Pular para o conteúdo principal

THE READER (2008), de Stephen Daldry

O Stephen Daldry numa hora dessas deve estar se achando o rei da cocada. Mas com todo esse hype que a Academia criou em cima dele, seria difícil pensar diferente. Três filmes no currículo, três indicações a melhor diretor e duas de melhor filme. O pior é que ele nem vale isso tudo. Ok, é um diretor razoável, tem sua personalidade, quem sou eu pra ficar falando alguma coisa?

E THE READER até que não é ruim. Tem um argumento interessante (que eu não quero contar), boas atuações – mas nada impressionante (a não ser a ousadia da Kate Winslet, toda murcha, aparecer nua em vários momentos) – uma ótima fotografia, trilha sonora, direção de arte e toda parte técnica funcionado legal. Daldry até que se dá bem com planos abertos, lúgubres e contemplativos, mas na direção de atores a coisa fica feia.

Nada que estrague muito a diversão do espectador menos exigente, mas vou tentar explicar o que me incomodou: acho que o problema está na encenação, no comportamento dos atores em cena (não quero dizer atuações ruins), como se os personagens não estivessem vivenciando os acontecimentos, mas sim atuando para uma câmera. Há uma certa falsidade na relação personagem x realidade virtual, por mais que os atores se esforcem. Diferente do teatro, por exemplo, onde a falsidade está enraizada no instantâneo contato com o público. O cinema não. A linguagem cinematográfica permite dar um tom realista que o teatro não pode.

Vamos encurtar a parada: THE READER é mais um desses filmes banais, um pouquinho acima da média, mas vai ter muita gente achando lindo, poético, rasgando elogios exacerbados. Num tô nem aí! Sou muito mais rever THE WRESTLER ou GRAN TORINO...

Comentários

  1. Acabei de comentar o livro (excelente) no meu blog, retomando-o. Se nunca tivesse visto o trailer talvez fosse com mais esperança para o cinema.

    Também, não ví nenhum do diretor.
    Sou nulo.

    ResponderExcluir
  2. Mas assista. Billy Elliot é legalzinho e As Horas é bem melhor que este aqui.

    ResponderExcluir
  3. Não vi, mas para 'tirar' Gran Torino e The Wrestler (inclusive Wall-E) da parada... deve ter sido uma puta sacanagem mesmo.

    ResponderExcluir
  4. completando: da parada de Melhor Filme

    ResponderExcluir
  5. Vi hoje e também achei mediano...

    ResponderExcluir
  6. The Wrestler, é bom filme e com uma atuação F O D A, e só. Não é nada mais que isso.

    ResponderExcluir
  7. The Wrestler é o melhor filme do ano até o momento, na minha opinião.

    ResponderExcluir
  8. Rapaz, a cada dia o reforço a ideia que The Wrestler foi ignorado solenemente do oscar por não tratar dos assuntos que eles babam ... é foda mesmo ... e o pior é que acho que esse filme pode levar o careca ...

    abraços!

    ResponderExcluir
  9. Leva nada. Esse ano o Oscar vai ser do Slumdog, infelizmente...

    ResponderExcluir
  10. nao gosto de billy elliot, nao gosto de as horas e provavelmente nao gostarei de o leitor.

    ResponderExcluir
  11. é... realmente não vai gostar mesmo!

    ResponderExcluir
  12. Leandro Caraça05/02/2009 19:31

    Legal foi a entrega do Bafta. SLUMDOG tinha sido indicado a 13 prêmios e saiu de mão vazia.

    ResponderExcluir
  13. Fale isso não colega ... rezemos para qualquer outro filme ganhar menos slumdog ...

    até!

    ResponderExcluir
  14. Kate Winslet nuazinha sempre vale uma assistida! hehe

    ResponderExcluir
  15. "a ousadia da Kate Winslet, toda murcha, aparecer nua em vários momentos" HAHAHA!!
    Acho que prefiro não ver isso rsss!

    ResponderExcluir
  16. Dos filmes desse ano The Wrestler pra mim é o melhor filme também, pois só vi ele. Bom filme, mas nunca quer ser foda. Até porque o Darren Aronofsky não tem talento pra isso. De qlq forma a atuação do Rourke e Tomei são as coisas que fazem com que o filme se diferencie e fique bom.

    ResponderExcluir
  17. Gostei muito do Billy Eliot, acho um filme de uma sensibilidade extrema. A leveza com que tange um assunto problemático e controveso em uma sociedade ocidental machista e preconceituosa como a nossa tem todo mérito. Além do que a fotografia é linda. As horas preciso rever pa capatar outras impressões. Não me tocou tanto quanto o primeiro. E este em questão, ainda não vi...


    (obs: as remoções anteriores foram minhas mesmo... rs)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …