Pular para o conteúdo principal

BONNIE & CLYDE (1967), de Arthur Penn

Dizem por aí que o ator (e produtor do filme), Warren Beatty precisou implorar de joelhos perante a cúpula da Warner para levar às telas de cinema a vida de Bonnie e Clyde, o famoso casal que roubava bancos na época da depressão americana. Cabeças duras, como sempre, os executivos não tinham idéia de que BONNIE & CLYDE (no Brasil, UMA RAJADA DE BALAS) iria se tornar uma das obras mais influentes do cinema americano e mudaria totalmente a maneira de tratar a violência em Hollywood.

Hollywood, claro! Porque violência, sangue e gore já existia há muito tempo no cinema americano. Mas seria injusto desmerecer a maneira como a violência é abordada aqui. Tomemos por exemplo um dos primeiros assaltos quando Michael J. Pollard estaciona o que deveria ser o carro de fuga. A situação vira uma cena cômica até que PIMBA! Um tiro na cabeça de um funcionário do banco, muito sangue espalhado e acaba a palhaçada!

Não é preciso nem tocar no assunto do desfecho de BONNIE & CLYDE também, não é? Aquele brutal, sangrento, perturbador, chocante! (pronto, falei!). Sam Peckinpah deve ter ficado com água na boca imaginando o que poderia fazer com seus próximos filmes, não é a toa que é chamado de “poeta da violência”.

Também há a influencia da Nouvelle Vague francesa. As primeiras imagens que mostram Faye Dunaway nua em seu quarto parecem saídas de um filme do Truffaut. Por falar nele, a direção quase parou em suas mãos antes de ir para o excelente e subestimado Arthur Penn, que realizou um belíssimo trabalho. Simples, mas moderno, sem as amarras do estilo clássico americano que na época estava meio defasado. Já havia perdido aquela áurea dos anos 30, 40 ou 50, ainda que, deixando bem claro, existissem bons filmes.

Além de Dunaway (que esté maravilhosamente linda), Beatty e Pollard, o filme conta com a presença de Gene Hackman e Estelle Parsons. Todos indicados ao Oscar, mas apenas esta ultima levou a estatueta pra casa, e merecida, embora todo o elenco esteja ótimo. A fotografia também merece destaque (há uma cena em que uma nuvem passa por cima dos atores tapando o sol que é uma coisa absurda de linda, com certeza foi sorte, pois naquela época ainda não se manipulava o tempo com efeitos de computação gráfica), bem como a trilha sonora.

Assistir a BONNIE & CLYDE é recompensador, principalmente quando é a primeira vez, como foi o meu caso. Retirou um peso da minha consciência cinéfila...

Comentários

  1. Filmaço! Mas o meu preferido do Arthur Penn é o Caçada Humana, que quando o assisti na primeira vez, tive que revê-lo já no dia seguinte de tanto que gostei!

    ResponderExcluir
  2. Mais vale tarde... :)

    Vi-o há uns bons anos pela primeira vez. Inesquecível!

    ResponderExcluir
  3. Eu vi o CAÇADA HUMANA, Vlademir, mas não foi numa boa época... preciso rever. Do Penn eu tenho aqui pra ver o MICKEY ONE, também com o Warren Beatty e O PEQUENO GRANDE HOMEM... dica do meu pai que é fã do filme e desde que eu era moleque ele me diz para assistir...

    W. Blues, realmente inesquecível e antes tarde do que nunca mesmo!

    ResponderExcluir
  4. Tem legenda para o Mickey One? Sempre quis assisti-lo?
    Pequeno Grande Homem é lindo sim.

    ResponderExcluir
  5. Tem legenda nada! Nem em ingles ou espanhol pra salvar... vou ter que exercitar o meu iglês. Vai ser o jeito. =)

    ResponderExcluir
  6. Pois é, há tempos procurei legenda e não encontrei em idioma algum. Qualquer dia arrisco ver sem legenda mesmo.

    ResponderExcluir
  7. É, grande parte dos filmes que baixo, eu acabo adiando justamente por não encontrar legenda alguma...sempre vou dando preferencia aos com legenda.

    ResponderExcluir
  8. Isso é muito bom... Influenciaram Mickey e Mallory no filme de Oliver Stone...

    ResponderExcluir
  9. Ainda não vi esse filme. Espero vê-lo o mais breve possível. Vou tentar comprar dessa coletânea da Veja.

    ResponderExcluir
  10. A minha interpretação preferida de Warren Beatty. Um filme a caminho da perfeição.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Bonnie & Clyde ainda não ví.

    Mas passo para deixar uma indicação: "In Bruges" ou "Na Mira do Chefe". Veja Ronald.

    ResponderExcluir
  12. Esse filme eu vi há um século, ainda naquele extinto programa de clássicos legendados que a Globo passava na madrugada de domingo. Aquele final é realmente um choque, embora que já soubesse, por conhecer a história, como a coisa acabava (e parece que na vida real os dois tomaram ainda mais tiro do que no filme!!!!).

    ResponderExcluir
  13. Eu também vi sabendo de que forma seria o final. Mesmo assim impressiona!

    Hehe, a vida real é bem mais violenta!

    ResponderExcluir
  14. Leandro Caraça13/02/2009 12:52

    Existem tantas histórias e lendas a respeito desse filme. A minha preferida - seja verdade ou não - é a que conta que os roteiristas (Robert Benton e David Newman) escreveram pensando em Truffaut e chegaram até a oferecer pro Godard dirigir.

    ResponderExcluir
  15. Sim, também já ouvi essa história! Parece que o Truffaut estava realmente interessando, mas preferiu fazer FAHRENHEIT 451... e o Godard nunca quis trabalhar em Hollywood e já estava começando com aquela história de que o cinema morreu e que não acreditava mais em Hollywood, etc...

    ResponderExcluir
  16. Daniel The Walrus13/02/2009 17:36

    A melhor implorada da história do cinema!

    Pretendo que a edição especial desse filme seja minha primeira compra em Blue-Ray, já q Bonnie & Clyde foi um dos primeiros DVDS nacionais q eu comprei na vida.

    ResponderExcluir
  17. Daniel The Walrus13/02/2009 17:52

    E muito bom seu texto ROnald. Se eu não tivesse visto o filme, ficaria com vontade de faze-lo.

    A cena do banqueiro tomando um tirambaço no cara pelo vidro do carro é pra mim a síntese da violência estética no cinema. Nada supera.

    ResponderExcluir
  18. Opa, valeu! Essa cena é um ponto crucial para essa síntese. Há uma cena anterior também, que o Beatty assalta um mercado e um cara chega por trás com um cutelo e termina de forma violenta também... é basicamente uma preparação para o que estava por vir.

    ResponderExcluir
  19. Filme realmente muito bom. Já viu Gun Fury, do Joseph Lewis? É basicamente a mesma história contada de maneira bem diferente - eu particularmente prefiro, embora o nível seja quase o mesmo entre os dois.

    ResponderExcluir
  20. Não, esse ainda não vi... deve ser legal também! =)

    ResponderExcluir
  21. Leandro Caraça14/02/2009 23:06

    Assista ao MICKEY ONE o quanto antes. Fiquei anos caçando esse filme. Só fui agora em outubro. Parece coisa de cara da Nouvelle Vogue em exílio nos EUA.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …