Pular para o conteúdo principal

RUN (1991)


aka FUGINDO PARA VIVER
direção: Geoff Burrowes
roteiro: Dennis Shryack, Michael Blodgett

Alguém se lembra deste aqui? Anda meio esquecido atualmente, mas RUN é um pequeno thriller de ação do início dos anos 90, divertido à beça, que traz Patrick Dempsey como um estudante de direito que faz qualquer coisa pra ganhar uma graninha extra para ajudar a pagar seus estudos. Por isso, aceita logo de cara o serviço de levar um Porsche até outra cidade para entregá-lo ao seu dono. No meio do caminho, o carro apresenta alguns defeitos e é preciso parar na cidade mais próxima para consertá-lo. Tendo algumas horas pra matar, Dempsey descobre um cassino clandestino onde resolve fazer um dinheiro a mais no poker. O problema é que um de seus adversários toma uma antipatia pelo nosso protagonista e resolve arranjar briga e, acidentalmente, escorrega, bate a cabeça e morre. Acontece que o sujeito é filho do chefão da máfia local, que coloca uma recompensa pela cabeça do mancebo. Agora Dempsey está numa grande enrascada, se escondendo de todas as formas possíveis numa cidade estranha, tendo a máfia e alguns policiais corruptos à sua cola! Eita plot danado de bom!


Patrick Dempsey era um desses “astros de sessão da tarde” naquela época, e RUN talvez seja seu trabalho mais diferentão, voltado pra outro público, mas também é um de seus melhores desempenhos! Nunca o considerei um ator virtuoso, mas longe de ser ruim, e aqui até exagera demais em alguns momentos, mas consegue ser convincente na sua situação desesperadora, além de mostrar as mudanças que seu persongem sofre. Do jovem ousado e arrogante ao sujeito cativante que torcemos até o fim! Nada muito profundo ou reflexivo, obviamente, mas quem procura apenas um bom passatempo e ação sem frescuras vai conseguir encontrar algo interessante por aqui. O roteiro cria as situações movimentadas e frenéticas que o filme precisa pra dar certo e o diretor Geoff Burrowes comanda tudo com mão firme, de maneira funcional, dando ao espectador exatamente aquilo que busca.

A cena do estacionamento que culmina com o carro da dupla policial corrupta despencando de uma certa altura é muito bem construida, do mesmo modo que o climax final. Não sei se chega a ser uma pena o Burrowes nunca mais ter dirigido coisa alguma, até porque sua direção não é nada acima do padrão daquela época, embora seja acima da média para o padrão atual, mas enfim, se houvesse garantia de outros filmes no nível de RUN, então com certeza foi uma pena o cara nunca mais ter dirigido!

Comentários

  1. João do caminhão06/09/2011 01:01

    Tenho uma duvida:

    Lembro bemmm vagamente de um filme onde o personagem principal escapa no final escondido dentro de uma escultura feita por uma mulher.

    Seria este filme?

    ResponderExcluir
  2. Não, esse aí é o DEPOIS DE HORAS, do Martin Scorsese.

    ResponderExcluir
  3. Valeu pelo post, tem algum tempo que procuro informações sobre esse filme,mas não lembrava o título.Se não me engano o final se passa em um parque de diversões ou uma pista de corridas.

    ResponderExcluir
  4. Isso mesmo, é uma dessas pistas de corrida de cachorro, que tem um coelhinho de madeira ligado a um motor, pra fazer os cachorros correrem atrás dele...

    ResponderExcluir
  5. Falando em Sessão da Tarde que tal um post sobre "A Emboscada", aquele em que uma professora e seus alunos são sequestrados por criminsos fantasiados, cujo o líder veste uma roupa de Papai Noel.
    Lembra que é o diretor do filme.

    ResponderExcluir
  6. Você tá querendo dizer este aqui?
    http://www.imdb.com/title/tt0091069/

    Se for, já estou com ele pra rever e fazer uma resenha em breve!

    ResponderExcluir
  7. Nunca tinha sequer ouvido falar deste filme, mas só de ver este poster já vale um download descompromissado! Valeu pela dica, Perrone-brother!

    ResponderExcluir
  8. Hmm, por causa desse post, acabei lembrando de outro filme esquecido dos anos 90: "Sádica Perseguição" (Night Of The Running Man, 95). Andrew McCarthy é um taxista que passa a ser perseguido por Scott Glenn e John Glover depois de ter ficado com uma maleta cheio de dinheiro roubado. Uma cena inesquecível: ladrão tem os olhos cortados depois de tentar assaltar o Glenn.
    - "Você cortou meus olhos! Não consigo enxergar!"
    - "Arranje um cachorro."
    Hahahahaha!!!

    ResponderExcluir
  9. Não conferi o filme comentado, mas Night of the Running Man é um sr. clássico da truculência com direção do Mark L. Lester. Recomendo também.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …