Pular para o conteúdo principal

MAIS FORTE QUE A VINGANÇA, aka Jeremiah Johnson (1972)


O que dizem os escritos sobre o verdeiro Jeremiah Johnson, um sujeito que decidiu abdicar-se do mundo civilizado para descobrir os mistérios da vida na natureza, caçando animais e enfrentando índios, frio e solidão, é que acabou se tornando um bárbaro assassino comedor de fígados de peles-vermelhas... Lenda ou não, daria um bom exploitation um filme que explorasse essa característica. Ou, nas mãos de um poeta da violência como Peckinpah, poderia render uma obra, digamos, diferenciada. E, de fato, o diretor de STRAW DOGS realmente foi cotado para dirigir MAIS FORTE QUE A VINGANÇA, cujo roteiro é do grande John Milius e teria Clint Eastwood no papel de Johnson.

Provavelmente por conta do álcool e outros entorpecentes, Bloody Sam acabou de lado - como vários outros projetos que o mestre não conseguiu se firmar - e Sydney Pollack ocupou a cadeira de diretor. Robert Redford, no fim das contas, foi quem encarnou o personagem do título original. O roteiro de Milius se manteve, mas aposto que o filme acabou suavizado... Não que isso seja um problema. MAIS FORTE QUE A VINGANÇA segue outra linha. É uma aventura contemplativa e reflexiva, um belíssimo western histórico que conta com um personagem magnífico, cuja vida retratada aqui, independente do grau de violência mostrada na tela, é simplesmente fascinante.


Nunca sabemos os motivos que levaram Johnson a abandonar tudo. Sabemos apenas que foi soldado e há indícios de desilusões com o ser humano, mas seu passado é misterioso. Acompanhamos o protagonista a partir do momento que decide encarar a hostilidade da natureza. Mas seus primeiros passos como homem das montanhas não é fácil e é interessante vê-lo passando maus bocados em situações que dialogam com os clássicos embates "homem vs natureza", na qual diretores como Werner Herzog transformariam em temas fundamentais.

Em determinada altura, algumas figuras entram no caminho de Johnson, como um velho caçador de ursos que lhe dá algumas dicas, mas especialmente um garoto, sobrevivente de um massacre cometido por índios, e a filha de um cacique com quem se casa. Quando decide criar raízes num local, construir uma cabana, e experimentar uma vida em família, o filme mostra que não importa muito o ambiente que ocupamos, seja na vida selvagem da floresta, numa cidade civilizada, numa montanha gelada ou numa cabana quentinha, merdas acontecem.


A partir daí, a trama poderia virar o banho de sangue que fico imaginando nas mãos de um Peckinpah. Tornaria a narrativa mais movimentada, teríamos sequências de ação deflagradoras, mas provavelmente perderíamos a ideia de odisseia intimista e a reflexão sobre a solidão, sublinhada pelas imagens de Jeremiah Johnson isolado no meio das paisagens. Ou talvez não. Mas como não dá pra ter certeza, ficamos na especulação. O que podemos é elogiar o que temos de concreto. O trabalho de locação, por exemplo, o visual das panorâmicas são de encher os olhos!


E é claro que de vez em quando a necessidade de ação surge na trama, como na cena em que, de fato, Johnson age com o olhar embaçado pela vingança, armado com duas espingardas, em direção a um bando de índios.

Vale destacar o desempenho de Robert Redford, que encarou o frio das montanhas durante as filmagens. Não utilizou dublês nem nas cenas em que aparece distante. Mas isso é detalhe, o ator realmente consegue dar alma ao personagem com muita força e expressividade. Digna de nota também é a direção de Sydney Pollack, sujeito que eu nem gosto muito, mas que conseguiu imprimir personalidade neste aqui. Três filmes do Pollack que considero obrigatórios desse período: A NOITE DOS DESESPERADOS, o casca-grossa OPERAÇÃO YAKUZA e, claro, MAIS FORTE QUE A VINGANÇA. Preciso rever O DIA DO CONDOR...

Para finalizar, umas das coisas mais legais sobre este filme é a quantidade de cartazes e artes alternativas bacanas que ele possui espalhados na rede, incluindo com o sensacional título italiano CORVO ROSSO NON AVRAI IL MIO SCALPO!:

 
 

  

Comentários

  1. este filme é magnifico,sua fotografia é magistral ,acho que é umas da maiores atuações de Redford ,apesar que sou fã acho umas das melhores mesmo, eu assistia ele todos os domingos, logico quando ele passava com som original e legendas em português no"CINE CLUBE " da TV GLOBO,bons tempos dos saudosos anos 80 que não voltam mais ,principalmente uma sessão de filmes originais com legendas na Tv Aberta.Parabens pelo o post!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …