Pular para o conteúdo principal

ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA (2008)


aka BLINDNESS
direção: Fernando Meirelles
roteiro: Don McKellar

Resolvi falar alguma coisa sobre Ensaio Sobre a Cegueira antes que eu deixe o tempo passar demais e perca qualquer condição de escrever sobre o filme que, aliás, está sendo meio massacrado injustamente por um grupo de críticos. Não sou lá um grande entusiasta de Meirelles, mas achei a sua adaptação da obra de Saramago bastante correta, segura, respeitando fielmente o material que tinha em mãos e que dialoga um bocado com o cinema fantástico. As escolhas estéticas conseguem transmitir muito bem a sensação de caos que a história apresenta, principalmente a fotografia de César Charlone, colaborador habitual de Meirelles, que trabalha o branco e a luminosidade das imagens para recriar a cegueira branca descrita por Saramago em seu livro.

O elenco composto por atores de Hollywood e de outras partes do globo é muito bom, com exceção de Julianne Moore que está a um nível acima, maravilhosa em uma de suas melhores atuações. Mas nem só de estética e boas atuações vive um filme. E por mais que eu tenha gostado, Ensaio Sobre a Cegueira não passa de um rascunho de algo que poderia ser muito mais interessante, provocador e perturbador. Ao suavizar as situações e os momentos que no livro causam repugnância e o choque, Meirelles impede a descida ao inferno que o livro proporciona deixando o filme mais acessível e comercial. Sendo assim, prefiro rever Saló de Pasolini que eu ganho muito mais...

Comentários

  1. Porra ... que extremo em Ronald ... ehehe ...

    Mas pelo menos se você diz que foi uma boa adaptação ... tá bom demais ...

    ResponderExcluir
  2. Não li o livro, mas gostei bastante do filme, que tem momentos bem fortes. E Julianne dá um show!

    ResponderExcluir
  3. Ronald, eu ainda não tive a oportunidade de ler ao romance do Saramago, mas pelo que pude ler dos comentários em relação dele me parece que o filme deu uma grande suavizada nos acontecimentos mais pesados. Mas não foi isto que me incomodou de fato em "Ensaio Sobre a Cegueira", já que o filme apresentou falhas cruéis de conexão de cenas, sendo a mais gritante aquela mal encenada do incêndio sendo mostrado posteriormente a liberdade dos personagens. Acho que este momento deve ocorrer de forma bem mais delineada e convincente no livro.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Primeira crítica 'meia meia' que leio sobre ele, mas é bem como o Johnny disse. O livro é foda mesmo, mas se ele cortou grande parte do 'hardcore'... uma pena. E tem um meme pra ti.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Achei o filme muito bom e saí do cinema com a impressão de que a essência do livro estava toda ali. Julianne Moore está perfeita.

    Para mim, a não aceitação do filme lá fora é injusta. E essa história de um grupo de cegos manifestar no dia do lançamento então, é absurda.

    ResponderExcluir
  6. E o pior é que eles nem viram o filme...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …