Pular para o conteúdo principal

PAVOR NA CIDADE DOS ZUMBIS (Paura nella città dei morti viventi, 1980), de Lucio Fulci

Praticamente um ano depois de dirigir sua obra-prima, ZOMBIE 2 (79), o diretor italiano Lucio Fulci foi para os Estados Unidos onde se firmou e realizou um bom número de filmes, como PAVOR NA CIDADE DOS ZUMBIS. E já pelo título deste, nota-se que Fulci continuou a explorar o tema dos mortos vivos que povoam a terra e etc. Mas, além disso, tentou desenvolver um estilo que envolvesse mais elementos de horror do que somente zumbis que brotam do nada, diferente do seu filme anterior que, por mais que tenha explicações do surgimento dos zumbis, possui uma certa ligação com o cinema de George A. Romero.

Esta tentativa de se criar o novo, um experimentalismo pulsante e genial que dá todo o sentido de existir do cinema de Fulci, infelizmente acaba não dando muito certo por aqui. Mas graças ao bom Deus, o diretor amadureceu a idéia e filmou THE BEYOND (81) onde obteve resultados muito mais excelentes. PAVOR NA CIDADE DOS ZUMBIS pode ser considerado um esboço de THE BEYOND, mas por favor, de maneira alguma essa preciosidade é de se jogar fora. Mesmo que Fulci pareça meio perdido, sem muita noção ao trabalhar com tantos elementos, ele soube criar algumas das seqüências mais extremas, violentas e atmosféricas de sua filmografia e que satisfazem tranquilamente o desejo de sangue de seus fãs, deixando de lado os furos e constrangimentos do roteiro.

Só pra dar um gostinho, existe uma cena onde uma moça vomita suas próprias vísceras e Fulci faz questão de mostrar com variações impressionantes de closes. Quase que eu coloquei as minhas próprias tripas pra fora ao ver aquilo, enfim... Outra cena maravilhosa é a do rapaz que é assassinado com uma broca. Extremamente realista e bem filmada, graças ao mestre italiano dos efeitos especiais, Gianetto de Rossi, só essa seqüência já valeria o ingresso do filme (se por algum milagre divino passasse num cinema por aqui). A história de PAVOR NA CIDADE DOS ZUMBIS é totalmente descartável, até mesmo porque tentar acompanhá-la é dar motivo pra decepção. O bom mesmo é reparar os detalhes, as seqüências recheadas de gore, se você é fã de Fulci ou do cinema italiano de horror daquela época sabe do que estou falando...

Comentários

  1. Gostaria de saber um pouco mais sobre filmes de zumbis, pois gosto muito... Zumbis italianos são novos pra mim, rs, me deu muita vontade de conhecer...

    ResponderExcluir
  2. Ah, que filme!!! Christopher George tendo a cabeça esmagada, Janet Agren recebendo uma chuva de vermes, Catriona McColl enterrada viva, Giovanni Lombardo Radicci com a cabela atravessada por uma broca e Michele Soavi assistindo a namorada vomitar as tripas! É, pessoal, não se fazem mais filmes assim, e ainda que PAVOR... seja o mais fraco daqueles antológicos filmes de horror feitos pelo Fulci no começo dos anos 80 (prefiro ZOMBIE, THE BEYOND e mesmo A CASA DO CEMITÉRIO), ainda assim é obrigatório e melhor que 99% dos filmes de terror feitos hoje. Bons tempos que não voltam mais...

    ResponderExcluir
  3. O CARA DA LOCADORA: comece pelos filmes de zumbis do Lucio Fulci, como ZOMBIE 2, THE BEYOND e este aqui. É um universo muito interessante... heheh

    Concordo plenamente FELIPE, é como eu disse, pode ser um dos mais fracos em termos de roteiro e argumento dos filmes de zumbi do Fulci, mas só por essa lista de fatos dentro do filme, já merece ser obrigaório!

    ResponderExcluir
  4. Leandro Caraça18/12/2008 11:23

    Se a gente pensar que o Fulci fez mesmo a atriz engolir um intestino recém retirado de um carneiro, é ainda mais fácil fazer voltar o almoço ...

    ResponderExcluir
  5. Até hoje eu faço um esforço danado pra não associar aquela cena a uma mulher tendo que engolir de verdade um intestino de carneiro.

    ResponderExcluir
  6. Quando eu tinha visto THE BEYOND pela primeira vez, falei a mim mesmo "Que filme louco do cacete." Anos depois, foi a vez de PAVOR... e vi que - em termos de porralouquice - THE BEYOND era fichinha hehe.

    ResponderExcluir
  7. A cena do Christopher George dando picaretadas na tampa do caixão sem se tocar que a ponta da ferramenta pode esmagar a cabeça da pobre Catriona McColl é antológica... E, claro, foi homenageada por Tarantino em Kill Bill.

    ResponderExcluir
  8. É verdade, dá aquela mesma sensação claustrofóbica!

    ResponderExcluir
  9. Rola também SILÊNCIO DO LAGO naquela mesmíssima cena hehehe

    ResponderExcluir
  10. Ainda acho a cena do vômito a top 1numa possível lista de melhores mortes do cinema. E adoro mesmo Pavor, não fosse aquele decréscimo de tensão incompreensível nos últimos 15, 20 minutos, estaria entre os grandes do gênero.

    ResponderExcluir
  11. giannetto é foda mesmo, subestimadão. savini é o caralho.

    é um bom filme.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …