Pular para o conteúdo principal

JCVD (2008), de Mabrouk El Mechri

Jean Claude Van Damme, assim como Steven Seagal, Dolph Lundgren, Chuck Norris (e muitos outros), é desse tipo de ator que estabeleceu uma certa imagem dentro do cinema: dos homens de ação, atores sem talento que utilizam seus corpos em personagens vazios apenas para chutar bundas e metralhar vagabundos sem piedade. Mesmo que tudo isso não seja verdade, e vejam bem, não reclamo deste tipo de filme, sempre há aqueles exemplos divertidíssimos e o próprio Van Damme estrelou alguns que eu adoro, como CYBORG – O DRAGÃO DO FUTURO e SOLDADO UNIVERSAL.

Van Damme já passou por tudo nessa carreira. Teve altos e baixos, problema com drogas e etc. Em JCVD, o ator põe a cara a tapa para fazer uma análise não só da sua persona como estrela cinematográfica, mas como ser humano. O filme propõe mostrar este Van Damme feito de carne e osso (interpretando a si mesmo) reclamando que já está velho demais para realizar certas seqüências quando um longo plano seqüência de ação fica uma porcaria e é preciso fazer tudo de novo; um Van Damme solitário depois de ter perdido a guarda da filha em processos jurídicos; um Van Damme fracassado em sua carreira como ator, realizando filmes que vão direto para DVD...

Não é bom dissertar sobre a trama do filme, que é bem simples, mas bastante funcional em colocar Van Damme numa posição em que é obrigado a atuar, nem que seja com uma arma apontada na cabeça, mas que serve perfeitamente como veículo para que o sujeito expulse seus demônios, principalmente na melhor seqüência do filme, um monólogo impagável onde o ator, olhando diretamente para a câmera por quase sete minutos, submete-se a expor sua imagem com um tour de force impressionante em um filme que gira em torno dessa áurea.

Comentários

  1. Cara, estou louco pra ver esse filme desde que surgiram as primeiras notícias. Procurando no Dreamule, aparecem uns 500 arquivos. Acho que 90% deles são fakes. Qual o nome do que você baixou, só para eu procurar pelo certo?

    ResponderExcluir
  2. Felipe, eu baixei do Cinemageddon um torrent com o nome de JCVD. Somente isso. Mas, no legendas.tv eu achei uma legenda em portugues que serviu direitinho e tem pros seguintes releases:

    JCVD.LIMITED.DVDRip.XviD-NEPTUNE
    JCVD.FRENCH.DVDRiP.XViD-NTK
    JCVD.(2008).DVDRip.AC3.XviD-MANiK
    JCVD.LIMITED.DVDRip.XviD.AC3-DEViSE
    JCVD[2008]DvDrip[French]-FXG

    Espero ter ajudado... =)

    ResponderExcluir
  3. Também quero muito ver esse filme.
    Fiquei feliz quando vi Legendas em tradução no legendas.tv e vi JCVD.
    Em breve assistirei. Só vejo comentários positivos sobre esse filme. Aliás, tenho que anotar alguns filmes para ver, pois existem vários, principalmente dessa leva do Oscar e outros mais desconhecidos.
    Fiquei contente com sua crítica positiva ao filme. E do Van Damme não se pode esquecer de O Alvo. Também gosto do clássico da sessão da tarde O Grande Dragão Branco, Soldado Universal, Morte Súbita e até que gostei de alguns desses últimos filmes dele, como Hell e Legionário.

    ResponderExcluir
  4. Preciso ver alguns dos ultimos filmes dele. HELL eu não vi ainda, ams LEGIONÁRIO eu cheguei a ver e não gostei muito...

    ResponderExcluir
  5. Sei não, li umas críticas em inglês desse filme, principalmente no Rotten Tomatoes, depois procurei alguma coisa em português sobre o filme JCVD, quando achei esse site.

    Percebi que esse texto é, em sua maior parte, trechos traduzidos dessas críticas em inglês.

    Pelo menos é um serviço para quem não lê inglês.

    ResponderExcluir
  6. Nossa! gostou tanto assim do texto e achou que eu copiei de outro lugar?!?! Caramba, valeu, Sr. Anonimo!

    Mas da próxima vez mostre a cara pra ter mais credibilidade por aqui.

    ResponderExcluir
  7. Hahaha, essa de copiar texto de site gringo ficou engraçada, até parece!! Gostei bastante do teu texto Ronald. O Filipe tambem escreveu um bem legal no Anotacoes de um Cinefilo.

    ResponderExcluir
  8. Pois é... heheh
    Ah, e eu li o texto do Filipe, que são sempre bons!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …