30.3.13

UNDERCOVER (1995)

Série Scream Queens/Femme Fatales #1: Athena Massey 


Iniciando uma nova série aqui no blog, pra ver se dou uma animada, de vez em quando vou fazer umas postagens especiais homenageando algumas das minhas Scream Queens ou Femme Fatales favoritas, especialmente aquelas que faziam "sucesso" na minha época de adolescente. Portanto, não esperem Barbara Stanwyck ou Rita Hayworth como Femme Fatales. O negócio vai ser mais na linha Julie Strain e Maria Ford.

Mas, para começarmos, vamos de Athena Massey com o filme UNDERCOVER, um exemplar que mistura policial com softcore e  leva muito a sério a questão de cumprir o que promete. A única intenção dos realizadores é mostrar uns peitos de fora, portanto o faz com muita categoria.


Na trama (sim, temos algo que possa chamar de trama), uma prostituta de luxo é assassinada misteriosamente. É aí que entra Cindy (Massey), uma policial que precisa se disfarçar de garota de vida fácil para tentar encontrar o assassino. É claro que até chegar ao ponto de ficar de frente com o matador, a moça vai ter que abrir as pernas váááárias vezes, para o desespero do seu namorado, que também é policial, e de seu chefe.


E dá-lhe cenas de sexo softcore. Mas até que são bem encenadas e conseguem ser sensuais, que é um grande problema desses filmes que passavam no Cine Privé, na Band. Na adolescência era excitante assistir de madrugada escondido dos pais e qualquer gostosa robusta que surgisse sem sutiã era suficiente pro trabalho braçal. Mas hoje a maioria daqueles filmes não consegue nem fazer, com perdão do meu francês, o pau subir. UNDERCOVER consegue. Graças, especialmente, a performance da bela Athena Massey, que não tem frescura de tirar a roupa em momento algum e parece gostar do que faz.


E para provar que UNDERCOVER não é só peitos de fora, com boa vontade dá para refletir as transformações da protagonista, que nessa de se disfarçar de puta, acaba descobrindo um lado sexual que nem sabia que tinha. Claro, é uma leitura difícil, é preciso concentração profunda e entendimento de psicologia comportamental para olhar para a policial gostosona que ela é e acreditar que este pedaço de mau caminho nunca havia explorado seu lado sensual antes...


Uma das coisas legais desses filmes de baixo orçamento que ninguém lembra, ou nem faz ideia que exista, é aquele momento "o passado me condena". Aposto que o Jeffrey Dean Morgan gostaria de apagar este personagem da sua filmografia:


Mas também acontece o contrário. É comum encontrarmos umas figuras que já tiveram dias melhores tendo que aceitar alguns papéis em filmes meia boca pra pagar o aluguel. Sim, estou me referindo a você, Meg Foster:


Sobre o assassino, no final ficamos sabendo quem é. Mas isso não faz a menor diferença após quase 90 minutos de Athena Massey balançando os peitos na tela.

8 comentários:

  1. Consegue-se arranjar o filme na net, mas legendas para ele penso que não... :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, tem que treinar o inglês de ouvido... hehe.

      Excluir
  2. Outra musa dessa época é a Shannon Whirry.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza vai estar num post futuro.

      Excluir
  3. Quero ver uma postagem sobre o filme O Inominável.

    Se eu não me engano, tem a Maria Ford no elenco.

    Rafael

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É na continuação que ela tá. Mas, anotado! Farei postagem dessas bagaças!

      Excluir
  4. "Na adolescência era excitante assistir de madrugada escondido dos pais e qualquer gostosa robusta que surgisse sem sutiã era suficiente pro trabalho braçal."

    HAHAHA, os meninos da internet perderam essa emoção de sábado à noite...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho pena da juventude de hoje... hehe

      Excluir