Pular para o conteúdo principal

INVICTUS (2009), de Clint Eastwood

Antes de qualquer coisa, INVICTUS enfatiza a boa fase recente de Clint Eastwood e o confirma também como um dos diretores mais essenciais ainda em atividade (algo que já estava confirmado há tempo, na verdade). O que me agrada no filme é a forma com o qual o diretor lida com o seu recorte histórico, trabalhando com um ícone da história recente, Nelson Mandela, sem nunca transformar o material no basicão habitual das estruturas narrativas biográficas. Inclusive, seu recorte é bem simples e mostra como Mandela utilizou a equipe de rugby da África do Sul, em pleno campeonato mundial acontecendo em seu país, como ferramenta política. Claro que no final das contas INVICTUS não deixa de ser mais um filme para servir de exemplo e inspirar o público, mas sem soar piegas como seria caso o mesmo roteiro fosse parar nas mãos de um Ron Howard, por exemplo.

Sem contar que Morgan Freeman deve ser parente do Mandela. Impressionante a construção de personagem. Matt Damon também está ótimo e o velho Clintão filma bem pra burro! Mesmo sendo um trabalho menor, fica difícil não se curvar perante o talento desse sujeito que coloca muito diretor neófito de plantão no chinelo!

Comentários

  1. Clint filma de forma simples, básica, sem histrionismos, sem palhaçada, sem frescuras, sem invenções de moda duvidosos. Mas a despeito disso (ou POR CAUSA DISSO) uma emoção verdadeira sempre se desprende de seus filmes. Clint é fundamental! Agora quanto ao Freeman, tava até comentando um dia desses com um amigo: simplemente se trata de um dos maiores atores da história do cinema, fácil fácil, CERTAMENTE um dos 10 melhores! Vide Conduzindo Miss Daisy, Os Imperdoáveis, Um Sonho de Liberdade e mais uma dúzia de filmes que não estou com saco pra listar agora!!! Quero ver esse novo logo!

    ResponderExcluir
  2. "Filme menor". Vou fingir que não li isso, viu.

    ResponderExcluir
  3. O filme é muito bom, mas não consigo colocá-lo no mesmo nível que um Gran Torino, Meninos e Lobos, Menina de Ouro... a fase anos 90 dele tem vários filmes melhores também.

    ResponderExcluir
  4. Concordo com o Ronald... acima de "Invictus" eu colocaria Gran Torino, Sobre Meninos e Lobos, As Pontes de Madison, Um Mundo Perfeito, Os Imperdoáveis, Menina de Ouro.
    "O Cavaleiro Solitário" e "O Estranho sem nome" ainda vão ser devidamente reconhecidos, apesar da aparente simplicidade (principalmente o primeiro).

    Mas Invictus está seguramente no Top 10 do Clintão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …