Pular para o conteúdo principal

Da série "tirando o atraso": Casas Mal Assombradas

Assisti pela primeira vez a POLTERGEIST (1982), de Tobe Hooper, há poucos dias. Sei que é um clássico da infância de muita gente, mas é que quando eu era pequeno meu negócio era ação (Stallone, Arnoldão, Van Damme, Seagal, Lundgren, etc) e não achava muita graça em filmes de terror, por incrível que pareça. Só fui me interessar bem mais tarde, especialmente o horror europeu, então esses clássicos americanos modernos do gênero realizados nos anos 70 e 80 acabei esquecendo.
Bom, corrigi o erro e aproveitei pra ver também HORROR EM AMITYVILLE (1979), do Stuart Rosenberg, outra lacuna que estava aberta pelos mesmos motivos.
Vou tentar falar um pouco sobre os dois, apesar de estar me sentido a última pessoa do mundo a vê-los, então nem tenho muito a acrescentar, a não ser que gostei bastante de ambos. POLTERGEIST foi o que me surpreendeu mais. Mesmo sendo creditado Tobe Hooper como diretor, ainda se discute a influência na direção do produtor Steven Spielberg, que também escreveu o roteiro. Realmente o resultado está mais para Spielberg que para o Hopper, mas o filme possui vários momentos brilhantes e assustadores que só um especialista do gênero terror impetraria.
Um espetáculo à parte dentro do filme são os efeitos especiais criados pela Light and Magic, com seus truques à moda antiga e não aquela coisa sem emoção gerada atualmente por CGI. Algo caro, que o Hopper só conseguiria se fosse mesmo explorado pelo diretor de TUBARÃO. De qualquer maneira, é um ótimo terror que eu gostaria muito de ter visto na infância, mas não me arrependo, pois deveria estar vendo RAMBO ou COMANDO PARA MATAR...
O tema da família aterrorizada por uma casa mal assombrada também serve para o mote de AMITYVILLE. Embora seja um belo exemplar de terror fantástico, em comparação com outros filmes do gênero ele é bem pé no chão, mais realista, o roteiro foca bastante no drama e transformações dos personagens, não é que não tenha momentos assustadores e etc, até porque o tom realista pode causar uma experiência ainda mais arrepiante.
A direção é bem segura do veterano Stuart Rosenberg, mais conhecido por seus dramas policiais, constrói um bom clima atmosférico aqui. Temos também a inspirada presença de Rod Steiger fazendo o papel de padre e só a sequência em que ele entra na casa já vale por 90% dos filmes de terror feito atualmente. Enfim, é um bom filme que não é considerado um dos clássicos modernos do terror americano a toa, mas quero assistir logo a continuação que parece ser mais porrada, com direção do italiano Damiano Damiani ainda por cima…

Comentários

  1. Eu prefiro Amityville ao Poltergeist.

    ResponderExcluir
  2. Poltergeist me surpreendeu mais porque achava que seria uma porcaria. Amityville eu já esperava algo bom.

    ResponderExcluir
  3. Ah, e o Amityville 2, que na verdade é uma prequel, é realmente MUITO superior ao original - um daqueles raros casos. Copia O Exorcista na maior cara-de-pau, mas mesmo assim tem um climão tenebroso, ainda mais quando se sabe que parte do filme foi baseada em um episódio verídico.

    ResponderExcluir
  4. "Poltergeist" arruinou minha infância, pura e simplesmente. Sobre a polêmica "foi Spielberg ou foi o Hooper ?", é bem claro pra mim quais as cenas foram feitas sob a influência (ou comando) do menino de ouro e quais tem a cara do texano doido.

    ResponderExcluir
  5. Hum, bom saber, Felipe! Devo assistir ainda essa semana!

    Pô, Leandro, arruinou a infância em que sentido? Espero que seja no bom... ;)

    ResponderExcluir
  6. Eu nunca assisti o Amytville original (só aquela refilmagem desastrosa com o Ryan Reynolds!). Já Poltergheist eu vi no SBT e gostei muito. Anos depois veio aquela história da morte da atriz que fez a Carol Anne (não era esse o nome da protagonista?) em circunstâncias misteriosas e o filme virou cult. Mas confesso a você que há suspenses melhores.

    Cultura? O lugar é aqui:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Eu revi Poltergeist há alguns meses atrás. É um excelente filme de terror, também fiquei surpreendido pela sua qualidade, além de ser delicioso de assistir. Provavelmente é o meu filme de terror predileto. E o filme transborda Steven Spielberg em cada frame. Filmaço!!!

    ResponderExcluir
  8. Depois de ver o filme, não consegui mais dormir com bonecos e árvores próximas à janela. :(

    A única coisa que envelheceu foi o excesso de efeitos coloridos.

    ResponderExcluir
  9. Poltergeist suplanta épocas, não importa o quanto carros, TVs e móveis envelheçam. É um filmaço, e a trilha do Goldsmith também tem muito a ver com isso. Ainda tem gente que diminui o filme porque tem Spielberg envolvido e muitos efeitos, como se isso não pudesse casar com um bom filme de terror.
    É o filme que apavorou minhas noites de infância.

    Aliás, demorou hein cara?!!! (hehe)
    E o Amityville é legalzinho. O livro é muito melhor e tem cenas muito mais arrepiantes do que mostradas no filme, vale a pena ler - mesmo eles tentando vender o engodo da realidade e colocando fotos do verdadeiro casal Lutz no final do livro.

    ResponderExcluir
  10. Caralho depois de Poltergeist bonecos nunca mais foram os mesmos. Assisti a primeira vez no Supercine, assim como o reze Para Entrar... e O Quadrilha de Sádicos original (para quem se lembra: a primeira parte passou num sábado e a continuação passou na semana seguinte!, bons tempos que não voltam mais.

    ResponderExcluir
  11. pior que não vi Amityville ainda, mas Poltergeist a última vez que revi não curti muito não, sei que é um filme querido pra todo muito mas eu acho bem + ou -

    ResponderExcluir
  12. Deve fazer uns dois anos que tenho Amityville para assistir, e ainda não o fiz. Já Poltergeist também é meu clássico de infância, mas não sei o que acharia o revendo hoje em dia.

    ResponderExcluir
  13. Poltergeist é foda.
    E de qlq forma Hooper / Spielberg, o segundo é melhor diretor.

    E AMITYVILLE a melhor coisa é a trilha sonora do Lalo Schifrin.

    ResponderExcluir
  14. Estou meio na contramão de quase todo mundo aqui, pois acho que POLTERGEIST piora a cada revisão. Acho um conceito meio infantilóide de horror, com cenas que só funcionam pelo efeito barato que causam no momento, sem qualquer aprofundamento psicológico. Acho que são esses momentos que o Leandro Caraça identifica como tipicamente spielberguianos; pelo menos é a impressão que me causa.
    Por outroo lado, gosto muito do AMITYVILLE original. Li o livro na época e me apavorei ainda mais. Ronald, caso não tenha visto ainda o AMITYVILLE II, faça uma experiência e assista em seguida o A HORA DO PESADELO 2 numa sessão dupla. ;)
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  15. Ainda não vi o Amityville 2. Vou preparar então essa sessão dupla, pois já faz muito tempo que não vejo A Hora do Pesadelo 2 e não melembro de muita coisa. Já está mesmo na hora de rever...

    ResponderExcluir
  16. Até hoje não vi o Amityville. Só vi as continuações. Essa parte 2 que já comentaram é muito boa.

    ResponderExcluir
  17. Eu tenho aquele DVD do AMITYVILLE 2/3 fazem séculos e ainda nem toquei direito nele. Já tinha visto o 3 antes (fraquíssimo por sinal).

    Gosto bem mais de AMITYVILLE que POLTERGEIST, que achei bem bola murcha logo na primeira vez que assisti há poucos anos atrás.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …