal é The Confort of Strangers. Mas a consulta ao imdb me fez lembrar do sétimo, Patty Hearst, que é bem legal, e de Mishima, que vi há muito tempo, mas que me impressionou muito (vi em VHS).

    ResponderExcluir
  10. Mishima é o próximo. Ainda não vi, mas parece, no mínimo, interessante.

    ResponderExcluir
  11. Tony, chegaremos em Witch Hunt em breve!

    ResponderExcluir
  12. Bem melhor q o original, na boa.

    ResponderExcluir
  13. Discordo que seja melhor que o original. Os dois para mim são filmes superestimados, porém bons, entre a filmografia de seus respectivos autores. Os dois diretores fizeram coisas infinitamente melhores.

    ResponderExcluir
  14. Eu vi o original do Tourneur (essa refilmagem ainda não conferi). Eu tenho uma certa resistência ao cinema do Schrader. Você postou até anteriormente sobre o Gigolô Americano. Eu nunca entendi direito todo esse frisson de alguns críticos por esse filme! O que eu curti foi o design do personagem do Richard Gere (principalmente o figurino, feito pelo Armani). Já a história em si...

    Cultura? O lugar é aqui:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Mishima é um belo filme, o mais elaborado visualmente (tive a felicidade de ver no cinema) e com uma trilha inesquecível de Philip Glass. Engraçado como depois seus filmes sumiram de nossos cinemas. Nem mesmo Affliction, que deu um Oscar para James Coburn, teve melhor sorte.

    ResponderExcluir
  16. po, Just, não é nem "melhor" que o original, quanto mais "bem melhor". É bem pior, isso sim.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …