13.2.09

SHE MOB (1968), de Harry Wuest


A Something Weird foi uma famosa distribuidora americana especializada em bagaceiras trash, exploitations e coisas do gênero, como por exemplo SHE MOB, uma tralha que só mesmo esta distribuidora teria a cara de pau de distribuir. É o típico filme que de tão ruim, de tão mal feito, acaba valendo a pena como diversão e curiosidade. Ainda mais com a bela dose de nudez gratuita que o diretor Harry Wuest (não creditado) faz questão de captar em sua câmera mal iluminada.

E não é só a fotografia que é precária. Os atores também não valem o ingresso, com exceção de Marni Castle, que além de fazer um papel duplo, realiza um bom trabalho com a personagem da vilã lésbica Big Shim. A produção é risível e o diretor é péssimo, mas faz o que pode para encenar as situações. Mas chega de mandar brasa no filme, porque pelo menos a história é engraçada e bem movimentada na medida do possível.

Somos apresentados no início a um casal. Mas logo percebemos que Tony é um gigolô, embora Brenda realmente ame o sujeito. Já em outro lugar estão cinco mulheres, entre elas Big Shim e sua namorada. As outras três moças reclamam do tédio e Big Shim resolve chamar Tony para apagar o fogo das moças. Mas quando o gigolô chega ao local, Big Shim lhe aponta uma arma e o seqüestra pedindo uma quantia de dez mil dólares para Brenda.

Brenda decide chamar uma detetive para que recupere o seu amor. Entra em cena então Sweety East, a detetive com cara de traveco que se encarrega de levar o dinheiro e tentar trazer Tony de volta. Depois de muita confusão, porradaria e perseguição de carro – com a impressão de que tudo foi filmado por um garoto de 5 anos de idade – ela consegue recuperar o sujeito, mas decide não devolve-lo para Brenda, pois também se apaixonou por ele.

Er... E é isso...

Bom, acabei até contando o final desta bagaceira. Aposto que ninguém aqui vai querer assistir mesmo. Pelo menos não pelo enredo, só se for pela quantidade de nudez e a dose de violência, que deram ao filme uma considerável bilheteria na época de lançamento. Hoje, serve de artefato histórico para os verdadeiramente interessados no cinema exploitation e tranqueiras de baixo orçamento.

3 comentários:

  1. Stefano Zorzin (Nino)13/02/09 13:12

    Dia 21 de fevereiro estarei em Vitória! Vamos combinar de ver esse filme ou outro do gênero!

    Abraços do primo!

    ResponderExcluir
  2. Vai ficar até quando? Porque eu não estarei aqui no carnaval...

    ResponderExcluir
  3. Stefano Zorzin (Nino)13/02/09 13:22

    Programação cancelada então!

    Abraços do primo!

    ResponderExcluir