11.1.10

Eric Rohmer

2010 começou mal... muito mal.

R.I.P
1920 - 2010

28 comentários:

  1. O que acho triste nesses casos é quando o cara, independente da idade que parta desta "pra melhor", parte ainda produzindo, como era o caso desse senhor aqui...

    ResponderExcluir
  2. Grande perda...

    Mas antes um 'chato' da Nouvelle Vague do que um John Carpenter ou um DePalma!!!

    hahahaha.

    ResponderExcluir
  3. Hahaha! Assino em baixo, com certeza!

    ResponderExcluir
  4. Essa doeu mesmo...Rohmer é um filósofo das relações humanas, um mestre. Parte da minha educação sentimental e cinematográfica vêm dele. À primeira vista seus filmes são verborrágicos e simples, mas na verdade são profundos tratados sobre as relações humanas e os ruídos da comunicação. Seus personagens falam, mas normalmente a ação e ambientação dizem outra coisa. Atingir o sublime com o banal, como se fosse um haikai às avessas, é coisa para poucos. Um desses poucos partiu mas esculpiu uma obra magnífica.

    ResponderExcluir
  5. "Mas antes um 'chato' da Nouvelle Vague do que um John Carpenter ou um DePalma!!![2]

    E antes Godard do que Scorsese, Coppola, Cronenberg e Verhoeven tb.

    ResponderExcluir
  6. Amém ao cara aí de cima.

    O xarope do Godard tá demorando muito para ir tocar harpa...

    ResponderExcluir
  7. Ah, que isso? O Godard pode ser xarope, mas é o diretor de um dos meus filmes favoritos, O Desprezo, e sou fanático pela fase dos anos 60 dele... é, com certeza ele não vai fazer nada parecido com o que fez nos anos 60... por mim pode ir tocar harpa antes que o Carpenter, Cronenberg, Verhoeven, De Palma...

    ResponderExcluir
  8. Antes o Zack Snyder morrer que o Godard.

    Antes o Marc Forster morrer que o Godard.

    Antes o Neil Blomkamp morrer que o Godard.

    Dito isso espero que Godard, Scorsese, Coppola, Cronenberg, Verhoeven, Carpenter, De Palma morram como o Rohmer: produzindo. Quem dera todo grande cineasta pudesse morrer na ativa e não sendo escanteado ou com alguma doença que impeça de filmar.

    ResponderExcluir
  9. E para confirmar que o mundo se tornou um lugar muito bizarro:

    Antes o Zack Snyder morrer que o Guy Ritchie.

    Antes o Marc Forster morrer que o Guy Ritchie.

    Antes o Neil Blomkamp morrer que o Guy Ritchie.

    ResponderExcluir
  10. Já assistiu ao Sherlock Holmes, Davi?

    ResponderExcluir
  11. Sim. Legal. Vale o ingresso. Primeiro filme (dos que vi) da criatura que supera a falta de talento dele para direção. Os cacoetes dele continuam prejudicando. Nas mãos de outros diretores talvez fosse bem melhor e os efeitos especiais são muito, muito ruins.

    ResponderExcluir
  12. Eu amo Desprezo tb. Um dos meus favoritos. Mas vai ficar no hiato assim sem fazer nada q preste na pqp. Desde 68, pô?!

    O Ritchie não faria falta alguma, com Heolmes ou não.

    E Scorsese podia viver pra sempre, q nem o Manoel de Oliveira...

    ResponderExcluir
  13. Sherlock é ótimo. Acho que o defeito maior do filme são certos cacoetes do Ritchie, como a maldita edição picotada nas cenas de ação e sua quase total falta de habilidade em criar cenas realmente comoventes. Mas ainda sim filmou bem melhor que um Paul Greengrass. Provavelmente o primeiro grande lançamento do ano realmente legal. Que venham outros Holmes, pode ser até o Ritchie.

    ResponderExcluir
  14. Também achei o filme bem bacana... meu problema com ele foi só na duração mesmo. São 2h que parecem 4h... putz

    ResponderExcluir
  15. "sem fazer nada q preste na pqp. Desde 68, pô?!"

    "Carmen" e a primeira meia-hora de "Nossa Música" contrariam esta afirmação.

    ResponderExcluir
  16. Eu achei a duração perfeita. Foi quase tão divertido pra mim quanto o Star Trek do Abrams.

    ResponderExcluir
  17. Leandro Caraça14/01/10 14:40

    Antes o Zack Snyder morrer que o Guy Ritchie.

    Antes o Brett Retner morrer que o Guy Ritchie.

    Antes o Neil Marshall morrer que o Guy Ritchie.

    Antes o Paul Greengrass morrer que o Guy Ritchie.

    Antes o Fábio Barreto morrer que o Guy Ritchie.

    Antes qualquer diretor metido a engraçadinho (que faz filmes bestas como DEAD SNOW e EVIL ALIENS) morrer que o Guy Ritchie.

    Antes o PETER JACKSON morrer que o Guy Ritchie. É sério. Vocês ainda não viram THE LOVELY BONES. É ruim demais.

    >Mas antes um 'chato' da Nouvelle Vague do que um John Carpenter ou um DePalma!!!

    É, um chato da Nouvelle Vague que na última década e meia se mostrou mais produtivo que Carpenter e De Palma.

    ResponderExcluir
  18. Brett Ratner e Fábio Barreto ninguém discute, Leandro. Zack Snyder, tu sabe minha opinião. Se eu tivesse três pedidos de uma lâmpada mágica, ia desperdiçar um só pra eliminar a existência deste cara e dos filmes dele. Eles são o que há de pior no cinema contemporâneo.

    Os diretores engraçadinhos eu nem desperdiçaria meu pedido. Céus, não tem nada mais odioso que os novos Peter Jackson ou Sam Raimi, os retardados que não entendem que o sucesso deles não depende de filmes engraçadinhos que ridicularizam a falta de orçamento, mas sim ter feitos filmes que usam suas limitações a favor, com virtuosismos estéticos, ao invés de tosquice. Podem até ter momentos toscos, mas têm uma vibração e energia que não vêm dessa coisa pré-fabricada que são os filmes que tentam ser "Fome Animal", "Bad Taste" ou "Evil Dead". Sério, para ver filmes tão particulares, prefiro ver os originais. Sim, eu estou esperando o novo "Evil Dead", o novo "Fome Animal", mas quero ter que pensar como uma referência distante, como é entre estes dois filmes, mesmo, não como "ah, esse cara viu 'Evil Dead'".

    Mas pior que os diretores desses filmes, são os fãs de horror que parecem as vezes querer manter o nível de expectativa tão em baixa. Não querem filmes que tragam algo diferente, mas filmes que venham chover no molhado, sem criatividade, estilo e vida. E vida real, mesmo. Falo de vida real no sentido de se ter um elo emocional, seja de tensão ou relação com personagens.

    Fora isso, o que me irrita são os filmes de 1 centavo. Parece que cada vez mais tem que se pensar menos em realizar um filme com qualidade, independente do custo, e cada vez mais tem que se usar a desculpa do orçamento pra ser porco e ainda divulgar isso como grande coisa. "Fiz esse filme ruim por 7 mil reais", "fiz esse filme ruim por 500 reais", "fiz esse filme ruim de graça". Grande merda! Isso é uma ferramenta de divulgação muito bizarra, que torna muito mediocre a idéia do que é fazer cinema e o que se espera de um filme. Eu não quero saber o preço. Quero ver um filme impressionante, seja feito de graça, com sete mil reais, com quinhentos reais. Não estou falando nem da qualidade técnica, que é um fraqueza recorrente nesse tipo de proposta, pois nem é este o problema. O que vejo nesse tipo de filmografia que se gaba de ter 90% de desconto na realização, é a falta de criatividade, de procura de uma narrativa que seja enriquecida pela falta de dinheiro, ou mesmo o uso de um olhar. São sempre olhares cansados, semelhantes a tantas pessoas que fazem videozinhos de celular da família, sem qualquer esforço e, por conseqüência, sem qualquer razão de serem eternizados. A arte do cinema costumava trazer a idéia do eterno, agora é um tanto quanto temporária. Filmes de fim-de-semana. É a cultura do "vamos fazer um filme no fim-de-semana", que gera bons frutos em alguns momentos, mas que no geral tem ajudado a gerar muitas imagens vazias de sentido.

    ResponderExcluir
  19. O Gramaverde nunca me convenceu. O mais perto de um filme que eu goste foi "O Ultimato Bourne", onde parece que ele descobriu que ação precisa ter uma certa geografia.

    Neil Marshall fez um filme só, que é muito divertido e interessante, ao meu ver. Parece um Ridley Scott dos pobres.

    E o Peter Jackson? Vou esperar para ver "The Lovely Bones", mas só com "O Retorno do Rei" tive tão baixas expectativas por um filme do homem.

    ResponderExcluir
  20. Eu acho que existem casos e casos, Davi, e depende muito do grau de pretensão. Um sujeito que não sabe jogar futebol não vai deixar de bater uma bolinha com os amigos só porque não leva jeito pra coisa. E isso eu digo por experiencia própria, porque como eu te disse há alguns meses, eu iria fazer um filme no natal, e fiz. Dirigi um filme trash, com recurso zero, atuado por parentes, exatamente um filme de fim de semana, filmado em 2 dias. O filme ficou uma merda (estou finazliando a edição), mas eu me diverti horrores fazendo, e não vai ser pela minha falta de talento que eu vou deixar de fazer novamente. Mas aí entra a minha pretensão. O filme ficou com o espírito da coisa, uma brincadeira.

    Obviamente concordo contigo em vários pontos e, realmente, utilizar a falta de recurso como estratégia de marketing ou como desculpa pelo filme ser uma merda, é o que tem feito chover diretores amadores sem criatividade alguma no cinema.

    E pode ter certeza que o meu filme ficou uma porcaria porque simplesmente eu não tenho noção alguma do que fazer com a câmera, mas e daí? Filmar é divertido pacas!

    ResponderExcluir
  21. Putz. Que bola fora!!! Tu tinha que fazer o filme no Natal, só pra parecer que eu estou tirando com o anfitrião, né. hehehehe

    ResponderExcluir
  22. Hahah, pois é, mas está tudo tranquilo.

    ResponderExcluir
  23. Leandro Caraça15/01/10 13:08

    Peguei pesado com o Neil Marshal. Seu maior pecado é não ter a menor noção de como dirigir cenas de ação. Mas até aí, o Tim Burton e o Del Toro também não tem.

    >Neil Marshall fez um filme só

    Não gosto de "Dog Soldiers" e "The Descent". "Juízo Final" é divertido apesar das cenas de ação ruins.

    ResponderExcluir
  24. Leandro Caraça15/01/10 13:27

    >Fiz esse filme ruim por 7 mil reais", "fiz esse filme ruim por 500 reais", "fiz esse filme ruim de graça". Grande merda! Isso é uma ferramenta de divulgação muito bizarra, que torna muito mediocre a idéia do que é fazer cinema e o que se espera de um filme. Eu não quero saber o preço. Quero ver um filme impressionante, seja feito de graça, com sete mil reais, com quinhentos reais.


    É exatamente o que eu penso.

    Pego como exemplo, um dos filmes de horror mais comentados de 2009: "Dead Snow". É de uma pobreza de idéias impressionante. Ah, zumbis nazistas ? Idéia manjada. Eles matam por causa do ouro ? Também é requentado. E de que adianta ter uma produção razoável se tem tão poucas idéias boas, se as piadas são na maioria idiotas e não sabe utilizar bem os personagens e as situações ?

    ResponderExcluir
  25. "Antes o PETER JACKSON morrer que o Guy Ritchie. É sério. Vocês ainda não viram THE LOVELY BONES. É ruim demais."

    Se for igual ao qualquer filme do Ritchie, pelo o menos ele continua tendo Fome Animal, Os Espíritos e Náusea Total na carreira e Ritchie continua tendo Cast Away.



    "É, um chato da Nouvelle Vague que na última década e meia se mostrou mais produtivo que Carpenter e De Palma."

    Ah, agora sim entramos uma questão interessante e não opinativa (Ou por questões de gostos pessoais). Concordo.

    ResponderExcluir
  26. " Mas ainda sim filmou bem melhor que um Paul Greengrass"

    Pois eu sou muito mais um Greengrass, que pelo o menos não bate-e-assopra como o Ritchie faz. Ele realmente assume seu estilo documental, não faz apenas gracinhas com a edição para tentar "fazer uma cena ficar mais legal".

    E Fábio Barreto? Vcs estão batendo em cachorro (semi) morto. Pelo amor...

    ResponderExcluir
  27. "Cast Away"

    Correção: Swept Away

    ResponderExcluir
  28. Eu gostei do Domingo Sangrento quando assisti, já faz um bom tempo. Possivelmente ainda vou curti-lo numa revisão. Mas o Supremacia Bourne é fraco e tem péssimas cenas de ação. O que é uma pena, porque o Damon tá ótimo. Nem criei coragem de ver o Ultimato ainda. Seria bom se uma 4ª parte dos filmes do Bourne tivesse um John Woo ou Philip Morel na direção.

    ResponderExcluir