Pular para o conteúdo principal

DEAD SNOW (Død snø, 2009), de Tommy Wirkola


Aproveitando a boa onda de filmes de terror que os países nórdicos têm exportado mundo afora, como no ano passado quando tivemos o maravilhoso filme sueco DEIXA ELA ENTRAR, agora é a vez de DEAD SNOW, ótimo filme de zumbis nazistas nas montanhas geladas da Noruega, segundo filme do diretor Tommy Wirkola, mais conhecido por KILL BULJO: THE MOVIE, sua paródia do filme KILL BILL. DEAD SNOW foi lançado no festival de Sundance deste ano e trabalha de uma maneira bastante criativa e divertida um dos subgêneros mais surtados que o cinema já desenvolveu.

A estória trata de um grupo de estudantes de medicina que vai passar um feriado em uma cabana isolada no meio das montanhas em algum lugar da Noruega. Certa noite, um andarilho chega à porta e resolve fazer uma visita e contar-lhes a lenda que ronda o local, que fala sobra uma área ocupada por nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Segundo o sujeito, o batalhão cometeu furtos, assassinatos e estupros contra os habitantes de um vilarejo, que logo se levantaram contra os nazistas que tiveram que se esconder nas montanhas.

Eles nunca mais foram vistos e, supostamente, morreram congelados, mas quando os estudantes encontram ouro dentro de uma caixinha na cabana onde estão hospedados, os zumbis nazistas resolvem retornar e reivindicar o que é seu. E aí a coisa fica feia pro lado dos pobres estudantes isolados na neve.

Para quem já é fã de um zombie movie, principalmente dos filmes do George A. Romero ou Lucio Fulci, vai perceber que os zumbis daqui não tem quase nada de tradicional. É bem diferente até dos zumbis mais modernos do Zack Snyder e Danny Boyle. Aqui eles não andam capengando, são bem ágeis e utilizam armas (mas também desmembram o corpo humano com facilidade e arrancam uma lasca do seu pescoço com os dentes, se bobear); podem ser mortos sem que precise destruir os cérebros; não parecem muito preocupados em devorar suas vítimas, na verdade, querem mesmo é ter seu ouro de volta, não sei pra que... mas vamos respeitar.

DEAD SNOW pode ser dividido em duas partes bem contrastadas. A primeira onde os personagens são desenvolvidos, mostrando as caracteristicas de cada um, como um dos caras que tem nojinho de sangue mesmo sendo estudante de medicina; e um gordo nerd que entende tudo de filme de terror; e por aí vai seguindo os vários detalhes que diferenciam os protagonistas, como todo filme tem que ter, só que aqui a coisa flui muito bem, com uma dose de humor que ajuda também a configurar o contraste com a outra parte, quando os zumbis surgem em cena de forma definitiva, para a nossa alegria.

O filme se transforma num festival de violência gráfica em momentos que certamente vão entrar para a história do subgênero. Cabeças partidas ao meio, decapitações aos montes, vísceras, desmembramentos, um verdadeiro banho de sangue! E tudo muito bem realizado por uma equipe técnica que preza por efeitos especiais e maquiagens a moda antiga, às vezes apela para o um CGI, mas nada que estrague a diversão.
Entra fácil na minha lista de melhores filmes de terror do ano!

Comentários

  1. Eu adorei esse filme, ainda não consegui entender porque tanta gente está criticando, como se filme de terror não pudesse mais ser apenas divertido... Pra mim é Fome Animal e Evil Dead na neve, com muito sangue e tripas, e um "plus a mais": não tem como adivinhar quem vive e quem morre!

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda nem vi Deixa Ela Entrar...

    ResponderExcluir
  3. Estou com muita vontade de ver esse filme. Também gostei muito de Deixe ela entrar. Deve ser bastante divertido ver um monte de nazista zumbi sendo despedaçado.

    ResponderExcluir
  4. "na verdade, querem mesmo é ter seu ouro de volta, não sei pra que... mas vamos respeitar." - Cara, eu achei isso uma das coisas mais legais do filme. É como se rolasse uma OBSESSÃO ali, como se todos aqueles nazistas não tivessem aceitado morrer sem antes poder ter/usufruir do tesouro roubado. A cena final da moeda deixa isso bem claro. Achei legal pra caramba!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …