Pular para o conteúdo principal

VIVENDO NA CORDA BAMBA (Blue Collar, 1978), de Paul Schrader

Resolvi mergulhar na carreira do Paul Schrader como diretor e devo fazer uns breves comentários por aqui. VIVENDO NA CORDA BAMBA marca a estréia do homem na direção. O enredo, entretanto, parte de uma idéia do irmão, o também roteirista Leonard Schrader (que foi passado pra trás diversas vezes pelo seu irmão), sobre um trio de operários de uma montadora de veículos com alguns problemas com o sindicato corrupto pelo qual fazem parte. Surge também a velha trama dos persongens fodidos, devendo uma grana que não possuem, vendo um assalto ao cofre do sindicato como uma boa alternativa para se livrar do peso na consciência (e das dívidas).

Mas VIVENDO NA CORDA BAMBA nunca descamba para o policial, o filme é um sóbrio drama político e realista que faz ótimo retrato do operário americano, visualmente associado ao estilo que Martin Scorsese vinha impondo dentro do cinema americano dos anos setenta no qual Paul Schrader seguia na cara dura até encontrar seu próprio caminho.

Não que isso fosse algum problema, pelo contrário, Paul demonstra segurança no tom imediato, ritmo e estética já neste primeiro trabalho. A relação com os atores, é outra história. São curiosas as situações de bastidores de VIVENDO NA CORDA BAMBA, principalmente no que concerne ao trio de atores principais. Richard Pryor, Harvey Keitel e Yaphet Kotto dão um show de interpretações em frente às câmeras, mas trocaram muitas ofensas por trás delas. Schrader não tinha o menor controle sobre eles neste sentido. O importante é que tudo funcionou muito bem na tela.

O roteiro, com vários diálogos interessantes, também contribui com grande força. Uma combinação de drama social com um humor realista fazem desta pequena obra um dos melhores "filmes de estréia" que eu vejo em muito tempo. Pena que a Universal lançou o filme de qualquer jeito e acabou não recebendo a devida atenção pelo público, apesar dos elogios da crítica.

Pelo visto, vou gostar de peregrinar pelo cinema desse sujeito.

Comentários

  1. Vai ser bom ir vendo tuas opiniões. Quero saber o que vai achar de "O Dono da Noite", um dos filmes que mais me marcou na infância, e "Mishima", que assisti sem cortes pela primeira vez, recentemente e que é uma das cinebiografias (gênero que tenho problemas sérios) mais inspiradoras que já vi.

    ResponderExcluir
  2. se bobear, esse é o melhor filme dele.

    ResponderExcluir
  3. Tenho boas espectativas no Mishima, Davi.

    Sergio, o único dele que eu tinha visto antes deste foi A Marca da Pantera, que tenho boas recordações, mas preciso rever pra dizer qual é o melhor entre os dois.

    Por enquanto, fico com Hardcore, que acabei assistindo ontem à noite e achei excelente! hehe

    ResponderExcluir
  4. Leandro Caraça18/05/2010 00:43

    Hoje o Schrader é mais relevante que o Tio Marty.

    ResponderExcluir
  5. Preciso ver os últimos três filmes pra confirmar isso, mas por enquanto, fico com o Scorsese mesmo. ;)

    ResponderExcluir
  6. O único que vi e não gostei do Schrader foi o FOREVER MINE, mas preciso conferir bem mais dele.

    Esse eu tenho de ver, nem que seja pelo excelente trio de atores.

    ResponderExcluir
  7. "Hoje o Schrader é mais relevante que o Tio Marty."

    Se for julgar por "O Acompanhante" e "Os Infiltrados", o Scorsese fica um pouquinho a frente.

    Se for julgar por "A Ressurreição de Adam" e "A Ilha do Medo", Scorsese vai a nocaute, enquanto o Schrader ainda toma um suco de laranja e só luta com a mão esquerda.

    ResponderExcluir
  8. É claro que, se for comparar entre "O Aviador" e "Dominion", o Schrader desmaia antes de tocar o sino do primeiro round.

    ResponderExcluir
  9. http://www.youtube.com/watch?v=TXQJ8msYDh0&feature=player_embedded

    Hã. Hum. Hã.

    ResponderExcluir
  10. Se for julgar por "Auto Focus" e "Gangues de Nova Iorque", Scorsese fica só na esquiva e cai por nocaute no terceiro assalto.

    ResponderExcluir
  11. Não sei. São dos dois filmes mais fracos da década (e entre os 3 piores de toda carreira) de cada um, na minha opinião. Eu acho que vira "Street Fighter" e tem um "Double KO".

    ResponderExcluir
  12. Eu não sei se esse Paul Schrader é aquele que fez o Gigolô Americano com o Richard Gere! Eu vi O Acompanhante dele e não achei essa coisa toda, não (apesar de ter achado interessante a interpretação do Woody Harrelson).

    Não conhecia esse filme com o Richard Pryor (e olha que já vi foi coisa com esse ator).

    Cultura? O lugar é aqui:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Sim, é o mesmo diretor de Gigolo Americano, que aliás, assisti ontem e achei ótimo também.

    ResponderExcluir
  14. Leandro Caraça19/05/2010 15:11

    Pára com isso, Davi. "Auto Focus" é genial.

    ResponderExcluir
  15. Não, não é. Mas é bom.

    ResponderExcluir
  16. Auto Focus é bom, e Gangues de NYé foda. O que há com vcs???

    ResponderExcluir
  17. Ainda não vi Auto Focus, mas Gangues de Nova York é o meu Scorsese favorito da década!

    ResponderExcluir
  18. Schrader nunca será mais relevante que o Scorsese, sorry. Mesmo fazendo Ilha do Medo (Esse sim, um dos piores do Scorsese, não Gangues. Vcs beberam o q?)

    Agora essa estréia cinematográfica do Paul é animal. Obra-prima sem medo. Uma fase incrível de grandes filmes estrelados pelo Keitel.

    ResponderExcluir
  19. Gosto é gosto... mas... Comparar alguém que fez Mean Streets, Taxi Driver, Os bons companheiros, Touro Indomável com um mau caráter que roubava o irmão, é inseguro, paranóico ( leiam Easy Riders, Ragging Bulls ), picareta, sem talento e que tem como obras primas um Gigolô Americano e A marca da Pantera, é difícil de digerir. Em tempo, acho Ilha do Medo e Gangues de Nova York, mesmo sem serem obras primas do tio Marty, muitíssimo superiores aos fraquíssimos Auto Focus e O acompanhante.

    ResponderExcluir
  20. Richard Pryor estava bem bipolar atuando neste filme, o diretor falou que um dia ele era a pessoa mais engraçada e agradável do mundo e na outra um demônio que acabou de sair do inferno.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …