Pular para o conteúdo principal

DUEL TO THE DEATH (1983)

Na história de DUEL TO THE DEATH existe uma tradição na qual a China e o Japão resolvem suas diferenças à base do duelo. O melhor espadachim da China encara o maior samurai do Japão num confronto mortal. Tudo começa com uns ninjas, obviamente japoneses, na calada da noite, invadindo uma escola chinesa de kung fu em busca de alguns pergaminhos, que eu não faço idéia do que sejam… mas já vale destacar aqui o magistral trabalho de câmera, montagem, atmosfera, coreografia de lutas, trilha sonora, tudo de uma grandesa cinematográfica notável.

O fato é que a partir daqui, cria-se mais um motivo para um novo duelo entre os dois países. De um lado Li Chi Wan (Damian Lau), conhecido como The Lord of the Sword; do outro, o samurai Kada Hashimoto (Norman Chu), que embarca numa jornada até a China para enfrentar seu oponente. O filme ainda apimenta a situação com uma conspiração política nos bastidores da luta, que consiste na tentativa do Japão em dominar a China, enviando um exército de ninjas pra lá. Mas basicamente, o roteiro é só isso.

O que você realmente precisa saber sobre DUEL TO THE DEATH é que se trata de um dos exemplares mais absurdamente malucos do cinema de artes marciais! A partir deste mote simples - não faço idéia do que tinha no café do diretor Ching Siu-Tung - o filme transmite uma liberdade criativa quase subversiva, qualquer viagem alucinógena que os caras tinham na concepção de algumas cenas, era transformada em imagens. E é isso que torna DUEL TO THE DEATH tão memorável, embora mesmo que não houvesse os exageros absurdos de encher os olhos, e tivesse apenas lutas realistas, o filme já teria qualidade suficiente para ser grande, pela direção competente e o belíssimo trabalho de coreografia nas sequências de ação!

No entanto, a trama até que não é tão fantasiosa como ZU, do Tsui Hark, por exemplo, mas o que não falta aqui são personagens fazendo coisas bizarras que desafiam todas as leis da física em cenas de lutas old school estonteantes! Todos os mitos que envolvem especialmente o universo das habilidades ninjas são maximizados à potência mais elevada por aqui. Eles voam, são extremamente sorrateiros, desaparecem e aparecem quando bem desejam, explodem seus corpos em ataques kamikases; há uma cena onde um ninja gigante se transforma em vários ninjas de tamanho normal; e num combate contra um monge, um dos ninjas tira a roupa e se revela uma mulher nua, fazendo com que o pobre celibatário feche os olhos e seja capturado.

As coisas não param por aí! Cabeça decepada falante, cenários inusitados, violência estilizada, efeitos especiais incríveis, DUEL TO THE DEATH mantém até o último minuto tanto um ritmo frenético de ação quanto idéias bizarras do subgênero wuxia. Por fim, o derradeiro e mortal duelo nas rochas é algo digno de qualquer antologia, não somente dos filmes de artes marciais, mas do próprio cinema.

Comentários

  1. Já ouviu/leu a frase "EU PRECISO VER ESSE FILME!"?

    ResponderExcluir
  2. não se esqueça do Castellari, kkkkkkkkkkkkkk.

    ResponderExcluir
  3. A cena da "metamorfose" do monge gigante é simplesmente genial. O duelo final também é sensacional!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …