Pular para o conteúdo principal

TRÊS FILMES DE HORROR


Reclama-se muito de como há remakes hoje. Dos últimos três filmes de horror atuais que vi, e que comentarei brevemente aqui, dois são remakes e apenas um original. Reclama-se de como há remakes, mas só por curiosidade MANIAC (2012),  de Franck Khalfoun, refilmagem do filme de William Lustig, do início dos 80, não é de se jogar fora, é um bom exercício, e EVIL DEAD (2013), que dispensa apresentação,do uruguaio Fede Alvarez, é simplesmente BRUTAL!!! Enquanto THE LORDS OF SALEM (2012), roteiro original escrito e dirigido pelo Rob Zombie, é uma bela duma porcaria... Que venham mais remakes então, oras!

Mas tenho consciência de que isso não reflete realmente o que acontece. E é óbvio que prefiro um mercado produzindo horror original a remakes, os quais considero desnecessários na grande maioria das vezes, mas não sou desses xiitas que berram aos quatro ventos o ódio pelas refilmagens. Assisto tranquilamente e torço para que sejam bons.


É o caso de MANIAC, que não chega aos pés do clássico de Lustig, mas consegue alguns bons resultados como exercício de suspense. Khalfoun optou por uma câmera subjetiva que acompanha o protagonista, um serial killer perturbado, vivido por Elijah Wood, praticamente o filme inteiro. Cria alguns momentos fascinantes de tensão. Especialmente nas sequências onde o sangue jorra, a violência entra em cena, gera um incômodo pelo realismo. Assistir uma pessoa sendo assassinada pelos olhos do assassino, literalmente, é algo que causa certo arrepio. Mas, é essa mesma câmera subjetiva, esse caráter experimental, que enche o raio do saco em determinada altura pelo excesso e acaba esgotando a ideia.

Objetivo, curto, bonito visualmente, violento à beça, mas no fim, a sensação é a de um filme bem mais ou menos...  No entanto, é aquela coisa, melhor um filme que se arrisca e se estrepa numa tentativa de ser diferente do que a mesmice de sempre.


E se o grande público não conhece, ou não se lembra, do MANIAC original, o novo EVIL DEAD tinha uma difícil tarefa pela frente: tentar ser algo que prestasse remexendo num dos materiais mais cultuados no universo do horror oitentista. E, bem, não só consegue prestar, como vai muito além! É um puta filmaço!!! Adaptação inteligente, com algumas modificações em relação ao original que poderiam se transformar num desastre, mas que deram certo, deram ainda mais personalidade à obra, sem perder o respeito pelo filme do Raimi. O nível de violência, para uma produção mainstream, é absurdamente extremo, um banho de sangue dos mais atordoantes que eu me lembro de ter visto numa sala de cinema. Sem contar a atmosfera pesada, demoníaca, incômoda, que me deixou grudado na poltrona do início ao fim, as atuações sensacionais, personagens interessantes e maduros (e nada de adolescentes bestas), sangue old school, violência gráfica, mais sangue, membros decepados, mais violência subversiva!

Não é que seja algo revolucionário esse EVIL DEAD, longe disso, mas é uma revitalização simpática à mitologia criada pelo Sam Raimi. Rola umas ideias por aí que estão querendo juntar a série antiga com essa nova e trazer de volta o famigerado Ash (Bruce Campbell até aparace no final dos créditos soltando um "groovy"), um dos persoangens mais emblemáticos do horror moderno. Mexam-se, já tem a minha benção! Hehe! Este aqui, sem dúvida nenhuma, é o melhor filme de horror do ano até agora!


Enquanto isso, o pobre Rob Zombie tenta... Até gosto dos seus dois primeiros filmes, A CASA DOS 1000 CORPOS (2003) e REJEITADOS DO DIABO (2005) (os HALLOWEENS são porcarias), mas ainda assim não são nada de mais. Seu novo trabalho, THE LORDS OF SALEN é um desastre completo. E o pior é que há alguns detalhes importantes que são interessantes e que só mesmo uma anta para estragar. O plot básico, por exemplo, o tema de bruxaria e toda a ligação que faz com a protagonista (Sheri Moon), uma DJ gostosa de dreads, personagem incrível! Pô! Dá para enxergar um potencial nesse projeto! Mas aí o Zombie resolve pegar tudo e transformar numa chatice sem tamanho, num sonífero, num besteirol pretensioso, que paga de auteur cool do horror... blergh!

Comentários

  1. Agora eu preciso assistir urgentemente a essa refilmagem do Evil Dead.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheço vários amigos que não gostaram, mas vale a pena uma conferida. Eu gostei pra cacete!

      Excluir
  2. Evil dead eu já estou com vontade de rever. O do zombie não consegui passar dos 40 minutos, mas já digo que nunca mais pretendo escutar velvet underground hahaha
    Luiz

    ResponderExcluir
  3. marcio bernardi22/05/2013 11:30

    discordo total, maniac é um tesão e evil dead uma bosta, lords não vi ainda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só falta adorar LORDS OF SALEM, hehe! Discordar faz parte.

      Excluir
    2. marcio bernardi22/05/2013 13:49

      bom, só gostei do rejeitados pelo diabo dele mesmo, então...

      evil dead para mim ficou com gosto de filme para adolescente, FX de primeira e um monte de atores ruins embalados em um saco de sangue, o que é aquela cena da Ressurreição, por favor.

      Excluir
    3. Pra mim ficou longe a sensação de filme para adolescente. Até porque os personagens são um pouco mais velhos, mais maduros (além de terem ligação com medicina, são médicos e enfermeiros, daí justifica pra mim o cara conseguir ressuscitar a irmã, apesar de forçado, mas totalmente compreensível num filme de terror cheio de exageros). E não acho os atores ruins não...

      Excluir
  4. Admito que o Maniac original não me deixou muito satisfeito, mas pelos highlights que fiz por este remake parece estar acima da média falta coragem para ver. Evil dead remake talvez veja um dia.. agora o Lords of Salem estava com as expectativas em alta. Admito que não conhecia nenhuma trabalho do Zombie, mas ele acaba por se perder no seu próprio filme de uma forma que acaba por meter "pena" porque até tinha potencial. Agora aquele final! ahah mítico! acho que não vai haver um filme tão cedo com um final tão ridículo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois, é preciso ter muito "talento" pra conseguir estragar uma história como a de LORDS OF SALEM... fico imaginando esse material nas mãos de um Ben Wathley, Jim Mickle... até mesmo o James Wan!

      Excluir
  5. Grande desilusão o do Rob Zombie. Decidi ver o filme sem ler quaisquer criticas ou ver trailer e de facto não vale nada. Quanto aos remakes, que venham eles, desde que bem feitos nada contra. Por vezes fala-se mal nos remakes mas acho que também isso corresponde a um sentimento de frustração dos cinéfilos por não verem nada de novo, como se a imaginação da sétima arte (e do horror em particular) tivesse acabado e então os clássicos , e merecidamente, são um belo escape a essa realidade inovadora um bocado pobre.

    ResponderExcluir
  6. Eu gostei também da refilmagem do Evil Dead, mas também fui esperando que seria diferente e tal, sendo muito fã dos filmes da trilogia. Só acho uma pena que o mais legal da série se perdeu: o protagonista. Eu sei que seria impossível substituir Campbell mas o mais diferente que os filmes tinham era o herói ser o "principal", o mais marcante, o fodão... Diferente de Sexta-feira 13, Hora do Pesadelo, Halloween, Hellraiser, Brinquedo Assassino e outros oitentistas.
    E quem assistiu o filme sabe o rolo que é, mesmo sendo divertido.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …