Pular para o conteúdo principal

JEAN ROLLIN - POETA DO HORROR

Confesso que preciso dar muita atenção ainda ao francês Jean Rollin. Meu primeiro contato com ele havia sido com o terrível ZOMBIE LAKE (1981), que na minha ingênua ignorância, coloquei a culpa pelo fracasso e cretinice do filme no diretor. Ainda continuo ingênuo e ignorante, mas melhorei um pouco de lá pra cá. Já considero o filme divertido, só que pelos motivos errados. Tem algumas das piores cenas de zumbis em ação que eu já vi, as maquiagens parecem ter sido feitas por uma criança, a trama é ridícula e chega a dar pena dos atores. Mas o negócio é não levar a sério, entrar no clima e dar boas risadas.

Só para dar mais informação, ZOMBIE LAKE era um projeto de outro diretor maluco, o Jess Franco, com todos os elementos característicos que só ele sabia trabalhar. O filme seria uma bomba de qualquer jeito, mas talvez não fosse tão ruim, já que Franco é mestre nesse tipo de coisa. Mas o sujeito desapareceu na véspera das filmagens e Jean Rollin foi chamado pelos produtores 6 horas antes de começar a rodar o filme!!! Acabou assinando como A. J. Lazer e ficou por isso mesmo.

Enfim, venho acumulando alguns filmes do Rollin por aqui, mas nada de parar para assistir. Ontem resolvi ver THE GRAPES OF DEATH (1978) e agora sim, pude contemplar o que o diretor é capaz. Trata-se de um poético zombie movie, filmado, creio eu, no interior da França, onde os contaminados surgem por causa de um novo pesticida utilizado em uma vinícola.

Quase não há diálogos e a trama pouco importa. Parece mais um sonho, que vai ficando cada vez mais denso. Uma jovem foge do trem por causa de um zumbi e vaga até seu destino enfrentando situações de puro terror com essas criaturas, percorrendo o belíssimo cenário. Em uma cena surreal, ela encontra a grande Brigitte Lahaie, e o que se segue a partir daí é simplesmente do cacete! O plano do zumbi beijando a cabeça decepada de uma mulher é apenas um dos pontos altos deste espetáculo grotesco. Muito bom mesmo!

Portanto, se alguém tiver interesse em iniciar a obra de Rollin, acho que THE GRAPES OF DEATH seria bem mais recondável que ZOMBIE LAKE...

Comentários

  1. Belo texto, mas mais belo é o ultimo screen!!! Do Rollin eu recomendo também o tesudo Requiem For a Vampire. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Um típico exemplar do trash (que anda em voga atualmente no cinema americano).

    Cultura na veia:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Pelo contrário. GRAPES OF DEATH está longe de ser trash.

    ResponderExcluir
  4. "minha ingênua ignorância, coloquei a culpa pelo fracasso e cretinice do filme no diretor"

    E é. Eu gosto do Rollin, mas não dá pra achar que ele é um bom diretor, nem aqui nem na Sibéria. hehehe

    ResponderExcluir
  5. Bah, não concordo. No caso de ZOMBIE LAKE, entrar assim de uma hora pra outra pra dirigir um projeto que seria de Jess Franco, até Sergio Leone teria feito uma cagada... Rollin foi lá filmou o que tava no papel, recebeu o cheque e foi embora.

    ResponderExcluir
  6. "até Sergio Leone teria feito uma cagada..."

    Depende de que fase eu concordo. Pré ou pós "Três Homens em Conflito"?

    ResponderExcluir
  7. Pós, no mesmo ano de 1981, hehe... mas isso foi apenas pra ilustrar a minha tese de que o Rollin não teve tanta culpa do filme ter saído uma merda...

    Mas até que seria curioso se o Leone tivesse feito um filme de zumbis nazistas!

    ResponderExcluir
  8. Leandro Caraça25/07/2010 02:17

    É um cineasta imperfeito pelas condições em que trabalhava, pois raramente tinha profissionais ou orçamentos razoáveis - na época a maioria dos filmes de horror franceses eram feitos com menos grana do que na Espanha ou Itália.

    ResponderExcluir
  9. E mesmo assim fez uma obra belíssima, como Grapes of Death.

    ResponderExcluir
  10. Wow! Sou obrigado a defender o cara! Quando eu e o Carlão fizemos a "Virada das Vampiras" rolou uma lavagem cerebral de Rollin. É meio isso que o Caraça falou. Considerando os parcos recursos ele se saía muito bem. Mas o maior mérito dele é ter criado um imaginário vampiro único. É inegável sua marca de "auteur" em seus filmes. Ah! Espera um minuto... vou fazer um post sobre o cara e amanhã publico. Este espaço vai ficar pequeno se eu for falar do cara. Mas "Zombie Lake" é uma merda mesmo.

    ResponderExcluir
  11. Opa, então aguardamos o seu post sobre o Rollin, Leopoldo!

    ResponderExcluir
  12. Leandro Caraça25/07/2010 17:23

    E o caso do "Zombie Lake" chega a ser ridículo. O Franco dirigiu sim boa parte do filme, mas a grana era tão pouca, que ele, JUSTO ELE, resolver cair fora. E aí, a Eurocine (lar das produções mais bagaceiras do cinema francês) chamou o Rollin.

    ResponderExcluir
  13. A informação que o Franco chegou a dirigir alguma coisa em Zombie Lake é nova pra mim... pensei que tivesse abandonado antes. De qualquer forma, só reforça a idéia de que não se pode culpar o Rollin pela ruindade do filme. Tá certo que o Rollin é desses que faz maravilhas com baixo orçamento, mas neste caso não dava mesmo.

    ResponderExcluir
  14. O filme que o Franco escreveu e ia dirigir é "O Anjo da Morte", também conhecido pelo single nome de "Commando Mengele" - Howard Vernon como Joseph Mengule !!! Mas o espanhol sumiu sem dar satisfação e chamaram o Andrea Bianchi pra dirigir. Isso daqui passou na TNT lá por volta de 97/98, e eu não acreditava naquilo, acahava que estava delirando, era ruim demais ...

    ResponderExcluir
  15. Já está no blog o post do Rollin: http://tauffenbach.zip.net/
    Enjoy!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …