Pular para o conteúdo principal

SHE MOB (1968), de Harry Wuest


A Something Weird foi uma famosa distribuidora americana especializada em bagaceiras trash, exploitations e coisas do gênero, como por exemplo SHE MOB, uma tralha que só mesmo esta distribuidora teria a cara de pau de distribuir. É o típico filme que de tão ruim, de tão mal feito, acaba valendo a pena como diversão e curiosidade. Ainda mais com a bela dose de nudez gratuita que o diretor Harry Wuest (não creditado) faz questão de captar em sua câmera mal iluminada.

E não é só a fotografia que é precária. Os atores também não valem o ingresso, com exceção de Marni Castle, que além de fazer um papel duplo, realiza um bom trabalho com a personagem da vilã lésbica Big Shim. A produção é risível e o diretor é péssimo, mas faz o que pode para encenar as situações. Mas chega de mandar brasa no filme, porque pelo menos a história é engraçada e bem movimentada na medida do possível.

Somos apresentados no início a um casal. Mas logo percebemos que Tony é um gigolô, embora Brenda realmente ame o sujeito. Já em outro lugar estão cinco mulheres, entre elas Big Shim e sua namorada. As outras três moças reclamam do tédio e Big Shim resolve chamar Tony para apagar o fogo das moças. Mas quando o gigolô chega ao local, Big Shim lhe aponta uma arma e o seqüestra pedindo uma quantia de dez mil dólares para Brenda.

Brenda decide chamar uma detetive para que recupere o seu amor. Entra em cena então Sweety East, a detetive com cara de traveco que se encarrega de levar o dinheiro e tentar trazer Tony de volta. Depois de muita confusão, porradaria e perseguição de carro – com a impressão de que tudo foi filmado por um garoto de 5 anos de idade – ela consegue recuperar o sujeito, mas decide não devolve-lo para Brenda, pois também se apaixonou por ele.

Er... E é isso...

Bom, acabei até contando o final desta bagaceira. Aposto que ninguém aqui vai querer assistir mesmo. Pelo menos não pelo enredo, só se for pela quantidade de nudez e a dose de violência, que deram ao filme uma considerável bilheteria na época de lançamento. Hoje, serve de artefato histórico para os verdadeiramente interessados no cinema exploitation e tranqueiras de baixo orçamento.

Comentários

  1. Stefano Zorzin (Nino)13/02/2009 13:12

    Dia 21 de fevereiro estarei em Vitória! Vamos combinar de ver esse filme ou outro do gênero!

    Abraços do primo!

    ResponderExcluir
  2. Vai ficar até quando? Porque eu não estarei aqui no carnaval...

    ResponderExcluir
  3. Stefano Zorzin (Nino)13/02/2009 13:22

    Programação cancelada então!

    Abraços do primo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …