Pular para o conteúdo principal

GOTHIC (1986), Ken Russel

Difícil escrever sobre esse filme, principalmente para uma anta como eu que só consegue captar a superficialidade das coisas. Mas GOTHIC, até mesmo em sua superfície, causa bastante impacto com seu visual carregado em simbolismos e elementos metafóricos, atmosfera de pesadelo e excelente direção do Ken Russel, que é um sujeito que eu tenho muito ainda a descobrir.

A trama pode ser resumida como um exercício de terror surrealista ao estilo de Buñuel e Jodorowsky, especialmente nos últimos 20 minutos, ou trata-se, na verdade, sobre cinco pessoas que passam por maus bocados numa mansão isolada em uma ilha, tomando as drogas da época e tendo os mais diversos delírios causados pelos entorpecentes, tudo impresso sob o olhar apurado do diretor, evocando, sobretudo, elementos religiosos, algo que se não estou enganado, tem grande peso no repertório de temas de Russel.

A imagem que ilustra o post, da cena em que o famoso quadro de Fussli é recriada, é só pra dar um gostinho para quem ainda não viu. É um dos momentos mais perturbadores e geniais de GOTHIC, que ainda possui muitas outras sequências interessantes, lindamente compostas e com bastante clima.

Outra coisa que me chama atenção é o contexto da trama. Temos alguns personagens ilustres por aqui, como o poeta melancólico Lord Byron, o anfitrião da mansão, interpretado por Gabriel Byrne, e seus convidados, dos quais está o casal Shelley, cuja parte feminina, Mary (Natasha Richardson) viria a escrever seu famoso romance, Frankenstein. Seu marido é encarnado pelo canastrão Julian Sands e Timothy Spall, ainda novo, faz o papel do médico do poeta. Belo filme.

Comentários

  1. Cara, na virada do ano estava lendo o livro O VAMPIRO ANTES DE DRÁCULA, metade do livro feito de ensaios sobre o vampirismo na literatura antes da publicação do livro do Bram Stocker, a outra metade uma grande seleção de contos do tema abrangendo esse período. Bem, na parte dos ensaios falam bastante de BYRON e POLIDORI,e claro, MARY SHELLEY. Na seleção de contos ainda tinha O VAMPIRO do POLIDORI e FRAGMENTOS DE UM RELATO do lorde BYRON (sem contar d' A FAMILÍA DO VURDALAK de ALEXIS TOLSTOI, que seria muito bem adaptado para as telas como o segundo conto de BLACK SABBATH do BAVA!!!). Fiquei tão empolgado com o livro que revi GOTHIC, pois a versão nacional lançado pela Lume, e, como de hábito cheguei a me sentar na frente do micro para digitar minhas confusas linhas sobre o filme, mas desisti. Como você mesmo colocou ai, é difícil escrever sobre ele! De qualquer é um filme muito instigante! Minha cena favorita, como não poderia deixar de ser, é aquela em que JULIAN SANDS em seu delírio de ópio com láudano vê olhos nos mamilos de sua cunhada! Abraços...

    ResponderExcluir
  2. Acho esse filme coisa de louco. Babo por ele e pela Natasha que tava bonitinha demais nesse filme.

    Russell se diverte fazendo esse filme. Me passa essa impressão.

    ResponderExcluir
  3. Eu não vi muitos filmes do Ken Russell, mas sei de três que são altamente recomendáveis: The Devils, que é sensacional e provavelmente o melhor filme dele; Altered States, que eu não gosto muito por ser bem desagrável, mas que tem seus muitos admiradores; e Crimes of Passion, que é lindo e meu favorito pessoal do diretor.

    ResponderExcluir
  4. Esse filme é o que há. Se tivesse que ver só ele e "Suspiria" para o resto da vida, ainda assim seria feliz. Bateu vontade de rever.

    ResponderExcluir
  5. Vlademir, desses que você citou eu vi o Altered States há muito tempo. The Devil eu tenho aqui, mas não vi e acabei de baixar Mulheres Apaixonadas... Vou procurar o Crimes of Passion.

    ResponderExcluir
  6. The Devils é coisa mto de louco..sou doido pra ver numa copia realmente decente.

    ResponderExcluir
  7. Conseguiu resumir bem o filme em poucas palavras, vc não é uma anta..haha gostei, tava querendo explicar um pouco deste filme pra minha irmã mas não conseguia..seu comentário disse tudo.

    ResponderExcluir
  8. Nos anos 80 vi no cinema um filme de Russel, com o título Os demônios, nunca encontrei em DVD, pensei que fosse GHOTIC, mas parece que estou equivocado.
    Poderiam informar se é o mesmo, se não, como faço para comprar OS DEMONIOS??? Mas mesmo assim vou adquirir o GHOTIC.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se OS DEMONIOS foi lançado no Brasil... mas realmente se trata de outro filme. O nome original é THE DEVILS, com o Oliver Reed no elenco. Mas GOTHIC também é sensacional

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …