Pular para o conteúdo principal

Joe D'amato

Não se pode exigir qualidade de todas as produções do diretor italiano Joe D’Amato. Aliás, qualidade é algo que o sujeito não preza mesmo. O que devia ser mais importante pra ele é a quantidade. Que digam os mais de 190 filmes no currículo! D’Amato, cujo nome verdadeiro era Aristide Massaccesi, filmava uns oito filmes por ano e às vezes mais de um ao mesmo tempo! Dentro desse amontoado de filmes, cuja direção era assinada com vários pseudônimos diferente, salva-se mesmo uns 15 filmes.

Mas então o cara era uma droga como diretor? Sim! Em muitos casos, o resultado de seu trabalho não era muito diferente de bosta de cavalo, então por que raios eu gosto deste diretor? Porque Joe D’Amato tinha o que muitos diretores não têm: culhões! Ele foi um dos cineastas mais ousados, corajosos e picaretas de seu tempo e toda e qualquer idéia, por mais perturbadora, iconoclasta, sádica e imoral que tivesse, era aproveitada em seus filmes.

Até aqui, este texto seria a introdução de uma análise que eu iria fazer do filme Rosso Sangue, aka Absurd, aka Antropaphagus 2, de 1982, mas resolvi deixar pra escrever mais tarde. Joe D’Amato vai ser figurinha constante no Dementia 13, seja com suas tralhas de baixa categoria, seja com seus filmes mais famosos.

Eis aí mais alguns motivos para gostar de Joe D’Amato:

• O canibal grego Nikos, interpretado por George Eastman, eleva seu nível de sadismo ao máximo na cena em que mastiga um feto em Antropophagus (1980).

• No mesmo filme, depois ter a barriga perfurada e as tripas colocadas pra fora, Nikos resolve nada mais nada menos que colocar tudo de volta pra dentro. Literalmente, o sujeito “se come”.

• D’Amatao dá uma aula de direção filmando uma autópsia extremamente realista no romance necrófilo Buio Omega (1979).

• Cenas de Snuff Movies de Emanuelle na América (1977). Diz a lenda que D’Amato conseguiu imagens reais de snuff’s com mafiosos russos! Hahaha!

• Mistura de sexo explícito com terror e suspense em filmes como Pornô Holocausto (1981), Emanuelle na América (1977) e Erotic Nights of Living Deads (1980).

• Realizou um dos filmes mais importantes do subgênero Nunsploitation (aqueles onde as freiras são protagonistas), Immagini di un convento (1979), com mais doses erotismo e atacando a igreja católica de todas as formas possíveis.

• Dirigiu Klaus Kinski em A Morte Sorriu para o Assassino (1973).

D'Amato morreu em 1999 em plena atividade e muitos outros momentos poderiam ser destacados, obviamente...

Comentários

  1. Ja vi Emmanuelle in America e ao contrario, nem achei bostão, é um bom filme.

    Mas tou com Porno Holocaust, Antropophagus e Buio Omega para ver aqui.

    ResponderExcluir
  2. Emanuelle faz parte daqueles filmes do diretor que possui um acabemento melhor, uma produção boa... mas a grande maioria da filmografia dele é composta de tralhas divertidas ue valem muito a pena assistir também.

    ResponderExcluir
  3. D'Amato era doido, um doido fazendo filmes ruins.....
    e ainda existem doidos vendo seus filmes....
    Eu assisti pedaços do Immagini di un convento e porno holocausto.

    ResponderExcluir
  4. Sou fan do D'Amato! E eu vejo mais qualidades do que defeitos em sua obra.

    ResponderExcluir
  5. O interessante é que no meio de tanta barbárie ele fez um filme totalmente Sessão da Tarde no estilo Caninos Brancos: é o Giubbe Rosse, com Fabio Testi. Esse até a minha mãe assistiu! Saiu em VHS no Brasil como Destino Cruel.

    ResponderExcluir
  6. E D'Amato pode até não ser um grande cineasta, mas seus trabalhos como câmera e diretor de fotografia são fabulosos. Principalmente no Spaghetti Western.

    ResponderExcluir
  7. Whatafuck!

    Vou acompanhar essas postagens, e irei atrás dos filmes a medida que fores escrevendo.
    PERTURBADOR!

    Abs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …