Pular para o conteúdo principal

Anos 50

Finalmente chegamos nos anos 50 nesta série de tops dos melhores filmes de cada década. E paro por aqui. Não que eu não tenha visto filmes das décadas de 40, 30 e 20, mas ainda não tenho bagagem pra fazer uma boa lista sem repetir diretores e com muitas opções em vista. Com certeza faremos um dia...

Portanto, segue o ultimo Top das décadas, no mesmo esquema das anteriores: ordem cronológica, um filme por diretor e os meus cinco preferidos em negrito.

NO SILENCIO DA NOITE (50, Nicholas Ray)
A MALVADA (50, Joseph L. Mankiewzick)
CREPÚSCULO DOS DEUSES (50, Billy Wilder)
OS ESQUECIDOS (50, Luis Buñuel)
CAPACETE DE AÇO (51, Samuel Fuller)
MILAGRE EM MILÃO (51, Vittorio de Sica)
CANTANDO NA CHUVA (52, Gene Kelly e Stanley Donen)
OS SETE SAMURAIS (54, Akira Kurosawa)
JANELA INDISCRETA (54, Alfred Hitchcock)
A PALAVRA (55, Carl T. Dreyer)
SINDICATO DE LADRÕES (54, Elia Kazan)
A MORTE NUM BEIJO (55, Robert Aldrich)
RASTROS DE ÓDIO (56, John Ford)
VAMPIROS DE ALMAS (56, Don Siegel)
MOBY DICK (56, John Huston)
UM CONDENADO À MORTE ESCAPOU (56, Robert Bresson)
O SÉTIMO SELO (57, Ingmar Bergman)
DOZE HOMENS E UMA SENTENÇA (57, Sidney Lumet)
GLÓRIA FEITA DE SANGUE (57, Stanley Kubrick)
NOITES DE CABÍRIA (57, Federico Fellini)
QUANDO VOAM AS CEGONHAS (57, Mikhail Kalatosov)
O GRITO (57, Michelangelo Antonioni)
O INCRÍVEL HOMEM QUE ENCOLHEU (57, Jack Arnold)
A MARCA DA MALDADE (58, Orson Welles)
MEU TIO (58, Jacques Tati)
NOITES BRANCAS (58, Luchino Visconti)
OS INCOMPREENDIDOS (59, François Truffaut)
ONDE COMEÇA O INFERNO (59, Howard Hawks)
HIROSHIMA MON AMOUR (59, Alain Resnais)
BOM DIA (59, Yasujiro Ozu)

Comentários

  1. Doze Homens e uma Sentença esqueci de colocar na minha lista, sem dúvida é um dos melhores filmes americanos desse periodo...

    ResponderExcluir
  2. Eu ESQUECI de Cantando na Chuva e Vampiros de Almas. Criminoso.

    Boa lista, brô!

    ResponderExcluir
  3. Valeu pessoal! Mas vocês estão muito esquecidos! heheh

    ResponderExcluir
  4. Minha memória é horrível. Lembro só dos que vi mais recentemente, se passou de dois anos eu não conheço, hehe.

    ResponderExcluir
  5. Leandro Caraça29/10/2008 09:24

    Finalmente alguém que reservou um espaço para John Huston numa lista dos melhores da década.

    ResponderExcluir
  6. Eu preciso assistir muito mais do Huston, Leandro pra poder colocá-lo em todas as décadas! Ele é dos tops do cinema americano na minha opinião, do nível de um Ford, Fuller, Ray, Hawks, etc...

    ResponderExcluir
  7. Esse do Siegel eu colocaria também.
    Legal você ter colocado.

    ResponderExcluir
  8. Vampiros de Almas não tem como não colocar. Obra prima precursora. Muita coisa não existiria hoje se não fosse por este filme.

    ResponderExcluir
  9. Mais uma lista excelente. Gostei de ver "O Incrível Homem que Encolheu" ai.

    ResponderExcluir
  10. Bom dia Tristeza e Vertigo comandam a dec de 50.

    ResponderExcluir
  11. Não vi nenhum do Preminger bom o suficiente pra entrar na lista ainda.
    E Hitchcock, fico com o Janela Indiscreta, mas quase empatado com o Homem Errado...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …