Pular para o conteúdo principal

FUGA MORTAL, aka Army of One; Joshua Tree (1993)

Perdi as contas de quantas vezes assisti a este pequeno action film que o Dolph Lundgren estrelou no início dos anos 90, mas já fazia uns bons dez anos que não conferia. FUGA MORTAL é mais lembrado pela clássica sequência da trocação de tiros frenética que Dolph protagoniza num armazém lotado de Ferraris. Revendo hoje, me bateu um saudosismo daquela época em que o cinema de ação era mais truculento, cada frame exalava testosterona e os diretores não economizavam em barbaridades e violência. Além disso, até um filme menor, como este aqui, tinha uma direção que, se não era das melhores, ao menos não havia certas frescuras do cinema atual… bons tempos.

A trama de FUGA MORTAL começa com Santee - o nosso action heroe Dolph Lundgren - dirigindo um caminhão pelas estradas americanas junto com seu parceiro, Eddie, transportando sabe-se lá o que, pra manter o suspense. Durante o percurso, um policial rodoviário decide pará-los. Enquanto Santee espera ao volante, Eddie sai da cabine para atender o oficial. Um misterioso carro se aproxima e um confuso tiroteio se inicia, o protagonista resolve sair e dá de cara com seu parceiro baleado. Mais tiros, Santee é alvejado, assim como o policial… e o espectador fica boiando sem saber direito o que está acontecendo.

Mas tudo faz parte do "elaborado" roteiro escrito Steven Pressfield, que tem no currículo alguns filmaços como NICO - ACIMA DA LEI e FREEJACK - OS IMORTAIS. É lógico que Santee sobrevive ao tiro, se não, como teríamos o filme sem o Dolph? Apesar de que, em MOMENTO CRÍTICO, o Steven Seagal morre nos primeiros dez minutos e o filme continuou sem ele... Até hoje fico chocado quando lembro. Mas não é o caso de FUGA MORTAL. O sujeito é preso e se recupera na enfermaria da prisão mais próxima. Com o ferimento da bala sarado, Santee é transportado para um presídio e, durante a viagem, mais mistérios, os policiais encarregados a acompanhá-lo tentam matá-lo. Santee foge e passa o resto do filme na tal “fuga mortal” do título nacional.


Durante a escapada e as tentativas de se esconder e sobreviver, Santee toma como refém uma policial gostosa e prepara uma vingança contra aqueles que querem vê-lo morto, além de tentar limpar seu nome. Esses objetivos num filme dos anos 90, estrelado pelo Dolph, só significa uma coisa: AÇÃO! E das boas! Não faltam perseguições de carro em alta velocidade, tiroteios, explosões, pancadaria, ingredientes essenciais. No final, por exemplo, temos a famosa e sem noção perseguição em que Dolph arruma uma Ferrari vermelha enquanto seus adversários tentam lhe pegar com uma Lamborghini preta! Que porra é essa? Claro, quando se tem doze anos e vê um troço desse tipo, se torna algo extremamente cool na nossa cabeça, pra contar na escola para os amigos. Mas assintindo agora é, no mínimo, bizarro!


Ainda bem que temos o tiroteio no armazém cheio de ferraris, que é o ponto alto de FUGA MORTAL. Obviamente, todas as ferraris são réplicas muito bem feitas do carro italiano, inclusive a que o Dolph utiliza nas cenas de perseguição… a produção não teria como bancar o estrago de um monte de Ferraris e o diretor NÃO é o Michael Bay. Mas a sequência é linda! Dolph invade o local cheio de capangas, distribuindo tiro pra tudo quanté lado! Curioso é que, originalmente, o roteiro previa apenas cinco bandidos para o confronto, mas o diretor Vic Armstrong achou pouco, queria mais ação e acrescentou um bom número a mais de capangas descartáveis, apenas esperando a vez de levar tiro! Por que não existem mais diretores como Vic Armstrong?!?!

Aliás, o sujeito é famosíssimo em Hollywood, mas seu único trabalho de direção em longas é FUGA MORTAL, um filme de baixo orçamento com o Dolph. Como isso é possível? Trata-se de um dos grandes  dublês do cinema americano, Armstrong é uma autêntica celebridade em seu ramo e até livro a seu respeito já foi publicado. Foi Indiana Jones nas cenas perigosas, dublê de 007 quando Sean Connery ainda interpretava o papel, a lista de filmes do cara é impressionante, tendo trabalhado com diretores do calibre de Cimino, Spielberg, Polanski, Verhoeven, McTiernan, Scorsese, e por aí vai... Pena seu único trabalho na direção tenha sido apenas este aqui. 

Voltando à cena, outro detalhe importante é que estamos no início dos anos 90, quase todo mundo queria filmar ação como John Woo e essa sequência especificamente é uma bela homenagem ao “heroic bloodshed” que o diretor chinês fazia em sua época mais inspirada. FUGA MORTAL não chega aos pés de um HARD BOILED, mas Armstrong mandou muito bem na coreografia da ação dessa cena e Dolph Lundgren encarna direitinho o herói do gênero, com uma pistola em cada mão que parece ter munição infinita. Sem dúvida, uma dos melhores momentos de ação protagonizado pelo sueco. Exagerado e violento!




E para completar a série de elementos que todo bom filme de ação deveria ter, a policial gostosa, interpretada por Kristian Alfonso, mostra os peitos. Tiroteios, perseguições, explosões, diretor dublê e peitos, o que mais precisamos em um filme como este? Boas atuações? O protagonista é o Dolph, então já garante um desempenho de qualidade por parte do protagonista. Tirando o nome meio gay que deram ao personagem, Santee, é um dos mais mais sombrios e cafajestes que o Dolph já fez. É o tipo de figura que você não gostaria de topar num beco escuro à noite… seja lá o que isso significa. E estamos falando do herói do filme! George Seagal parece se divertir muito fazendo o vilão, o policial corrupto que desgraçou a vida de Santee (ui!). E mais: Ken Foree, Michael Paul Chan, Matt Battaglia e Geoffrey Lewis, como o xerife confuso.

FUGA MORTAL é desses casos obrigatórios para quem curte o trabalho do Dolph. entra fácil num Top dez do ator. Para quem tem mais de quarenta filmes ao longo da carreira, isso quer dizer muito! Inclusive, acho até que quem não é fã do sueco, mas procura um passatempo simples, sem compromisso, em produções menores do gênero, corre o risco de se divertir à beça com este, afinal, o filme cumpre bem o seu papel de exemplar de ação dos anos 90, é bem movimentado, tem uns peitinhos e vários rostos reconhecíveis. Precisa mais que isso?

Comentários

  1. Pelo visto preciso rever os meus conceitos sobre o dolph lundgren, porque até então o único filme dele que achava que prestava era o "Black Jack" dirigido pelo John Woo.
    abs

    ResponderExcluir
  2. Adoro esse filme! Um dos melhores do Dolph. =)

    ResponderExcluir
  3. Elson, precisa rever seus conceitos mesmo. O Dolph é um dos melhores atores dessa geração brucutu que surgiu nos anos 80 e até hoje seus filmes sao bem legais. É mais difícil apontar um filme ruim com ele, do que os bons. Claro... essa é a minha opinião. Hehehe

    ResponderExcluir
  4. Victor Ramos (Jerome)06/01/2012 20:57

    Estou à procura de uns filmes truculentos de ação. Valeu pela dica... pretendo dar uma olhada nesse.

    Terra do Cult

    ResponderExcluir
  5. Vi a sinopse aqui e fui correndo baixar. FILMAÇO! O Dolph tá muito bem nesse filme cara, ação do começo ao fim. Aquela cena do armazem é do caralho, ele botando pra fuder com os caras lá. Acho que foi o melhor filme dele que já vi.
    Ah, o seu blog e o Filme para Doidos são as minhas diretrizes pra buscar filmes de ação e outros classicos esquecidos. Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Opa, valeu pelas palavras! O cinema de ação, atualmente, é o que mais me estimula a escrever e compartilhar experiencias.

    ResponderExcluir
  7. não esqueça do tio Castellari

    ResponderExcluir
  8. pqp nao me canso de assistir esse filme. na minha opiniao eh o melhor filme protagonizado pelo Dolph

    ResponderExcluir
  9. esse é bom mas para mim o melhor filme dele é o grande anjo negro. este é bem interessante.

    jonathan.

    ResponderExcluir
  10. esse filme é o máximo, assisti quando criança e desde então sempre procuro assisti-lo, tirando o vilão de soldado universal (com van damme) este é o melhor filme com Dolph lungreen, Black Jack o segundo.

    ResponderExcluir
  11. O Dolph é dos caras que fazem valer a pena ver um filme.

    Muito bom !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …